Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Liturgia – 1ºDomingo da Quaresma – 05.03.2017

Liturgia – 1ºDomingo da Quaresma – 05.03.2017

LITURGIA – 1º. DOMINGO DA QUARESMA – 05.03.2017
“Vai-te embora, satanás”!
1.Acolhida.
A Liturgia da Quaresma visa preparar-nos para a celebração do Mistério Pascal: a Paixão, Morte e Ressurreição de nosso Senhor Jesus Cristo. Celebrar e tornar presente o seu Mistério.
A “Quaresma” (quarenta dias) recorda os 40 anos da peregrinação do Povo de Deus no deserto, os 40 dias de jejum de Jesus em preparação à sua Missão evangelizadora. A Igreja primitiva fazia da Quaresma um tempo especial de preparação dos catecúmenos para o Batismo na Noite da Páscoa.
O Tempo da Quaresma é um tempo de penitência e de conversão, pois, Jesus iniciou sua Missão proclamando solenemente: “Convertei-vos e crede no Evangelho”! A conversão é necessária para entrar no Reino de Deus e isto não pode ser deixada para a “última hora”!

2.Palavra de Deus.
Gn, 2,7-9; 3,1-7 – A Palavra de Deus explica como o pecado, o sofrimento e a morte entraram no mundo. Deus nos criou para a vida e o diabo procura a morte para a criatura humana que Deus fez à sua imagem e semelhança.

Rm 5,12-19 – O pecado de nossos pais implicou na morte de todos os homens; mas a obediência de Jesus garantiu-nos, novamente, ávida eterna. Deus é maior que o pecado de sua criatura amada!

Mt 4,1-11 – Jesus enfrentou a tentação do diabo apelando para a Palavra de Deus. E na força da Palavra de Deus que está a garantia de nossa vitória sobre a malícia de satanás. Creia na força da Palavra de Deus e afaste-se das mentiras do demônio!

3.Reflexão
Iniciamos o “Tempo da Quaresma”; por isso, é bom conhecer como foi elaborado o “Calendário Litúrgico da Igreja”. A Igreja primitiva limitava-se à celebração do “Domingo da Ressurreição”, substituindo o Sábado judaico. A Ressurreição do Senhor é o “Domingo dos domingos”. Aos poucos, a Páscoa do Senhor foi enriquecida com o “Tríduo Pascal” com dedicação especial de oração, meditação e jejum em respeito ao sofrimento do Senhor.
A Páscoa, também, não podia limitar-se três dias; por isso, foram acrescentadas sete semanas (4 da Quaresma e 3 do período pascal, prolongado até o Pentecostes). No tempo pascal rezava-se de pé, evitava-se o jejum e celebrava-se o Batismo. A Igreja queria alegrar-se com a celebração do amor de Jesus Cristo ressuscitado para nossa salvação. O Tempo Pascal é um período de muita alegria para a Igreja.
O número 40 e, de modo geral, todos os números bíblicos são simbólicos; não são números matemáticos! Por exemplo: 40 dias de jejum, 40 dias de caminhada de Elias até a Montanha de Deus (Horeb), 40 dias de penitência dos ninivitas… Para celebrar bem a Páscoa eram, evidentemente, necessários 40 dias de penitência!
Que fazer na Quaresma? Rezar, meditar, Jejuar, converter-se (mudar de caminho), passando do mal para o bem! O Jejum tinha um valor de obra de misericórdia: devia ser dado aos pobres o que não era consumido no tempo de Jejum. Separar o correspondente aos gastos de quem não fazia jejum e depositá-lo na caixa da Igreja em favor dos pobres e necessitados.
Os catecúmenos (candidatos aprovados para o Batismo), durante o Tempo da Quaresma, recebiam ensinamento sobre o Pai Nosso e sobre o Creio, abrindo, assim, seus ouvidos para a fé. A Liturgia do tempo quaresmal era apropriada para a celebração do Batismo. Era e, ainda é uma Liturgia batismal. Por isso, nesta Quaresma, vamos renovar nosso Batismo para ressuscitar com Cristo nesta Páscoa.
Todos pecamos em Adão e todos somos salvos por Jesus Cristo!

Frei Carlos Zagonel, OFMCap

Fonte:http://www.paroquiansacoxipo.com.br/conteudo.php?sid=44&cid=4392

Você pode Gostar de:

2.º Domingo da Páscoa – O discípulo que cura nossa falta de fé

Não foi por acaso o fato de São Tomé não estar com os outros discípulos …