Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / O nosso sangue e o Sangue de Cristo

O nosso sangue e o Sangue de Cristo

Ó Jesus que me remistes com o Vosso Sangue, fazei que o Vosso Sangue produza em mim todo o Seu fruto.
Na liturgia de hoje [1] sobressai a majestosa figura de Jesus, como a de um rei que se apresenta ao povo no esplendor do seu manto real: “Quem é este — canta o Ofício do dia — que vem… com vestidos tingidos, esplendoroso na sua túnica?” (Breviário Romano). Mas o manto envergado por Cristo não é resplandecente pelo bisso ou pela púrpura, mas pelo sangue, pelo Seu Sangue, derramado pelos nossos pecados: “Está vestido com uma veste manchada de Sangue, e chama-se o Verbo de Deus” (ib.)..
Aquele Sangue que o Verbo, ao incarnar, tomou da nossa natureza humana, todo no-lo devolveu como preço do nosso resgate. Não o fez obrigado por ninguém, mas livremente, porque quis, porque nos amou: “Cristo amou-nos e lavou-nos dos nossos pecados no seu sangue” (Ap 1, 5). Todos os mistérios da nossa redenção são mistérios de amor e todos, por isso, nos incitam ao amor; mas aquele que hoje meditamos tem uma nota particularmente comovedora, porquanto nos leva a considerar a Redenção sob o seu aspecto mais cruento: a efusão do Sangue de Jesus, que corre do Calvário tingindo de púrpura o mundo inteiro, rociando todas as almas.
Cristo remiu-nos “não com sangue dos bodes ou bezerros — exclama S. Paulo na Epístola (Hb 9, 11-15) — mas com o seu próprio sangue”: grandiosa realidade, realidade que se fosse deveras compreendida, seria mais que suficiente para fazer de nós autênticos santos. Devemos ter o “sentido” do Sangue de Cristo, do Sangue que Ele derramou por nós até à última gota, Sangue que, por meio dos sacramentos — da confissão, em particular — jorra continuamente para rociar as nossas almas, para as lavar, purificar e enriquecer com os méritos infinitos do Redentor. “Banhai-vos no Sangue, mergulhai no Sangue, revesti-vos do Sangue de Cristo”, era o grito incessante de Santa Catarina de Sena.
No Ofício do dia, S. Paulo convida-nos com ardor a correspondermos ao dom de Cristo: “Jesus, para santificar o povo com o seu sangue padeceu fora da porta [de Jerusalém]. Saiamos pois ao seu encontro… levando o seu opróbrio”. Se queremos que o Sangue de Cristo produza em nós todo o seu fruto, devemos unir-lhe o nosso. Somente o Seu é preciosíssimo, tão precioso que uma só gota era suficiente para salvar todo o mundo. Todavia Jesus quer, como sempre, que lhe juntemos a nossa parte, o nosso contributo de sofrimento, de sacrifício, “levando o seu opróbrio”.
Se formos sinceros temos de reconhecer que procuramos fugir quanto podemos aos opróbrios de Cristo; se às vezes uma falta de delicadeza, uma pequena ofensa ou uma palavrita mordaz basta para nos irritar, como poderemos dizer que somos capazes de partilhar as humilhações do Mestre divino? Ei-lO tratado como um malfeitor, arrastado pela soldadesca, entre escárnios grosseiros, para fora da porta de Jerusalém e aí crucificado no meio de dois ladrões. E nós, que parte tomamos na Sua Paixão? De que modo partilhamos os Seus opróbrios?
Foi para nos redimir que “Jesus sofreu a cruz sem fazer caso da ignomínia… E vós — censura S. Paulo — ainda não resististes até ao sangue, combatendo contra o pecado” (Hb 12, 2 e 4). Poderemos dizer que somos capazes de lutar “até ao sangue” para vencer os nossos defeitos, o nosso orgulho, o nosso amor próprio? Oh! quão fracos e covardes somos na luta, quão indulgentes e compassivos para conosco, sobretudo para com o nosso orgulho! Jesus, inocentíssimo, castigou em Si mesmo os nossos pecados, a ponto de padecer uma morte sangrenta e ignominiosa; e nós, que somos culpados, não sabemos puni-los em nós mesmos, não digo até ao sangue, mas nem sequer até ao sacrifício do nosso amor próprio.
Eis o sangue que Jesus nos pede para juntar ao Seu: o sangue que brota da negação plena e sincera do nosso eu, da aceitação humilde e generosa de tudo o que mortifica, quebra e destrói o nosso orgulho. O Sangue preciosíssimo de Jesus dar-nos-á para isso a força “porque a alma que se inebria e se submerge no Sangue de Cristo, veste-se de verdadeiras e reais virtudes” (Santa Catarina de Sena).
Colóquio — “Ó Jesus, dulcíssimo amor, para fortalecerdes a minha alma e a libertardes da fraqueza em que havia caído pelo pecado, cercaste-a com um muro tendo amassado a cal com a abundância do Vosso Sangue, deste Sangue que une e confirma a alma na doce vontade e caridade de Deus! E como para unir as pedras se põe cal amassada com água, assim Vós, meu Deus, pusestes, entre Vós e as criaturas o Sangue do Vosso Unigênito Filho, amassado com a cal viva do fogo duma ardentíssima caridade; por isso não há Sangue sem fogo nem fogo sem Sangue. O Vosso Sangue, ó Cristo, foi derramado com o fogo do amor” (Sta. Catarina de Sena).
“Eu vos adoro, ó Sangue preciosíssimo de Jesus, flor da criação, fruto da virgindade, instrumento inefável do Espírito Santo, e exulto pensando que, provindo das gotas do sangue virginal, ao qual imprimiu movimento o eterno amor, fostes assumido pelo Verbo e deificado na Sua pessoa. Enterneço-me profundamente pensando que do Coração da Virgem passastes ao Coração do Verbo, e animado pelo sopro da divindade, vos tornastes digno de adoração por serdes Sangue de um Deus.
Eu vos adoro encerrado nas veias de Jesus, conservado na Sua Humanidade como o maná na arca de ouro, memorial da Redenção eterna, por Ele operada nos dias da Sua vida mortal. Adoro-vos, Sangue do Novo e eterno Testamento, irrompendo das veias de Jesus no Getsêmani, das Suas carnes flageladas no Pretório, das mãos e pés trespassados e do lado aberto no Gólgota. Adoro-vos nos sacramentos; adoro-vos na Eucaristia, onde sei que estais substancialmente contido…
Em vós deposito a minha confiança, ó adorável Sangue, nosso preço e nosso banho. Caí gota a gota, suavemente, nos corações transviados e abrandai a sua dureza. Limpai, ó Sangue adorável de Jesus, limpai as nossas manchas, salvai-nos da ira do anjo exterminador. Regai a Igreja: fecundai-a de taumaturgos e de apóstolos, enriquecei-a de almas santas, puras e radiantes de beleza divina” (S. Alberto Magno).

Referências
Extraído e levemente adaptado de “Intimidade Divina: Meditações sobre a Vida Interior para Todos os Dias do Ano”, 2.ª ed., Porto: Edições Carmelitanas, 1967, pp. 1456-1459.
Notas
No calendário litúrgico antigo, a Igreja reservava para o dia 1.º de julho uma festa especial em honra do Preciosíssimo Sangue de Cristo. Infelizmente, no Novus Ordo, essa festa não existe mais, mas resta ainda aos sacerdotes, à medida que o permitirem as rubricas, a possibilidade de rezar Missas votivas em honra ao Preciosíssimo Sangue.

https://padrepauloricardo.org/blog/o-nosso-sangue-e-o-sangue-de-cristo

Você pode Gostar de:

Aniversário Rádio Difusora (Missa em Ação de Graças e jantar Cuiabano)

No dia 23 de agosto de 2018, a Rádio Difusora Bom Jesus de Cuiabá comemora …