Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Liturgia – 17º Domingo do Tempo Comum

Liturgia – 17º Domingo do Tempo Comum

“ONDE VAMOS COMPRAR PÃO PARA ESTA MULTIDÃO?”
1.Acolhida
A Catequese de Jesus em tempo de fome (uma multidão faminta), com certeza, indica-nos caminhos para nosso tempo. O Brasil é um pais rico de bens materiais, mas abriga uma multidão faminta e, diria, sem esperanças de melhoria em sua vida! Meditemos a prática de Jesus e tentemos seguir firmes e fiéis, o seu caminho!

Deus oferece-nos a Eucaristia – alimento divino – mas indica-nos a partilha como meio de saciar a fome física! Com os cinco pães de cevada e dois peixes, Jesus saciou a fome de mais de cinco mil homens! E ainda sobraram doze cestos de pedaços!

2.Palavra de Deus
2Re 4,42-44 – O profeta Elizeu recebeu a doação de vinte pães de cevada e trigo – fruto da primeira colheita. Imediatamente ordenou que fossem oferecidos aos pobres, para saciarem sua fome: “Dá ao povo para que coma!”  Eliseu não se apropriou do dízimo!

Ef 4,1-6 – Os cristãos devem viver de acordo com sua dignidade de filhos de Deus, especialmente, a unidade, o amor e o respeito mútuo, pois, somos todos filhos de Deus, iluminados generosamente pelo Espírito Santo – numa palavra, somos todos irmãos!

Jo 6,1-15 – Jesus atravessa o mar de Tiberíades, sobe um monte, senta-se e começa a sua catequese à multidão que o seguia. Mas a multidão estava com fome e Jesus providencia alimento para todos. Valeu-se de cinco pães de cevada e dois peixes que um menino trazia em sua bolsa. Era a reserva de seu alimento!

3.Reflexão
Observemos que o Evangelho, especialmente o Evangelho de João, sempre tem muitos símbolos. Jesus saiu da cidade, pois esta resiste à sua proposta, e vai para o deserto. Subiu um monte e sentou-se como mestre para ensinar. É a Nova e definitiva Aliança! O Povo de Israel foi educado no deserto, e Jesus forma e educa no “deserto” o Novo Povo de Deus.

O Apóstolo Felipe, interrogado por Jesus, pensa em dinheiro necessário para dar um pedacinho de pão a cada um! André descobre um menino com cinco Paes de cevada e dois peixes (reserva pessoal) e Jesus pede os pães e Ele mesmo começa distribuí-los à multidão. Todos comeram e ficaram saciados e, ainda recolheram 12 cestos de sobras! Milagre de Jesus e ensinamento para dar início à novidade econômica da distribuição dos bens que devem servir para todos. Os bens são de Deus e destinam-se para todos os filhos de Deus.

Eliseu recebeu as primícias e mandou, insistentemente, distribuí-las para os famintos do povoado. Os grandes depósitos prestam para enriquecer os poderosos, mas a partilha tem condições de saciar a fome de muitos pobres, realmente pobres!

Jesus agradeceu antes a Deus e depois distribuiu os pães aos famintos já sentados na grama. O pão é dom de Deus criador e, por isso, Ele merece o agradecimento! O menino foi apenas um colaborador do Criador: ofereceu os pães para serem distribuídos. Deus sempre conta com os pequenos e com os pobres!
O povo sentou-se na grama. Eram mais de cinco mil e comer sentado era sinal de pessoa livre. O escravo come de pé! Aquele povo faminto eram pessoas a quem Jesus havia libertado. Eram filhos de Deus!

Frei Carlos Zagonel

http://www.paroquiansacoxipo.com.br/conteudo.php?sid=44&cid=5207

Você pode Gostar de:

1º Seminário Sistemático de Mato Grosso (Faculdade Católica de Mato Grosso)

A Faculdade Católica de Mato Grosso, localizada no Bairro Cristo Rei em Várzea Grande, realizará …