Página Inicial / Animação Litúrgica / 4º Domingo do Tempo Comum (03.02)

4º Domingo do Tempo Comum (03.02)

PROFETAS: CHAMADOS PARA ANUNCIAR BOAS NOTÍCIAS AO POVO

03 de fevereiro de 2019
QUARTO DOMINGO DO TEMPO COMUM
COR LITÚRGICA: VERDE

A.: Caros irmãos, a Liturgia de hoje nos apresenta Cristo ensinando com autoridade, por meio da pregação
e do testemunho. Nesta celebração, peçamos ao Senhor a graça de exercermos, com fé, a missão profética
de nosso Batismo e a capacidade de amar ao nosso próximo com verdadeira caridade. Iniciemos confiantes
a nossa celebração.
RITOS INICIAIS
1. CANTO DE ENTRADA – (Hinário da CNBB, fasc. 3, p. 120)
R.: Ó SENHOR, SALVA TEUS FILHOS E REÚNE OS ESPALHADOS, PARA QUE TE CELEBREMOS NÓS, EM TI,
GLORIFICADOS!/ 1. Venham todos, com alegria, aclamar nosso Senhor, caminhando ao seu encontro,
proclamando seu louvor. Ele é o Rei dos reis e dos deuses o maior./ 2. Tudo é dele: abismos, montes, mar e
terra ele formou. De joelhos, adoremos este Deus que nos criou, pois nós somos seu rebanho e ele é nosso
pastor./ 3. Ninguém feche o coração, escutemos sua voz. Não sejamos tão ingratos, tal e qual nossos avós.
Mereçamos o que ele tem guardado para nós./ 4. Glória ao Pai que nos acolhe e a seu Filho Salvador.
Igualmente demos glória ao Espírito de amor. Hoje e sempre eternamente, cantaremos seu louvor.
2. SAUDAÇÃO DO CELEBRANTE – P.: Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. TODOS: AMÉM. P.: A
graça e a paz de Deus, nosso Pai, e de Jesus Cristo, nosso Senhor, estejam convosco. TODOS: BENDITO
SEJA DEUS, QUE NOS REUNIU NO AMOR DE CRISTO.
3. ATO PENITENCIAL – P.: No início desta celebração eucarística, peçamos a conversão do coração, fonte
de reconciliação e comunhão com Deus e com os irmãos e irmãs. P.: Senhor, que viestes ao mundo para
nos salvar, tende piedade de nós. TODOS: SENHOR, TENDE PIEDADE DE NÓS. P.: Cristo, que
continuamente nos visitais com a graça do vosso Espírito, tende piedade de nós. TODOS. CRISTO, TENDE
PIEDADE DE NÓS. P.: Senhor, que vireis um dia para julgar as nossas obras, tende piedade de nós. TODOS:
SENHOR, TENDE PIEDADE DE NÓS. P.: Deus todo-poderoso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos
pecados e nos conduza à vida eterna. TODOS: AMÉM.
4. HINO DE LOUVOR – Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por Ele amados! Senhor Deus,
Rei dos céus, Deus Pai todo-poderoso: nós Vos louvamos, nós Vos bendizemos, nós Vos adoramos, nós Vos
glorificamos, nós Vos damos graças por Vossa imensa glória! Senhor Jesus Cristo, Filho Unigênito, Senhor
Deus, Cordeiro de Deus, Filho de Deus Pai. Vós que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós! Vós
que tirais o pecado do mundo, acolhei a nossa súplica! Vós que estais à direita do Pai, tende piedade de
nós! Só Vós sois o Santo, só Vós o Senhor, só Vós o Altíssimo, Jesus Cristo, com o Espírito Santo, na glória
de Deus Pai. Amém.
5. ORAÇÃO DO DIA – P.: OREMOS: (Pausa) – Concedei-nos, Senhor nosso Deus, adorar-vos de todo o
coração, e amar todas as pessoas com verdadeira caridade. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na
unidade do Espírito Santo. TODOS: AMÉM.
LITURGIA DA PALAVRA
A.: Meus irmãos, a força da Palavra de Deus nos fortalece no aprendizado da caridade e no anúncio da
mensagem profética da esperança. Ouçamos com atenção as leituras de hoje.
6. 1ª LEITURA (Jr 1, 4 -5. 17-19) – Leitura do Livro do Profeta Jeremias.
Nos dias de Josias, rei de Judá, 4foi-me dirigida a palavra do Senhor, dizendo: 5“Antes de formar-te no
ventre materno, eu te conheci; antes de saíres do seio de tua mãe, eu te consagrei e te fiz profeta das
nações. 17Vamos, põe a roupa e o cinto, levanta-te e comunica-lhes tudo que eu te mandar dizer: não
tenhas medo, senão, eu te farei tremer na presença deles. 18Com efeito, eu te transformarei hoje numa
cidade fortificada, numa coluna de ferro, num muro de bronze contra todo o mundo, frente aos reis de
Judá e seus príncipes, aos sacerdotes e ao povo da terra; 19eles farão guerra contra ti, mas não
prevalecerão, porque eu estou contigo para defender-te”, diz o Senhor. Palavra do Senhor.
TODOS: GRAÇAS A DEUS.
7. SALMO RESPONSORIAL – (DO SALMO 70/71)
R.: MINHA BOCA ANUNCIARÁ TODOS OS DIAS, VOSSAS GRAÇAS INCONTÁVEIS, Ó SENHOR./ 1. Eu
procuro meu refúgio em vós, Senhor: que eu não seja envergonhado para sempre! Porque sois justo,
defendei-me e libertai-me! Escutai a minha voz, vinde salvar-me!/ 2. Sede uma rocha protetora para mim,
um abrigo bem seguro que me salve! Porque sois a minha força e meu amparo, o meu refúgio, proteção e
segurança! Libertai-me, ó Deus, das mãos do ímpio./ 3. Porque sois justo, ó Senhor Deus, minha esperança,
em vós confio, desde a minha juventude. Sois meu apoio desde antes que eu nascesse, desde o seio
maternal, o meu amparo./ 4. Minha boca anunciará todos os dias vossa justiça e vossas graças incontáveis.
Cantarei vossos portentos, ó Senhor, lembrarei vossa justiça sem igual.
8. 2ª LEITURA (1 Cor 12, 31-13,13) – Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios.
Irmãos: 31Aspirai aos dons mais elevados. Eu vou ainda mostrar-vos um caminho incomparavelmente
superior. 1Se eu falasse todas as línguas, as dos homens e as dos anjos, mas não tivesse caridade, eu seria
como um bronze que soa ou um címbalo que retine. 2Se eu tivesse o dom da profecia, se conhecesse todos
os mistérios e toda a ciência, se tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, mas se não tivesse
caridade, eu não seria nada. 3Se eu gastasse todos os meus bens para sustento dos pobres, se entregasse o
meu corpo às chamas, mas não tivesse caridade, isso de nada me serviria. 4A caridade é paciente, é
benigna; não é invejosa, não é vaidosa, não se ensoberbece; 5não faz nada de inconveniente, não é
interesseira, não se encoleriza, não guarda rancor; 6não se alegra com a iniquidade, mas se regozija com a
verdade. 7Suporta tudo, crê tudo, espera tudo, desculpa tudo. 8A caridade não acabará nunca. As profecias
desaparecerão, as línguas cessarão, a ciência desaparecerá. 9Com efeito, o nosso conhecimento é limitado
e a nossa profecia é imperfeita. 10Mas, quando vier o que é perfeito, desaparecerá o que é imperfeito.
11Quando eu era criança, falava como criança, pensava como criança, raciocinava como criança. Quando
me tornei adulto, rejeitei o que era próprio de criança. 12Agora nós vemos num espelho, confusamente,
mas, então, veremos face a face. Agora, conheço apenas de modo imperfeito, mas, então, conhecerei
como sou conhecido. 13Atualmente permanecem estas três coisas: fé, esperança, caridade. Mas a maior
delas é a caridade. Palavra do Senhor. TODOS: GRAÇAS A DEUS.
9. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO – R.: ALELUIA, ALELUIA, ALELUIA./ Foi o Senhor quem me mandou boas
notícias anunciar; ao pobre, a quem está no cativeiro, libertação eu vou proclamar!
10. EVANGELHO – (Lc 4, 21-30) – P.: O Senhor esteja convosco. TODOS: ELE ESTÁ NO MEIO DE NÓS. P.:
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas. TODOS: GLÓRIA A VÓS, SENHOR!
P.: Naquele tempo, estando Jesus na sinagoga disse: 21“Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que
acabastes de ouvir”. 22Todos davam testemunho a seu respeito, admirados com as palavras cheias de
encanto que saíam da sua boca. E diziam: “Não é este o filho de José?” 23Jesus, porém, disse: “Sem dúvida,
vós me repetireis o provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo. Faze também aqui, em tua terra, tudo o que
ouvimos dizer que fizeste em Cafarnaum”. 24E acrescentou: “Em verdade eu vos digo que nenhum profeta
é bem recebido em sua pátria. 25De fato, eu vos digo: no tempo do profeta Elias, quando não choveu
durante três anos e seis meses e houve grande fome em toda a região, havia muitas viúvas em Israel. 26No
entanto, a nenhuma delas foi enviado Elias, senão a uma viúva que vivia em Sarepta, na Sidônia. 27E no
tempo do profeta Eliseu, havia muitos leprosos em Israel. Contudo, nenhum deles foi curado, mas sim
Naamã, o sírio”. 28Quando ouviram estas palavras de Jesus, todos na sinagoga ficaram furiosos.
29
Levantaram-se e o expulsaram da cidade. Levaram-no até ao alto do monte sobre o qual a cidade estava
construída, com a intenção de lançá-lo no precipício. 30Jesus, porém, passando pelo meio deles, continuou
o seu caminho. Palavra da Salvação. TODOS: GLÓRIA A VÓS, SENHOR!
11. HOMILIA
12. PROFISSÃO DE FÉ – Creio em Deus Pai, todo-poderoso, Criador do céu e da terra, e em Jesus Cristo, seu
único Filho, nosso Senhor, que foi concebido pelo poder do Espírito Santo, nasceu da Virgem Maria,
padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; desceu à mansão dos mortos, ressuscitou
ao terceiro dia, subiu aos céus, está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso, donde há de vir a julgar
os vivos e os mortos. Creio no Espírito Santo, na Santa Igreja Católica, na comunhão dos Santos, na
remissão dos pecados, na ressurreição da carne, na vida eterna. Amém.
13. ORAÇÃO DOS FIÉIS – P.: Irmãos caríssimos, elevemos a Deus as nossas preces pelas necessidades da
Igreja e do mundo inteiro, dizendo: Senhor, atendei a nossa prece!
TODOS: SENHOR, ATENDEI A NOSSA PRECE!
1) Pela Santa Igreja de Deus, para que proclame a Boa Nova da Salvação com fervor, dando testemunho
de sua beleza com a alegria da fé, rezemos ao Senhor.
TODOS: SENHOR, ATENDEI A NOSSA PRECE!
2) Pelos governantes do nosso país, para que suas ações sejam realizadas com o verdadeiro espírito
fraterno em favor dos excluídos e dos mais necessitados, rezemos ao Senhor.
TODOS: SENHOR, ATENDEI A NOSSA PRECE!
3) Pelos cristãos discriminados ou perseguidos por causa da fé, para que permaneçam fortes e fiéis ao
Cristo e à Igreja, rezemos ao Senhor.
TODOS: SENHOR, ATENDEI A NOSSA PRECE!
4) Por todos nós aqui reunidos, para que, vivendo este ano jubilar em nossa Arquidiocese, nos
comprometamos a levar o Evangelho a todos os ambientes do Distrito Federal, rezemos ao Senhor.
TODOS: SENHOR, ATENDEI A NOSSA PRECE!
(Preces Espontâneas)
P.: Senhor, Deus da esperança e da paz, enviai à Vossa Igreja profetas que estimulem continuamente a
fidelidade a Vós, sejam os defensores dos pobres e dos oprimidos e mantenham, vigilantes, nossa
consciência de cristãos. Por Cristo, nosso Senhor.
TODOS: AMÉM.
LITURGIA EUCARÍSTICA
14. CANTO DE OFERTAS – (Hinário da CNBB, fasc. 3, Tempo Comum, p. 420)
R.: DE MÃOS ESTENDIDAS, OFERTAMOS O QUE DE GRAÇA RECEBEMOS./ 1. A natureza tão bela, que é
louvor, que é serviço. O sol que ilumina as trevas, transformando-as em luz. O dia que nos traz o pão, e a
noite que nos dá repouso. Ofertemos ao Senhor, o louvor da criação./ 2. Nossa vida toda inteira ofertamos
ao Senhor, como prova de amizade, como prova de amor. Com o vinho e com o pão, ofertemos ao Senhor
nossa vida toda inteira, o louvor da criação.
15. P.: Orai, irmãos e irmãs…
16. ORAÇÃO SOBRE AS OFERENDAS – P.: Para vos servir, ó Deus, depositamos nossas oferendas em vosso
altar; acolhei-as com bondade, a fim de que se tornem o sacramento da nossa salvação. Por Cristo, nosso
Senhor. – TODOS: AMÉM.
17. ORAÇÃO EUCARÍSTICA II – MR (p. 478) – Prefácio dos Domingos do Tempo Comum VI – Cristo, penhor
da Páscoa eterna – MR (p. 433)
18. RITO DA COMUNHÃO
19. CANTO DE COMUNHÃO – (Hinário da CNBB, fasc. 3, p. 276)
R.: HOJE SE CUMPRIU A ESCRITURA, AS PALAVRAS DE DEUS SE CUMPRIRAM, AS PALAVRAS QUE O
CRISTO ANUNCIOU, AS PALAVRAS QUE TODOS OUVIRAM!/ 1. Bendito o Deus de Israel, que seu povo
visitou e deu-nos libertação enviando um Salvador, da casa do rei Davi, seu ungido servidor./ 2. Cumpriu a
voz dos profetas desde os tempos mais antigos, quis libertar o seu povo do poder dos inimigos,
lembrando-se da aliança de Abraão e dos antigos./ 3. Fez a seu povo a promessa de viver na liberdade.
Sem medos e sem pavores dos que agem com maldade e sempre a ele servir na justiça e santidade./ 4. É
ele o Sol Oriente que nos veio visitar. Da morte, da escuridão, vem a todos libertar. A nós, seu povo
reunido para a paz faz caminhar.
20. ORAÇÃO DEPOIS DA COMUNHÃO – P.: OREMOS: (Pausa) Renovados pelo sacramento da nossa
redenção, nós vos pedimos, ó Deus, que este alimento da salvação eterna nos faça progredir na verdadeira
fé. Por Cristo, nosso Senhor. TODOS: AMÉM.
RITOS FINAIS
21. BREVES AVISOS
22. BÊNÇÃO FINAL
Preparando a Partilha da Palavra
O profeta verdadeiro, chamado por Deus, é um homem de esperança. É responsável por Deus diante da humanidade e pela humanidade diante de Deus. Certamente dirá o que não agrada a todos, pois sua Palavra incomoda, não é sua, é de Deus. Jesus está na sinagoga de Nazaré. Havia acabado de proclamar sua missão: anunciar a Boa Notícia aos pobres e o ano da graça, libertar os oprimidos e cativos, devolver a vista aos cegos. Alguns ficaram entusiasmados com Sua Palavra, outros se “levantaram para o expulsar da cidade, ou desejaram lançá-lo no precipício”. Mas o que fez Jesus? Passou no meio deles e continuou seu caminho. Encontramos, bem sabemos, quem deseja um “Deus” que não incomode. Mas o Deus de Jesus incomoda, pois diante dele não é possível ficar inerte: ou estamos com Ele, ou contra Ele. A fé verdadeira os leva a acolher Jesus, mesmo que o testemunho da fé “nos cause problemas” porque incomoda os que sabem que Ele é a verdade, mas querem viver seus projetos indiferentes a Ele. “Todos na sinagoga ficaram furiosos”, porque Sua Palavra veio subverter a ordem religiosa estabelecida. Jesus, em sua proclamação na sinagoga, voltou-se para os mais abandonados da sociedade de seu tempo – e Ele viveu isso em sua ação
pública. Os pobres, marginalizados, oprimidos de hoje, às vezes, são objetos de discursos inflamados, mas estão à espera de verdadeiros profetas libertadores que lhes estendam a mão, como fez Jesus. Isso incomoda, e muito. Sabemos, porém, que há pessoas dignas que, silenciosamente, têm a mesma atitude de Jesus em sua ação cristã. São solidárias com s abandonados. O episódio da sinagoga de Nazaré mostra-nos que, assim como Elias e Eliseu, antigos profetas, fizeram prodígios entre os estrangeiros porque tinham fé, Jesus também parte para outras terras, uma vez que os seus não o acolheram, e encontra acolhida
mesmo entre os pagãos, que acreditaram n’Ele. O que Jesus está nos ensinando: que é impossível querer viver uma fé n’Ele que não esteja comprometida com a realidade da vida, pois a fé não está separada da vida, nem a vida separada da fé. Ensina-nos que nossa fé n’Ele deve atravessar as fronteiras de nosso
próprio eu e alcançar “lugares mais distantes”, que é o coração dos irmãos, principalmente dos que estão à margem da sociedade e da Comunidade. Fé autêntica é ter mãos de samaritano que se estendem para acolher, ajudar, libertar.
LEITURAS DA SEMANA
Seg.: Hb 11,32-40; Sl 30 (31); Mc 5, 1-20
Ter.: Sta. Águeda. Virgem e Mártir. Memória. Hb 12, 1-4; Sl 21 (22); Mc 5, 21-43.
Qua: S. Paulo Miki e Comps. Mártires. Memória. Hb 12, 4-7. 11-15; Sl 102 (103); Mc 6, 1-6.
Qui.: Hb 12, 18-19.21-24; Sl 47 (48); Mc 6, 7-13.
Sex: S. Jerônimo Emiliani Presb. Sta Josefina Bakhita. Vg. Mem Facult. Hb 13,1-8; Sl 26 (27); Mc 6, 14-29.
Sáb.: Hb 13, 15-17.20-21; Sl 22 (23); Mc 6, 30-34.
Quarta Semana do Saltério
Quarto Domingo do Tempo Comum

Você pode Gostar de:

Solenidade do Natal do Senhor Jesus(25.12)

SOLENIDADE DO NATAL DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO “HOJE NASCEU PARA NÓS O SALVADOR, QUE …