Página Inicial / Notícias / “Estar perto dos que sofrem”, pede Papa aos sacerdotes.

“Estar perto dos que sofrem”, pede Papa aos sacerdotes.

Papa Francisco enviou uma carta aos padres por ocasião dos cento e sessenta anos da morte do Cura d’Ars, padroeiro dos párocos.
Da redação, com Vatican News

O Papa Francisco escreveu uma carta aos sacerdotes recordando os cento e sessenta anos da morte do Cura d’Ars, padroeiro dos párocos. Uma carta que exprime encorajamento e proximidade aos “irmãos presbíteros, que sem fazer alarde” deixam tudo para se empenhar na vida diária das suas comunidades; aos sacerdotes que trabalham na “trincheira”; também a todos aqueles que diariamente enfrentam desafios sem pensar em si mesmos, “para que o povo de Deus seja cuidado e acompanhado”.
“Dirijo-me a cada um de vocês que, em muitas ocasiões, de modo inobservado e sacrificado, no cansaço ou na fadiga, na doença ou na desolação, assumem a missão como um serviço a Deus e ao seu povo e, mesmo com todas as dificuldades do caminho, escrevem as páginas mais belas da vida sacerdotal”, escreveu o Pontífice.
A carta do Santo Padre se abre com um olhar ao escândalo dos abusos: “Nos últimos tempos pudemos ouvir mais claramente o clamor, muitas vezes silencioso e silenciado, de irmãos nossos, vítimas de abusos de poder, de consciência e sexuais por parte dos ministros ordenados”. Mas, explica Francisco, mesmo sem “negar ou ignorar o dano causado”, seria “injusto não reconhecer que tantos sacerdotes que de maneira constante e íntegra oferecem tudo o que são e que têm pelo bem dos outros”.
O Papa destacou a importância dos padres que fazem da vida uma obra de misericórdia em regiões ou situações muitas vezes inóspitas, remotas ou abandonadas. O Pontífice agradeceu todos“pela coragem e constante exemplo” e escreveu: “[Os] tempos da purificação eclesial que estamos vivendo nos tornarão mais alegres e simples e em um futuro não muito distante serão muito fecundos. (…) O Senhor está purificando a sua Esposa [igreja] e a todos nos está convertendo a Ele. Permite-nos experimentar a prova para compreendermos que, sem Ele, somos pó”.
A segunda palavra chave da mensagem do Santo Padre é “gratidão”. Francisco recorda que a vocação, mais do que uma escolha, é a resposta de um chamado gratuito do Senhor. O Papa exorta a “retornar aos momentos luminosos” em que experimentamos o chamado do Senhor para consagrar toda a nossa vida ao seu serviço, voltar “ao sim” crescido no seio de uma “comunidade cristã”.
Em momentos de dificuldade, de fragilidade, de fraqueza, “quando a pior de todas as tentações é a de ficar a ruminar a desolação”, é crucial – explica o Pontífice – “não perder a memória cheia de gratidão da passagem do Senhor na nossa vida” que “nos convidou a apostar n’Ele e pelo seu povo”. Segundo o Papa, a gratidão “é sempre uma arma poderosa”. “Só se formos capazes de contemplar e agradecer por todos os gestos de amor, generosidade, solidariedade e confiança, bem como de perdão, paciência, suportação e compaixão com que fomos tratados, é que deixaremos o Espírito obsequiar-nos com aquele ar puro capaz de renovar (e não remendar) a nossa vida e missão”, completou.
O Santo Padre agradeceu os sacerdotes pela fidelidade aos compromissos assumidos. De acordo com Francisco, é “muito significativo” que em uma sociedade e em uma cultura que transformou o “gasoso” em valor, existam pessoas que apostem na felicidade de doar a vida. O Pontífice agradeceu pela celebração diária da Eucaristia e pelo ministério do sacramento da Reconciliação, vivido sem rigorismos, nem laxismos, ocupando-se das pessoas e acompanhando-as no caminho da conversão. Agradece pelo anúncio do Evangelho “feito a todos com ardor”: “Obrigado por todas as vezes que, deixando-se comover por dentro, vocês acolheram os que caíram, curaram suas feridas… Nada é mais urgente do que isso: proximidade, vizinhança, ficar próximo da carne do irmão que sofre”.
O coração do pastor – afirma Francisco – é aquele que “aprendeu o gosto espiritual de se sentir um só com o seu povo, que não esquece que saiu dele… com estilo de vida austero e simples, sem aceitar privilégios que não têm sabor de Evangelho”. Mas o Papa agradece e convida a agradecer também “pela santidade do Povo fiel de Deus”, manifestada “nos pais que criam seus filhos com tanto amor, nos homens e mulheres que trabalham para levar o pão para casa, nos doentes, nas religiosas idosas que continuam a sorrir”.
A terceira palavra é “coragem”. O Papa quer encorajar os sacerdotes: “A missão à qual fomos chamados não significa que devemos ser imunes ao sofrimento, à dor e até mesmo à incompreensão, ao contrário, pede-nos para os enfrentar e assumir a fim de deixar que o Senhor os transforme e nos configure mais a Ele”. Um bom teste para saber como se encontra o coração do pastor – escreve Francisco – “é perguntar-se como enfrentamos a dor”. De fato, às vezes pode acontecer, de se comportar como o levita ou o sacerdote da parábola do Bom Samaritano, que ignora o homem caído no chão, outras vezes aproxima-se da dor intelectualizando, e refugiando-se em frases comuns (“a vida é assim, não se pode fazer nada”) terminando por dar espaço ao fatalismo. Ou então aproxima-se com um olhar de preferência seletiva gerando apenas isolamento e exclusão”.
O Papa adverte também o que Bernanos definiu como o “elixir mais precioso do demônio”, isto é, “a tristeza adocicada que os padres do Oriente chamavam acédia. A tristeza que paralisa a coragem de continuar no trabalho, na oração”, que “torna estéril todas as tentativas de transformação e conversão, propagando ressentimento e aversão”. Francisco convida os sacerdotes a pedir ao Espírito Santo que venha despertar, dar uma sacudida na sonolência, para desafiar a habitualidade e deixarmos o clero mover-se pelo que acontece ao redor e pelo clamor da Palavra viva do Ressuscitado.
“Ao longo da nossa vida, pudemos contemplar que com Jesus Cristo renasce sem cessar a alegria”. Uma alegria, afirma o Pontífice, que “não nasce de esforços voluntariosos ou intelectualistas, mas da confiança de saber que continuam eficazes as palavras de Jesus a Pedro”. Na oração, explica o Papa, é possível experimentar a bendita precariedade que lembra os padres de serem discípulos carecidos do auxilio do Senhor e liberta da tendência prometeuca dos que confiam unicamente em suas próprias forças.
A oração do pastor “nutre-se e encarna-se no coração do Povo de Deus. Traz as marcas da alegria e das feridas do seu povo”, observou Francisco. Uma confiança que preserva a todos de procurar ou querer respostas fáceis, rápidas ou pré-fabricadas, permitindo ao Senhor ser Ele (e não as nossas receitas e prioridades) a mostrar um caminho de esperança. Portanto “reconheçamos a nossa fragilidade, sim, mas deixemos que Jesus a transforme e nos projete sempre de novo para a missão”, suscitou o Pontífice.
Para manter o coração animado, o Papa observou que não devem ser negligenciadas duas ligações constitutivas da identidade. A primeira com Jesus. É o convite a não esquecer “o acompanhamento espiritual, tendo um irmão com quem falar, confrontar-se, debater e discernir o próprio caminho”. A segunda ligação é com o povo: “Não se isolem do seu povo e dos presbíteros ou das comunidades. E muito menos não em grupos fechados ou elitistas… um ministro corajoso é um ministro sempre em saída”. O Papa pede aos sacerdotes para “estar perto dos que sofrem, de estar sem vergonha perto das misérias humanas e, porque não, vivê-las como próprias para as tornar Eucaristia”. Para serem “artesãos de relação e comunhão, abertos e confiantes e esperançosos da novidade que o Reino de Deus quer suscitar hoje”.
A última palavra proposta na carta é “louvor”. É impossível falar de gratidão e encorajamento sem contemplar Maria que ensina o louvor capaz de abrir o olhar para o futuro e devolver a esperança ao presente, frisou o Santo Padre. Segundo o Papa, olhar Maria é voltar a crer na força revolucionária da ternura e do afeto.
O Papa prosseguiu: “se alguma vez nos sentirmos tentados a isolar-nos e fechar-nos em nós mesmos e nos nossos projetos, protegendo-nos dos caminhos sempre poeirentos da história, ou se o lamento, a queixa, a crítica ou a ironias tomam conta das nossas ações sem vontade de lutar, esperar e amar … olhemos a Maria para que purifique os nossos olhos de todos os “ciscos” que nos possa impedir de estarmos atentos e despertos para contemplar e celebrar a Cristo que vive no meio do seu Povo”.
“Irmãos digo mais uma vez, não cesso de dar a graças a Deus por todos vocês… deixemos que seja a gratidão a suscitar o louvor e que nos encoraje mais uma vez na missão de ungir os nossos irmãos na esperança. A ser homens que testemunhem com a sua vida a compaixão e a misericórdia que só Jesus nos pode dar”, finalizou.

“Estar perto dos que sofrem”, pede Papa aos sacerdotes

Você pode Gostar de:

Aniversário de nascimento de São João Bosco

A Paróquia São João Bosco convida toda a Arquidiocese de Cuiabá para celebrar o aniversário …