Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Liturgia – 19º Domingo Comum 11.08.2019

Liturgia – 19º Domingo Comum 11.08.2019

“NÃO TENHAIS MÊDO, PEQUENO REBANHO,PORQUE FOI DO AGRADO DO PAI, DAR-VOS O REINO!’
1.ACOLHIDA
Iniciamos a celebração dando-nos conta que Deus é quem nos reúne no amor de Cristo: A igreja não é um lugar para cumprir deveres espirituais ou pedir favores! É lugar para um encontro amoroso com nosso Salvador! Enquanto nos dirigimos à igreja, é bom perguntar-se: “Por que você vai à igreja? Não era melhor dormir e descansar, preparando-se para a luta da próxima semana?”
O Domingo é “Dia do Senhor!” ou melhor, “Dia para o Senhor?” O Domingo é “Dia do encontro com a Palavra viva de Deus”, “Dia para encarar o próprio Destino!” Saímos de casa para ir à igreja; saímos do seio de nossa mãe e nos dirigimos rumo ao céu! Irmão/ã, não vá à igreja para conversar ou para passar à limpo as fofocas semanais… Vamos à igreja para ouvir e conversar com Jesus que morreu por nós e nos mostra o caminho do céu.

2.Palavra de Deus
Sb 18,8-9 – O Povo de Deus vivia escravo, mas alimentava a esperança da libertação mediante a oração noturna. Alimentava a esperança da libertação, enfim, prometida por Deus com solene promessa, há mais tempo.
Hb 11,1-2.8,19 – O Povo de Israel esperava a libertação política: Sair do Egito e partir rumo a uma terra prometida, onde corria leite e mel! Esperava, enfim, bens materiais! Qual seria a nossa fé e esperança? Aguardamos bens materiais, como saúde, bom êxito temporal? São Paulo fala aos coríntios: “O que Deus preparou para aqueles que o amam, é algo que os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram, nem coração humano jamais pressentiu!” (1Co 2,9).
Lc 12,32-48 – A promessa de Deus é tão preciosa que paga a pena desfazer-se de bens efêmeros para adquiri-la. A promessa de Deus é visível aos olhos da fé; por isso, preferimos o imediato, o visível, embora seja tão perecível e irrecuperável! Os antigos caminhavam à luz da fé e, por isso, aguardavam um mundo melhor! Acreditavam na Palavra de Deus e caminhavam, intrépidos, rumo ao futuro.

3.Reflexão
O Povo de Israel, sufocado pela escravidão, procurava respirar na oração noturna e aguardava a libertação. E nós, como procuramos superar o sofrimento das crises generalizadas de nosso tempo, crises pessoais e familiares? O patriarca Abraão acreditou na Palavra de Deus e partiu rumo a um destino obscuro e indefinido “Partiu rumo a uma terra que lhe seria concedida em herança e partiu sem saber para onde ia!” Igualmente, para nós, que temos fé. Desconhecemos quase tudo a respeito do paraíso e da vida eterna! Instintivamente, procuramos o imediato, o material, embora, saibamos que é ele é efêmero! Feliz aquele que anda pelos caminhos da fé, como Abraão!
Os destinatários da Carta aos Hebreus eram um povo desanimado e já descrentes de Palavra de Deus! Por isso, o Apóstolo Paulo, fala dos Antigos que acreditaram na Palavra de Deus e foram salvos! Deus tem poder de ressuscitar até os mortos! E para aqueles que se deixam conduzir pela Palavra de Deus, Ele constrói uma pátria melhor, isto é, a cidade celeste! E Deus é o Deus do Povo peregrino, que caminha rumo ao céu! Que pátria esperamos nós que vivemos num mundo confuso e cheio de corrupção? Esperamos a pátria dos homens (do pecado) ou a pátria de Deus (vida eterna)? Ter fé significa viver, desde já, o que esperamos! É viver num mundo que ainda não é visto com nossos olhos carnais!
Todos nós somos guardas e responsáveis pela casa de Deus, aguardamos sua chegada certa mas em data indefinida. Feliz de quem aguarda o senhor vigiando. Jesus recomenda: “Vigiai e orai, pois, não sabeis a que hora o senhor vai chegar!
Frei Carlos Zagonel

Você pode Gostar de:

Aniversário de nascimento de São João Bosco

A Paróquia São João Bosco convida toda a Arquidiocese de Cuiabá para celebrar o aniversário …