Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Liturgia -29º Domingo Comum 20.10.2019

Liturgia -29º Domingo Comum 20.10.2019

LITURGIA –290 DOMINGO COMUM 20.10.2019
“Faça-me justiça contra meus inimigos!”

1.ACOLHIDA
O Reino de Deus sofre violência – e violência diabólica – desde o início do mundo! Mas Deus, pacientemente e com poder, defende sua obra e socorre seu povo com poder e decisão. O Reino de Deus vai, aos poucos, triunfar!
Os amalecitas, que Moisés mandou Josué combater, são filhos de Patriarcas e são a personalização do mal. São inimigos irreconciliáveis de Israel e segundo a “Lei Antiga, deviam ser exterminados!
A oração é a arma maior dos cristãos; ela captura o poder de Deus em favor daqueles que rezam com fé. Deus vai fazer justiça ao pobre e aos eleitos de Deus, se rezarmos com fé! Mas, precisamos erguer os braços, como Moisés e suplicar com fé em favor do Povo de Deus. Rezar como Moisés fez no deserto em favor de Israel, enquanto Josué combatia os amalecitas.

2.Palavra de Deus
Ex 17,8-13 – Os amalecitas, descendentes de Esau, procuram impedir o avança do Povo de Israel, mas Deus ordena a guerra e Moisés, de braços erguidos, pede a vitória de Josué sobre o inimigo.
2Tm 3,14-4,2 – O Apóstolo Paulo tem a certeza de sua morte iminente, por isso entrega seu “Testamento espiritual a Timóteo. Timóteo tinha uma solida formação herdada de sua avó, de sua mãe e do próprio Apóstolo Paulo. Ele sabe que a Palavra de Deus instrui, corrige e sustenta a fé do cristão ao longo de sua caminhada (existência).
Lc 18,1-8 – A viúva é uma criatura humana frágil e sujeita a toda espécie de violência, inclusive estupro e morte violenta! Por isso, a “Viúva do Evangelho” pede insistentemente a proteção d0 juiz, dizendo: “Faça-me justiça contra meus inimigos!” O juiz, cansado de ser importunado, e temendo ser agredido publicamente, a contragosto, terminou fazendo-lhe a justiça solicitada.

3.Reflexão
Deus protegeu o Povo de Israel ao longo do caminho, rumo à “Terra Prometida”, mas ela precisou ser conquistada pela força! A conquista da “Terra Prometida” não foi um prato feito, não foi recebida de graça! Foi uma dura conquista, é verdade, sob a proteção divina! Deus conduziu e protegeu seu Povo! De igual maneira, o Reino de Deus não vem de graça! Ele é dado por Deus, mas requer súplica, oração e luta cotidiana.
Todos nós experimentamos, vida afora, desilusões que nos induzem ao desânimo. Paulo, na iminência de sua condenação, continua fazendo sua Catequese: A Palavra de Deus é útil. Paulo, às vésperas de sua morte, aconselha Timóteo que “proclame a Palavra de Deus, insista oportuna e inoportunamente, denuncie, admoeste, mas com toda a paciência e competência!” O espírito do mundo, “que está todo no maligno”, procura afastar-nos desta Palavra divina, mas quanto mais o maligno procura afastar-nos desta Palavra, mais devemos rezar com a certeza de sermos salvos!
Sejamos fiéis à Palavra de Deus, pois, ela é útil para ensinar, para corrigir, para denunciar e para sustentar! O cristão não vive longe da Palavra de Deus! Ela é apreendida no colo da mãe, nos joelhos do pai e, depois, é firmada pelo ensino e testemunho dos/das catequistas). Sem a Catequese familiar, a Palavra de Deus vira um peso inútil que o jovem joga fora na primeira tentação. A vida de nossas comunidades prova que a Catequese da Comunidade (dos catequistas), quando relegada aos Catequistas é infrutífera! Diria, é inútil.
Voltando ao Evangelho, Jesus diz: “Quando o Filho do Homem voltar, encontrará ainda fé sobre a terra?” Encontrará pessoas crentes na Palavra divina de Deus”?
Acreditamos no horóscopo, mas duvidamos da Palavra viva de nosso Deus!
Frei Carlos Zagonel

Você pode Gostar de:

Campanha da Fraternidade CNBB 2020

Campanha da Fraternidade 2020: CNBB disponibiliza vídeo para as comunidades. Foi divulgado o vídeo oficial …