Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Liturgia 3º Domingo do Tempo Comum

Liturgia 3º Domingo do Tempo Comum

LITURGIA – 3º DOMINGO COMUM 26.01.2020
“CONVERTEI-VOS PORQUE O REINO DE DEUS (CÉUS) ESTÁ PRÓXIMO!”

01.ACOLHIDA
Quem imagina uma Igreja em paz e sem conflitos, está enganado. Jesus falou de fogo e seu desejo é que ele arda intensamente! (Lc 12,49). Jesus trouxe a luz, melhor, Ele é a Luz que brilha para todos, mas de maneira especial para aqueles que andam nos caminhos do sofrimento! A Luz é Jesus e o caminho precisa ser aberto neste mundo e em nosso tempo! Jesus afirma que Ele é o caminho para a Igreja em todos os tempos e lugares. Mas a construção deste caminho é difícil. Necessitamos da Luz de Cristo e não de nosso egoísmo para acertar! Quantos caminhos e quantas tentativas de construção, mas pouca consulta para Aquele que é o CAMINHO, a VERDADE e a VIDA! (Jo 14,6). Ele e o Espírito Santo!
As discussões e as divisões na Igreja e em nossas comunidades são causadas por que? Se Jesus Cristo e seu Espírito estiverem no centro de nossa vida e de nossas preocupações, com certeza, teríamos diversidade de pensamentos, mas não divisões de comunidades! Jesus Cristo e seu Espírito não dividem ninguém, mas nosso egoísmo, sim!

2.PALAVRA DE DEUS
Is 8,23.9,3 – A alegria não acontece pelas lutas (guerras), mas pela presença de Deus e de sua ação! A grande luz é a vinda do Senhor! “O povo que andava na escuridão, viu uma grande luz; para os que habitam na sombra da morte, uma luz resplandeceu! A luz é Jesus porque somente Ele liberta e salva!

1Co 1,10-13.17 – A Comunidade de Corinto andava mal por causa de suas divisões interna: “Digo isso porque cada um de vos afirma: Eu sou de Paulo, eu sou de Cefas (Pedro) ou eu sou de Cristo. Será que Cristo está dividido. Acaso, Paulo é que foi crucificado por vós?”

Mt 4,12-23 – Jesus, sabendo da morte de João Batista, deslocou-se para a Galileia, procurando evitar novos conflitos. Iniciou sua proclamação anunciando a urgência no processo de conversão: “Convertei-vos porque o Reino dos céus (de Deus) está próximo!” Jesus precisava anunciar a urgência do Reino e escolher seus auxiliares (discípulos).

3.REFLEXÃO
A libertação política de uma certa Região da Galileia passou a preanunciar a verdadeira libertação pela futura passagem de Jesus. Ele é a verdadeira libertação dos povos; não são as armas ou as lutas políticas! No Brasil trocamos políticos no poder e a esperança do povo continua frustrada! A libertação que Jesus trouxe e continua trazendo é a libertação do pecado e da miséria moral. Esta verdade custa entrar na cabeça dos mortais de todos os tempos. E custa entrar na nossa própria cabeça! O político e o econômico são partes integrantes da libertação humana, mas abandonar o pecado é essencial!
A Comunidade de Corinto passa pelas dificuldades conhecidas em nossas próprias comunidades! Trocam os nomes, mas o “pecado” é o mesmo! Temos nossas escolhas e preferências: É um determinado Movimento pastoral, um determinado “padre ungido”, uma certa devoção ou espiritualidade ou determinada devoção (comungar de joelhos, na boca…). Sinceramente, qual é mesmo o lugar que Jesus ocupa nesta confusão toda? Nós “adoramos” movimentos e organizações, mas não adoramos Jesus Cristo! Por mais ungido que fosse o Apóstolo Paulo, ele nunca ocupou o lugar de Cristo. Ele anunciou Jesus Cristo e Jesus Cristo crucificado!
Jesus Cristo tinha uma missão, recebida do Pai. Ele não a negociou com autoridades e nem fugiu dela!… Até a chegada de sua “Hora” Ele procedeu com prudência, integridade e firmeza! Mandou dizer para Herodes: “Ide dizer a essa raposa: Eu expulso demônios e faço curas hoje e amanhã e no terceiro dia terminarei o meu trabalho. Entretanto preciso caminhar hoje, amanhã e depois de amanhã, pois não convém que um profeta mora fora de Jerusalém!”

“Jesus Cristo e Senhor para a glória do Pai!”
Frei Carlos Zagonel

Você pode Gostar de:

Curso de Formação para Leigos e Leigas

Aos  Reverendíssimos Párocos e Vigários Paroquiais, A Coordenação Arquidiocesana de Pastoral e a Comissão de …