Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Liturgia – Apresentação do Senhor 02.02.2020

Liturgia – Apresentação do Senhor 02.02.2020

JESUS É SOCORRO PARA AQUELES QUE SOFREM!

1.ACOLHIDA
Neste domingo celebramos a entrega de Jesus ao Pai para o cumprimento do Plano da Salvação. Ele não é propriedade de Maria e José! Ele o enviado do Pai para a salvação da humanidade. É o sacrifício divino para nossa salvação!
Cada um de nós – que celebramos a Eucaristia dominical – devemos recordar-nos que pertencemos ao Senhor e somos parceiros de Jesus no mistério da salvação! Jesus não foi “resgatado” pelos pais, pois, eram pobres e não ofereceram o sacrifício do resgate! Jesus foi apresentado ao Pai, o verdadeiro “dono” de Jesus! Por isso, na cruz e na hora de sua morte Ele exclamou: “Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito!”

2.PALAVRA DE DEUS
Ml 3,1-4 – O culto celebrado no tempo não era agradável a Deus. Era um culto hipócrita e desacompanhado da prática da justiça! – “Eis que eu envio o meu anjo, e ele haverá de preparar um caminho para mim…”
Hb 2,14-18 – Jesus se fez carne e carne semelhante à carne humana (evidente, sem a marca do pecado!), por isso Ele se tornou um verdadeira sacerdote a fim de salvar a todos aqueles que nEle acreditam! “Ele devia fazer-se em tudo semelhante aos irmãos para se tornar um verdadeiro e sumo sacerdote misericordioso e digno de confiança!…”
Lc 22,22-40 – A Lei ordenava que todo o primogênito devia ser consagrado ao Senhor! Foi o que Maria e José fizeram ao “apresentar” o Menino a Deus Pai! Simeão e Ana, dois temente a Deus, tomaram o Menino em seus braços e profetizaram a respeito de seu destino futuro!

3.REFLEXÃO
O culto a Deus, sempre, deve ser perfeito, acompanhado de obras de justiça e de misericórdia. E o culto do Templo de Jerusalém estava viciado de egoísmo e de interesses materiais; por isso, Deus não o aceitava! O profeta Malaquias, então, afirmou: Eis que eu envio o meu anjo e ele haverá de preparar o caminho para mim (…) ele purificará os filhos de Levi (…). Será então agradável a oblação de Judá como nos primeiros tempos e nos anos antigos!” O anjo do Senhor é o Messias que purificará o Templo e seus habitantes; então, eles poderão oferecer os sacrifícios agradáveis ao Senhor!
Na Carta aos Hebreus, Paulo afirma que o Messias será em tudo semelhantes a seus irmãos (exceto no pecado) e, então, será o verdadeiro sacerdote que apaga os nossos pecados! O Messias não se encarnou para ocupar-se dos anjos, mas para garantir a salvação de sus irmãos! Diz São Paulo: “Pois, tendo ele próprio sofrido ao ser tentado, é capaz de socorrer os que agora sofrem a tentação” Este é o amor de nosso Deus e por este amor é que Ele nos salva!
Maria e José levaram ao Templo o Menino para ser consagrado a Deus. Eram pobres pagaram a “taxa batismal” – um par de rolas! Mas não pagaram o resgate do primogênito, por isso, o Menino ficou pertencendo a Deus! Pais pobres! Nem conseguiram resgatar o próprio filho! Esta é a vida que o Filho de Deus carregou ao tornar-se semelhante aos pobres deste mundo! E Simeão e Ana, por sua vez, exultam por verem o Messias, mas não deixam de recordar a Maria que uma espada de sofrimento haverá de transpassar o seu coração!

Depois de cumprirem tudo, conforme a lei do Senhor, voltaram a Nazaré sua cidade!
FREI CARLOS ZAGONEL

Você pode Gostar de:

Curso de Formação para Leigos e Leigas

Aos  Reverendíssimos Párocos e Vigários Paroquiais, A Coordenação Arquidiocesana de Pastoral e a Comissão de …