Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Liturgia 6º Domingo do Tempo Comum (16.02.2020)

Liturgia 6º Domingo do Tempo Comum (16.02.2020)

“Diante do homem estão a vida e a morte, o bem e o mal . Ele receberá aquilo que preferir!”

1.Acolhida
A vida humana é um desafio constante entre o bem e o mal. Em nossas mãos está a vida e a morte; cabe a nós escolher! (Dt 30,11-200. Deus não nos propõe os Mandamentos como um capricho divino! Que nos conduz à salvação e à felicidade! Os Mandamentos de Deus são sabedoria divina para nossa salvação, são caminho seguro para nossa salvação e para nossa felicidade! Abolir os Mandamentos significaria negar-se a si mesmo! Eles são sabedoria e amor de Deus em favor do próprio homem, que Ele criou para participar de sua felicidade divina.
Em cada domingo, a Liturgia que celebramos, ilumina nossos passos rumo à salvação e rumo à felicidade eterna!

2.Palavra de Deus
Ecl 15,16-21 – Deus não quer homens como “bonecos automatizados”! Ele quer pessoas livres como Ele, que é infinitamente livre: Fez-nos para o bem e para a felicidade: é suficiente observar os seus Mandamentos: “Não mandou ninguém agir como ímpio e a ninguém deu licença para pecar!”
1Co 2,6-10 – O Apóstolo Paulo fala-nos de “sabedoria divina” que Deus destinou para nossa glória! A sabedoria humana é destinada à perdição, mas a sabedoria divina prepara uma vida feliz, jamais pensada e nem mesmo imaginada pela criatura humana!
Mt 5,17-37 – Ao longo dos tempos, o próprio homem foi elaborando normas de convivência, mas Jesus Cristo aperfeiçoou a legislação humana e, inclusive, a própria legislação, dado por Deus a Moisés. Um grande bispo americano – Fulton Scheen – disse: Os homens americanos fizeram um milhão de leis para substituir os “Dez Mandamentos” e fracassaram! Jesus aperfeiçoa a Lei divina: “Dou-vos um Novo mandamento – Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei!”

3.Reflexão
Não poucos esperavam que o Papa Francisco acabasse com alguns mandamentos! Enganaram-se redondamente, pois o Papa não tem nenhum poder sobre os Mandamentos de Deus! Alias, nem o próprio Jesus Cristo tem esse poder! Seria negar a si mesmo! Os Mandamentos são sabedoria divina e pode passar o mundo inteiro e não será modificada nenhuma palavra ou vírgula ( ). Podemos, isso sim, rezar com o salmista: “Dai-me o saber, e cumprirei a vossa Lei, e de todo coração eu a guardarei!” (Sl 118/119).
“Ouvistes o que foi dito aos antigos?… Eu porém vos digo…..” Jesus aprofunda, mas não dispensa. Ele não dispensa porque os Mandamentos são sabedoria divina e salvadora!
Na Carta aos coríntios, Paulo fala da Sabedoria divina que prepara uma recompensa inimaginável para quem observa os Mandamentos divinos: “O que Deus preparou para aqueles que o amam é algo que os olhos jamais viram, nem os ouvidos ouviram, nem o coração humano jamais pressentiu….” O caminho de Deus é estreito e exigente, mas a recompensa é infinita! Nós pensamos pouco ou nada sobre as promessas de Deus. Nós avaliamos mais o temporal que o eterno! Os Mandamentos são sabedoria divina e são uma maneira de ser e de agir! Saber que o remédio é bom, não basta para ser curado! Precisa ser bebido, mesmo que seja amargo!
Diante de nós está o fogo e a água; precisamos escolher: Diante do homem estão a vida e a morte, o bem e o mal; precisamos escolher, pois o ser humano recebe o que ele preferir! (…) Deus não mandou ninguém agir como ímpio e a ninguém deu licença para pecar!”
Observar os Mandamentos significa agir de acordo com nossa própria natureza redimida por Jesus Cristo. Negar a própria natureza significa morrer! Um automóvel funciona bem com gasolina; com água não funciona, pois, sua natureza é diferente! Ele enferruja!

“Não pense que Eu vim para abolir…Eu vim para dar-lhe pleno cumprimento”.

Frei Carlos Zagonel

Você pode Gostar de:

Curso de Formação para Leigos e Leigas

Aos  Reverendíssimos Párocos e Vigários Paroquiais, A Coordenação Arquidiocesana de Pastoral e a Comissão de …