Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Liturgia da Vigilia Pascal 11.04.2020.

Liturgia da Vigilia Pascal 11.04.2020.

“DEPOIS DE TRÊS DIAS, EU RESSUSCITAREI!”
1.Acolhida
Irmãos e irmãs, celebremos com alegria a nossa fé na ressurreição de Jesus, especialmente, neste tempo de calamidade e de peste! A peste do “corona vírus” vai passar, mas a fé na ressurreição de Jesus não vai passar! Aproveitemos deste “Tempo Pascal” e do sofrimento causado pela peste para revigorar nossa fé na Ressurreição de Jesus: “Eu ressuscitarei!”
A cerimônia é longa, solene e magistral: Ela revela a paciência de Deus, sua fidelidade e, principalmente, seu amor infinito e imutável. Celebramos a História de nossa Salvação!
Deus cria o homem com sua marca divina – “imagem e semelhança divina – pequeno Deus!” O pecado estragou o projeto de Deus (sim, estragou o Projeto de Deus), mas seu amor é infinito e decidiu resgatar-nos a um preço altíssimo: o Sangue de seu próprio Filho: “De tal modo Deus amou o mundo que lhes deu se próprio Filho!” Nós fomos salvos, resgatados, pelo Sangue de Jesus! (Jo 3,16). A Liturgia, embora, longa, faz um resumo de nossa salvação e nos dá a certeza que ressuscitaremos com Ele.
Mesmo depois de dois mil anos de História, ainda, há quem duvide da Ressurreição de Jesus! Preferem acreditar na mentira sugerida pelos Sumos Sacerdotes: “Enquanto os soldados dormiam, os discípulos roubaram o corpo de Jesus!” Desqualificaram as testemunhas dorminhocas e ensinaram que a corrupção por dinheiro não é tão recente!

Cristo vencedor da morte – “Depois de três dias, Eu ressuscitarei” (Jesus). E os discípulos confirmavam a ressurreição de Jesus, com uma resposta simples: “Ele ressuscitou como havia dito”! A verdade não precisa de longos discursos e nem de dinheiro para perverter! Ele ressuscitou, é vencedor da morte, está vivo entre nós. Para os discípulos Ele se revelou num jardineiro (Madalena), num jovem viajante (Emaús), num senhor que frita peixes na praia e os oferece aos próprios Apóstolos. Diz um comentarista: Jesus não é alguém que ressuscitou, mas Ele é a própria Ressurreição. Aliás, Ele mesmo afirma no Evangelho: “Eu sou a Ressurreição e a Vida, quem crer em Mim viverá!” (Jo 11,25). Nós cremos na palavra dos Apóstolos e dos privilegiados discípulos e discípulas da primeira hora, mas nos cremos na Palavra de Jesus que afirmou sua própria ressureição: “Eu ressuscitarei depois de três dias!”

Testemunhas da ressurreição de Jesus.
Devemos, sim, anunciar a Ressurreição de Jesus, mas mediante a vida nova de ressuscitados. Nossa vida de ressuscitados é testemunho válido da Ressurreição de Jesus – Nós devemos dar o testemunho de uma vida nova de verdadeiros ressuscitados que trazem dentro de si a força de Jesus vivo, ressuscitado e glorioso. Se ainda vivemos na carne, ou seja no pecado, como podemos falar de Jesus vivo e realmente ressuscitado?

“A luz de Cristo que ressuscitou resplandecente,Dissipe as trevas de nosso coração e de nossa mente!”
Frei Carlos Zagonel.

Você pode Gostar de:

Liturgia – 15º Domingo Comum

“A Palavra de Deus é viva e eficaz!” 1.ACOLHIDA. Neste Domingo, Jesus quer iluminar nossa …