Página Inicial / Notícias / Vérgez: Museus Vaticanos se preparam para reabrir

Vérgez: Museus Vaticanos se preparam para reabrir

Entrevista com dom Fernando Vérgez Alzaga, secretário-geral do Governatorado do Vaticano: “Encaramos o futuro com confiança”. Em breve a reabertura ao público em condições seguras e mediante reserva. Durante o confinamento, algumas atividades continuaram.
Alessandro De Carolis/Manoel Tavares – Cidade do Vaticano

Em breve, os Museus do Vaticano reabrirão suas portas ao público, em condições de segurança, após o bloqueio obrigatório da quarentena do Corona-Vírus.
De fato, os Museus do Vaticano, que, em 2019, contou com a presença de quase 7 milhões de visitantes, foram obrigados a suspender suas atividades públicas.
Em entrevista à Rádio Vaticano, Vatican News, nosso colega Alessandro de Carolis conversou com o bispo, Secretário-geral do Governatorado da Cidade do Vaticano, dom Fernando Vérgez Alzaga, que destacou “a grande necessidade de trabalhar na realidade concreta, sem esquecer que as pessoas são os protagonistas que dão vida aos Museus Vaticanos e que a experiência real do Museu dá vida às pessoas. O virtual jamais poderá substituir a realidade, pois, para dar valor à arte são necessários olhos e coração”.
A este respeito, eis o que nos explicou Dom Fernando Vérgez Alzaga: sobre todo este período de quarentena obrigatória:

Vérgez: «Fechamos as portas ao público, cientes de que a salvaguarda da saúde vem em primeiro lugar. Por isso, neste último mês e meio, decidimos realizar apenas as atividades que considerávamos mais essenciais, para as quais contamos apenas com cerca de trinta funcionários ao dia. Uma porcentagem muito baixa se considerarmos que a grande “família” de funcionários e colaboradores dos Museus é composta por quase mil pessoas, incluindo guardiões, historiadores de arte, restauradores, equipe administrativa e as várias empresas de serviços. Agora, precisamos dar tempo ao tempo para que toda a equipe se acostume com os novos protocolos de segurança, diante deste cenário inédito e complexo que estamos enfrentando».

Como os Museus Vaticanos enfrentaram esta crise e espera enfrentá-la, economicamente, nos próximos meses?
«Antes de tudo, tivemos a preocupação de assegurar o salário a todos os funcionários, respondendo à firme vontade do Santo Padre. Em segundo lugar, cortamos, imediatamente, todas as despesas não urgentes. Como toda boa família, chegou o momento de economizar, eliminar o supérfluo e se sacrificar, em vista de um futuro melhor. Neste sentido, podemos dizer que os Museus Vaticanos são uma instituição sólida, também do ponto de vista econômico. Isso nos permite encarar o futuro com confiança».

Atualmente, notamos um aumento do uso digital público, para todos os que foram obrigados a ficar em casa. Dom Fernando, o senhor acha que isto poderá ser intensificado?
«Estes dois meses foram, para nós, meses de silêncio. Vimos o Papa Francisco em uma Praça São Pedro deserta. Vimos as salas e galerias do museu vazias. O silêncio exigia oração. Por isso, preferimos ficar um pouco de lado, reduzir a nossa comunicação ao mínimo e dar testemunho cristão. No entanto, para quem queria ou ainda quer, no nosso site oficial oferecemos inúmeras visitas virtuais no Museu, inclusive na Capela Sistina. Há alguns meses inauguramos um nosso perfil oficial no Instagram (@vaticanmuseums), onde, todos os dias, apresentamos uma obra das Coleções pontifícias. Neste último período, de modo particular, também o fizemos em colaboração com Vatican News. Porém, temos uma grande necessidade trabalhar na realidade concreta, sem esquecer que as pessoas são os protagonistas que dão vida aos Museus Vaticanos e que a experiência real do Museu dá vida às pessoas. O virtual jamais poderá substituir a realidade, pois, para dar valor à arte são necessários olhos e coração”.

Os Museus da Itália estão se preparando para abrir, em breve, suas portas ao público. Os Museus do Vaticano estão prontos?
«Ainda não temos uma data certa para a reabertura. Mas, a preparação começa primeiro internamente. Ativamos protocolos em defesa da saúde da equipe: quando um funcionário chega, é medida a sua temperatura corporal e recebe luvas e máscaras. A Direção do Setor de Saúde e Higiene do Governatorado Vaticano apresentou um decálogo, sobre as regras de higiene e de distanciamento social, que todos devem seguir escrupulosamente. Para o público, estamos ultimando a instalação de alguns “scanners térmicos” para detectar a temperatura corpórea. O público só terá acesso ao Museu mediante bilhetes reservados antecipadamente, para favorecer uma entrada organizada. Todos os visitantes deverão usar máscaras. Na hora da reserva dos bilhetes, o site oficial do Museu oferecerá todas as informações necessárias».

Nesta Segunda Fase da epidemia, presume-se que os primeiros visitantes dos Museus sejam os cidadãos da capital italiana e das suas proximidades. Eles terão alguma surpresa especial?
«Provavelmente sim, pelo menos no primeiro período. Por isso, estamos pensando em fazer uma mudança no horário de funcionamento: tentaremos incentivar as visitas à tarde e à noite, principalmente nos fins de semana. Gostaria que este momento difícil se transformasse em uma oportunidade. Por isso, faço minhas as palavras que o Prof. Antonio Paolucci, ex-diretor dos Museus do Vaticano, teve a oportunidade de lhes dirigir: “Romanos, tomem novamente posse do seu Museu. Os Museus do Vaticano nasceram como propriedade da Cidade de Roma”. Logo, esperamos que sejam numerosos os visitantes, sobretudo romanos, nas próximas semanas».
Dom Fernando, será possível também visitar os Jardins do Vaticano?
«Claro que sim! Se reabrirmos nossas portas, não será para sacrificar a presença dos visitantes. Reabriremos tudo o que for possível. O lento retorno à normalidade, ao qual todos almejamos, exige certa criatividade, para impedir que tudo seja uma simples questão de imagem ou de falsa de imagem. Claro, também para as visitas aos Jardins do Vaticano, haverá modalidades particulares, capazes de levar em consideração as necessidades já mencionadas de segurança para a saúde das pessoas, com os devidos horários e itinerários. Retomaremos também as várias atividades turísticas e culturais nas Vilas Pontifícias de Castelgandolfo, que, por desejo do Santo Padre, são confiadas aos Museus do Vaticano. Nesse caso, preferimos concentrar tais atividades mais nos fins de semana, dando a oportunidade às pessoas de visitar a Residência de verão dos Papas e os esplêndidos jardins da Vila Barberini. Este período será propício e apropriado»!
Quantos visitantes os senhores esperam receber nos próximos meses até terminar a crise da pandemia?
«Esta pandemia nos ensinou uma coisa: evitar de fazer previsões para além de dois dias. Nestes anos, aprendemos que no mundo do turismo é essencial manter um relacionamento constante e confiante com os agentes de turismo. A contribuição deles é muito importante para conhecermos, antecipadamente, a dinâmica do mercado do turismo, bem como a escolha e o desenvolvimento de projetos e iniciativas de acolhimento. Com eles estamos tentando entender o que vai acontecer em um futuro próximo, mas não é fácil. No momento, o setor dos agentes e guias turísticos está em crise. Por isso, é natural que, por muito tempo, não será possível receber grandes grupos de visitantes e turistas. Será necessário ter muita paciência, enquanto as coisas não melhorarem».
https://www.vaticannews.va/pt/vaticano/news/2020-05/vergez-museus-vaticanos-se-preparam-para-reabrir.html

Você pode Gostar de:

Simpósio de Formação Ecumênica 2021

Estão abertas as inscrições ao Simpósio de Formação Ecumênica 2021 que acontecerá, de forma virtual, …