Página Inicial / Animação Litúrgica / 12º Domingo do Tempo Comum(21.06)

12º Domingo do Tempo Comum(21.06)

Celebração Dominical da Palavra de Deus
12º Domingo do Tempo Comum

– cor verde
– 21/06/2020

1. Saudação Presidente – Queridos irmãos e irmãs, sejam bem-vindos para juntos celebrarmos o Mistério Pascal de Cristo, que se manifesta no testemunho firme e corajoso de fé daqueles que sofrem perseguições, no exercício da missão que receberam de Jesus. Unidos pelo amor do Deus Uno e Trino, façamos o sinal que nos identifica como irmãos. Em nome do Pai… Presidente – A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco. Bendito seja Deus…
Animador(a) – A missão primeira e fundamental, que deriva dos mistérios celebrados, é dar testemunho com a nossa vida. Tornamo-nos testemunhas quando, por nossas ações, palavras e modo de ser, é o Outro que aparece e comunica (Sacramentum Caritatis, 85). Trazemos presente os fatos e acontecimentos importantes da semana que passou (recordação da vida). E, hoje, especialmente, lembramos os inúmeros mártires que, ao longo dos séculos, foram perseguidos e doaram suas vidas pela causa do testemunho e anúncio da Boa-Nova do Reino.
2. Deus nos perdoa
Presidente – Irmãos e irmãs, peçamos perdão pelas inúmeras vezes que nós cristãos tivemos medo, nos sentimos envergonhados diante das oportunidades de anunciar ou testemunhar a Boa-Nova do Evangelho (silêncio). Confiantes na bondade do Senhor, rezemos.
Presidente – Tende compaixão de nós, Senhor. Todos – Porque somos pecadores. Presidente – Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia. Todos – E dai-nos a vossa salvação.
Presidente – Deus de amor e bondade, tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna. Amém. – Senhor, tende piedade de nós! Senhor… – Cristo, tende piedade de nós! Cristo… – Senhor, tende piedade de nós! Senhor…
3. Hino do Glória
Presidente – Glorifiquemos ao Deus Criador, que é experiência de amor e fonte de confiança e alegria para nós, discípulos missionários, cantando o Hino da Glória.
Deus nos fala
4. Leitura do Livro do Profeta Jeremias (20, 10-13)
5. Salmo Responsorial (68) (CD Liturgia VI) Atendei-me, ó Senhor, pelo vosso imenso amor! (bis)
6. Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos (5, 12-15)
7Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus (10, 26-33)
8. Partilha da Palavra
9. Profissão de Fé
Presidente – Confiantes no Pai que nos encoraja para exercer a nossa missão, professemos nossa fé. Creio em Deus Pai…
10. Preces da Comunidade Presidente – Confiantes no Deus, sempre pronto a atender nossas orações, elevemos nossos pedidos, rezando: Atendei-nos, ó Senhor, pelo vosso imenso amor!
11. Apresentação dos Dons
12 Animador(a)
– A Palavra de Jesus quer nos libertar do medo e nos revestir de coragem e de confiança no Pai, que cuida dos missionários com maternal carinho. É palavra que pede convicção e firmeza à comunidade dos cristãos, para animada e de cabeça erguida, prosseguir no testemunho, pronta inclusive ao martírio, a exemplo do Mestre que, obediente à vontade do Pai, manteve-se fiel até as últimas consequências. Apresentemos ao Altar do Senhor, o nosso esforço de nos libertar do medo e da insegurança, que nos faz calar diante das injustiças que ferem e matam a vida, a fim de que possamos exercer com fidelidade nossa missão de batizados.
Coleta Fraterna
13 Pai Nosso
Presidente – Como filhos e filhas, quando ouvimos a Palavra de Deus somos alimentados e enviados para a missão. Com o espírito renovado, rezemos a oração que Jesus nos ensinou: Pai Nosso…
14. Abraço da Paz Animador(a) – Jesus nos chama e nos envia a sermos portadores da paz. No compromisso de trabalhar em busca da unidade, fruto da paz e da justiça, saudemo-nos com um abraço fraterno. (Agostinho B. Soares) Esteja sempre com você a paz do Senhor Jesus. (3x) Esteja sempre com você, meu irmão, a paz do Senhor Jesus!
15. Oração Presidente – Oremos – (silêncio) – Ó Deus, renovados pela vossa Palavra (e pela Comunhão) em vosso Filho Jesus, nós vos pedimos que em nossa vida o amor sempre vença o medo e a vingança, e que um dia alcancemos o que hoje celebramos: a eterna salvação. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.
16. Bênção Presidente – O Deus da vida, que se revela na pessoa de Jesus, vos encha do seu Espírito e vos renove na alegria e no amor. Amém. – Abençoe-vos o Deus amoroso e misericordioso: Pai e Filho e Espírito Santo. Amém. – “Não tenhais medo…”. Ide e anunciai o Evangelho e que o Senhor vos acompanhe. Graças a Deus.

Meditando a Palavra de Deus
No Evangelho de hoje, Jesus repete por três vezes: “Não tenham medo.” Mateus conhecia muito bem a violência daqueles que se opunham à Boa-Nova do Mestre. Ele procura alimentar o testemunho dos cristãos apresentando-lhes motivos pelos quais não devem desistir da missão. O missionário não deve ter medo, ele está cumprindo uma missão recebida de Jesus que passou da morte à vida verdadeira. Os opositores do Reino podem interferir na vida presente, mas só Deus tem poder de decisão sobre a vida futura. Nada lhe passa despercebido na vida terrena nem mesmo a queda de um cabelo. Assim, o testemunho fiel, por simples que seja, será reconhecido junto de Deus. Quem optar por seguir fielmente o Mestre está nas mãos de Deus. A Palavra de Deus quer nos libertar do medo e nos revestir de coragem e de confiança no Pai, que cuida dos discípulos missionários com maternal carinho. É palavra que pede convicção e firmeza à comunidade dos cristãos, para, animada e de cabeça erguida, prosseguir no testemunho, pronta inclusive ao martírio, a exemplo do Mestre, obediente à vontade do Pai, manteve-se fiel até as últimas consequências. O texto da 1ª leitura expõe o íntimo de alguém que se entregou por inteiro à missão. Jeremias sente-se contrariado e depois experimenta, nas horas difíceis, lampejos de confiança ao perceber que o Senhor está com ele. Provou em sua própria carne o peso da missão profética, diante das perseguições e injúrias dos chefes religiosos e do desprezo do povo. O profeta depois de profundo desabafo, mergulha na serenidade própria de quem se percebe acompanhado. Deus é o guarda-costas e defensor dele. Paulo em sua carta revela-nos que a missão deve suscitar uma opção de vida. Apresenta-nos as consequências do pecado do primeiro homem e a salvação oferecida por Jesus. O projeto de Deus foi ferido pelo pecado do velho homem que, desobedecendo, afastou-se do Pai e, por tal razão, tornou-se escravo da morte. Jesus sendo inteiramente obediente, cumpriu a sua vontade até as últimas consequências. Pela obediência de seu Filho, o Pai tornou a humanidade participante de sua vida. Em nossos dias é difícil ser profeta, é difícil falar a verdade, é difícil ser dos primeiros a levantar a voz para denunciar as injustiças e anunciar que as coisas estão correndo mal. O pior inimigo para quem anuncia o Evangelho é o medo: medo de perder a própria posição social, o salário, a estima dos superiores, de ser castigado, de perder a própria vida. Quantas vezes, por medo, fomos covardes, mentimos, praticamos violências e injustiças. Quem tem medo fica bloqueado, não consegue fazer aquilo que o conduzirá à plena realização da própria vida e, portanto, “perece”. Jesus não promete aos seus seguidores que nada lhes acontecerá de mal, que sempre serão resgatados, até milagrosamente; mas sim que Deus, de algum modo, providenciará o verdadeiro bem deles, se tiverem a coragem de permanecer fiéis. O Evangelho de hoje se encerra com uma promessa: Jesus reconhecerá diante do Pai aqueles que O tiverem reconhecido diante dos homens. E o Salmo 27 nos revela a proteção de Deus: Do Seu povo ele é a força salvação do seu ungido, salva Senhor seu povo e liberta os oprimidos. Quem poderei temer?

Você pode Gostar de:

5º Domingo da Páscoa (10.05.2020)

5º Domingo da Páscoa –  Dia das Mães Canto Inicial Saudação Presidente – Irmãos e …