Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Liturgia – 12º Domingo Comum 21.06.2020

Liturgia – 12º Domingo Comum 21.06.2020

“NÃO TENHAIS MEDO DAQUELES QUE MATAM O CORPO MAS NÃO PODEM MATAR A ALMA!”

1.Acolhida
O Senhor Jesus convida-nos para um encontro afetivo na celebração da Eucaristia. Além de ser um dom precioso para nossa salvação, é um meio de nos declarar por Ele e quem se declara por Ele tem a certeza da proteção divina e da salvação eterna!
A certeza de que Deus está de nosso lado não significa certeza de fuga de todo sofrimento! Pelo contrário, a presença de Deus em nossa vida é certeza de nossa participação nos sofrimentos de Jesus para a salvação do mundo. O profeta Jeremias fez a experiência da proteção divina, mas não teve paz temporal em toda a sua vida! O mal que os maus nos causam é “propaganda enganosa”: parece ser sua vitória sobre o justo, mas não conta com o julgamento final e definitivo. Todo aquele que prejudica o justo, tem a certeza da condenação eterna! O amor e a salvação divina nunca falham… ponde os vossos olhos sobre mim com grande amor! É isso que importa para nossa alma sofredora!

2.Palavra de Deus
Jr 20, 10-13 – O profeta Jeremias é um profeta “Chorão”, mas não teve um momento de descanso em sua vida e não foi ouvido em suas profecias! Passou por uma amarga crise de fé, mas a certeza do amor divino o fez retomar sua missão com fidelidade até o fim! Foi jogado num poço seco, que foi enchido com pedra!
Rm 5,12-15 – Um homem foi o causador do pecado e da morte, mas por um outro HOMEM – JESUS CRISTO – veio a salvação gratuita para todos nós. Fomos, gratuitamente, salvos, curados pelo Sangue de Jesus!
Mt 10,26-33 – Os inimigos dos discípulos de Jesus podem, com certeza, matar nosso o corpo, mas não podem impedir nossa gloria eterna. O comilão que atormentou a vida do pobre Lázaro, não recebeu se quer uma gota de água para saciar a sua sede, mas o pobre Lázaro gozou no céu na companhia de Abraão!

3. Reflexão
Na Carta aos coríntios, o Apóstolo Paulo afirma/garante que o paraíso é tal que ninguém, se quer, consegue imaginar o que Deus preparou para seus discípulos; embora, nesta vida terrena, teremos uma participação efetiva nos sofrimentos de Jesus (1Co 2,9).
Deus vai livrar-nos do sofrimento e da morte, pois, Ele não fez o homem para o sofrimento e, muito menos, para a morte! O sofrimento e a morte não são criaturas de Deus, mas do maligno e do pecado! (Sb1,13-15). Jesus carregou a cruz com amor infinito para libertar-nos do sofrimento eterno e da morte, mediante seu Sangue!
Nossa vida, nesta terra, é carregar a própria cruz, seguindo a ordem de Jesus. A cruz de cada dia testemunha nossa gratidão pelo amor infinito de Jesus Cristo, que morreu por mim na Cruz. De fato, não existe Cristianismo sem a Cruz de Cristo! A Cruz de Jesus é o instrumento de nossa salvação
Frei Carlos Zagonel

Você pode Gostar de:

A CRB lança a programação da primeira semana dedicada à vida religiosa consagrada

A Conferência Nacional dos Religiosos divulgou ontem, 6 de julho, a programação da 1ª Semana …