Página Inicial / Noticias do Mundo / Papa: a ciência e a fé em diálogo intenso pela conversão ecológica

Papa: a ciência e a fé em diálogo intenso pela conversão ecológica

Papa Francisco fala da sua experiência na Conferência de Aparecida: Eu dizia: “Mas estes brasileiros, como cansam com esta Amazônia! Eu tive um caminho de conversão, para entender o problema ecológico. Antes eu não entendia nada!
Andressa Collet – Vatican News

A delegação francesa
Entre os membros da delegação estava a atriz Juliette Binoche, vencedora de Oscar e prêmios de prestígio no cinema. Segundo o jornal francês Le Figaro, ela teria inclusive oferecido mudas da espécie Artemisia Annua, conhecida como “uma planta muito promissora para prevenir e tratar a malária”, disse a artista, muito comprometida com a luta contra o aquecimento global. Além dela, estavam presentes no grupo de 15 pessoas, líderes políticos e pesquisadores que se uniram a dom Éric de Moulins-Beaufort, presidente dos bispos franceses, “um ciclista urbano convicto”, descreveu Le Figaro.

A experiência de Aparecida
Falando de improviso Francisco disse que gostaria de começar com um pedaço de história. “Em 2006, houve a Conferência do Episcopado Latino-Americano no Brasil, em Aparecida. Eu – continuou o Papa -, estava no grupo de redatores do documento final e chegavam propostas sobre a Amazônia. Eu dizia: “Mas estes brasileiros, como cansam com esta Amazônia! O que a Amazônia tem a ver com a evangelização?”. Esse era eu, em 2006. Então, em 2015, eu publiquei a Laudato sì. Eu tive um caminho de conversão, para entender o problema ecológico. Antes eu não entendia nada, disse!
Quero sublinhar isto acrescentou Francisco: “desde o não entender nada em Aparecida, em 2006, até a Encíclica, eu gosto testemunhar isso. Precisamos trabalhar para que todos tenham esse caminho de conversão”.
Francisco disse que viu que era necessário destruir a imagem dos nativos que só vemos com flechas. “Descobri, côte à côte, a sabedoria dos povos indígenas, também a sabedoria do viver bem que eles chamam assim. O viver bem não é a “dolce vita”, não, e também o doce fazer nada, não. O viver bem é viver em harmonia com a criação. E nós perdemos esta sabedoria de viver bem. Os povos originais nos trazem esta porta aberta. E alguns idosos dos povos originais do Canadá Ocidental reclamam que seus netos vão para a cidade e pegam as coisas modernas e esquecem suas raízes. E este esquecimento das raízes é um drama não só dos aborígines, mas da cultura contemporânea”.

O comprometimento concreto da Igreja
No seu discurso, preparado para a ocasião e entregue aos presentes, Francisco lembrou da motivação do encontro, no Vaticano, que acontece depois das reflexões que a Conferência Episcopal da França promoveu sobre a Laudato si’. Os leigos, que participaram da audiência, são especialistas no tema e colaboram com os bispos do país – o que deixou o Papa satisfeito pela sensibilização à “urgente” e “inquietante degradação” da Casa Comum, sobretudo diante da crise sanitária. Iniciativas que estão acontecendo em diferentes partes e de várias formas para influenciar, inclusive, “as escolhas políticas e econômicas”, já que ainda se vê muita “lentidão, inclusive passos para trás” e “há muito a ser feito”.
“Da sua parte, a Igreja Católica pretende participar plenamente do compromisso pela proteção da Casa Comum. Ela não tem soluções prontas para propor e não ignora as dificuldades das questões técnicas, econômicas e políticas em jogo, nem de todos os esforços que esse compromisso implica. Mas a Igreja quer agir concretamente onde isso é possível e, sobretudo, quer formar consciências a fim de promover uma profunda e duradoura conversão ecológica, que sozinha é capaz de responder aos importantes desafios que devemos enfrentar.”

A conversão ecológica
Embora as condições no planeta “possam parecer catastróficas e, em certas situações, até mesmo irreversíveis”, os cristãos não devem perder a esperança. O Pontífice, então, explicou ao grupo de franceses como “as convicções de fé oferecem aos cristãos grande motivação para proteger a natureza” e os irmãos mais frágeis. “Estou certo de que a ciência e a fé”, acrescentou o Papa citando a Laudato si’, “podem desenvolver um diálogo intenso e frutífero” para mitigar as graves consequências, “não somente ambientais, mas também sociais e humanas” ao maltratar o meio ambiente.
Parafraseando João Paulo II, Francisco teceu importantes ensinamentos sobre a terra e o homem criados por Deus, sobre a conexão e o respeito à estrutura natural e moral. Por isso, afirmou o Pontífice, o cristão deve respeitar a obra do Pai como “um jardim para ser cultivado e protegido”. O ser humano deve viver “em harmonia na justiça, na paz e na fraternidade, ideal evangélico proposto por Jesus”, e não considerar a natureza “unicamente como objeto de lucro e de interesses” que geram graves desigualdades e sofrimentos.
“Portanto, tudo está conectado. É a mesma indiferença, o mesmo egoísmo, a mesma ganância, o mesmo orgulho, a mesma pretensão de ser o dono e o déspota do mundo que levam o ser humano, por um lado, a destruir espécies e a saquear os recursos naturais; por outro lado, a explorar a miséria, abusar do trabalho de mulheres e crianças, a derrubar as leis da célula familiar, a não respeitar mais o direito à vida humana desde a concepção até o fim natural.”
O Papa, finalizou o discurso, indicando novamente, como já feito na Laudato si’, que a crise da modernidade, das relações humanas fundamentais, precisa ser resolvida para dar fôlego à atual situação vivida pela nossa Casa Comum:
“Não haverá nova relação com a natureza sem um ser humano novo, e é curando o coração do homem que se pode esperar curar o mundo das suas desordens, tanto sociais como ambientais.”

https://www.vaticannews.va/pt/papa/news/2020-09/papa-francisco-discurso-leigos-bispos-franca-laudato-si-5-anos.html

Você pode Gostar de:

Papa: A Igreja deve ser como Deus, sempre em saída. Do contrário, adoece

Aos fiéis reunidos na Praça São Pedro, Francisco exorta a sentir todos os dias “a …