Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Semana Nacional do Migrante

Semana Nacional do Migrante

A Igreja Católica no Brasil, através da pastoral do Migrante e CNBB, celebra, de 13 a 20 de Junho a 36ª semana do Migrante, cujo tema é “Migração e Diálogo”, e lema: “Quem bate à nossa porta”? O tema do diálogo, em sintonia com a Campanha da Fraternidade de 2021, é muito relevante, pois, os diferentes grupos humanos, seus estilos de vida e cosmovisões são muito variados e diversificados. A diversidade cultural de pessoas ou grupos humanos, constituem um verdadeiro tesouro a serem preservados. Cada migrante é portador de uma cultura. E só pelo diálogo é possível um conhecimento mútuo dos grupos e pessoas que migram. Em verdadeiro espírito de diálogo, nutre-se a capacidade de entender o sentido daquilo que o outro é, diz e faz. As identidades são reveladas. Disse o renomado escritor Gabriel Garcia Marques: “A vida é uma sucessão continua de oportunidades”. Podemos interpretar que o diálogo é uma das maiores oportunidades para o cristianismo na sua dimensão macro ecumênica. A atitude de diálogo permite refletir sobre o que nos une e nos faz compreender que a ação com os migrantes e refugiados é, acima de tudo, uma atitude humanitária, solidária e cristã. As histórias dos migrantes são, também, histórias de encontros entre pessoas e entre culturas. São, indiscutivelmente, uma oportunidade de enriquecimento e desenvolvimento humano e integral de todos. Porquanto, os migrantes contribuem decisivamente com o progresso econômico, a construção social e cultural nos ambientes onde aportam. Temos o exemplo do glorioso e pujante Estado de Mato Grosso, o qual foi energizado e transformado economicamente com ajuda de tantos tantos migrantes. A Igreja participa vivamente de iniciativas sociais no campo da migração, motivada pelas palavras do Divino Mestres, na grande parábola do Juízo final, relatada pelo evangelista Mateus (Mt 25, 31-46)). Na parábola Cristo dá a resposta aos que buscam a vida eterna. Seremos julgados pelo critério do amor e da solidariedade com o próximo: “Tive fome e me deste comer, tive sede e me destes de beber, era migrante e me acolhestes” (Mt 25,35). O juízo final refere-se ao final da história humana, mas ao mesmo tempo, realiza-se constantemente, aqui e agora, no cotidiano da nossa vida e no conjunto da sociedade como um todo. Temos que encontrar os migrantes como irmãos neste mundo, ante de nos defrontarmos com eles como nossos juízes. É por isso que precisamos acolher bem os migrantes e libertar-nos da xenofobia. O magno problema da migração deve preocupar toda a sociedade. A migração desenraiza pessoas e famílias de seu ambiente social e religioso, as tornam extremamente vulneráveis à pobreza, à ausência de espírito comunitário, à indiferença religiosa e ao anonimato. Em Cuiabá foi criado, pelo saudoso Arcebispo D. Bonifácio (in memoriam), em 1980, o centro Pastoral para Migrantes, com ajuda da congregação dos Padres Carlistas para acolher os migrantes. Foram milhares de migrantes que passaram, até hoje, por essa casa de acolhimento e triagem. Só de 2013 para cá foram atendidos: 4. 373 Haitianos, 1.851 Venezuelanos e 287 de outras nacionalidades. É, portanto, uma obra com altíssima finalidade social. Por conta da pandemia, passa por dificuldades na sua manutenção, necessitando da solidariedade e ajuda da sociedade e pessoas de boa vontade. Esta obra é administrada pelo Padres Carlistas ou Scalabrinianos (Missionários de S. Carlos), cujo carisma é trabalhar com a migração no mundo. Assim afirmou o Papa Francisco: “Não se trata apenas de migrantes, trata-se de humanidade”. Deixo aqui o telefone para os que desejam colaborar com esta Instituição Católica. Contato do Centro Pastoral para migrantes: 3641-1451
“Para o Migrante a pátria é a terra que lhe dá o Pão” (João Batista Sacabrini).

Artigo: Pe. Deusdédit
Pe. Deusdédit é o Cura da Catedral Basílica do Senhor bom Jesus- Cuiabá.

Você pode Gostar de:

Logomarca do Sínodo 2023

CONHEÇA OS SIGNIFICADOS DA LOGOMARCA DO SÍNODO 2023 LANÇADA PELO VATICANO. Uma grande árvore majestosa, …