Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Liturgia do 15º Domingo Comum 10.07.2022

Liturgia do 15º Domingo Comum 10.07.2022

“Aquele que usou de misericórdia para com ele!”
1.Acolhida
O tempo litúrgico dos Domingos Comuns é propício para as catequeses de Jesus… Neste 15º DOMINGO COMUM ensina-nos que a Palavra de Deus está próxima de cada um de nós. Está ao nosso alcance. Não está no céu, nem no fim do mundo, mas nó íntimo de nosso coração, enfim, está a nosso alcance. Basta acolhê-la em nosso coração e meditá-la em silencia e com boa vontade pô-la em prática.

2.Palavra de Deus
Dt 30,10-14 – A Palavra de Deus vem do céu, mas está a nosso alcance. Podemos acolhê-la, meditá-la e praticá-la. Ela é caminho seguro para nossa salvação eterna!
Cl 1,15-20 – A Palavra de Deus (Jesus Cristo) se fez carne e habitou entre nós para derramar todo o seu Sangue para nossa salvação! Somos salvos pelo Sangue do Filho de Deus! Ele nos reconciliou com Deus Pai, derramando todo o seu Sangue derramado na Cruz!
Lc 10,25-37 – A generosidade de Jesus durante a sua catequese e o orgulho do Mestre da Lei que conhece a Lei, mas procura esquivar-se de sua prática. O orgulho procura esquivar-nos da prática (parte difícil); apenas os humildes de coração são agradecidos e praticantes alegres dos conhecimentos recebidos.

3.Reflexão
Deus Pai é bom, misericordioso e paciente conosco, conhece as malícias de nosso coração preguiçoso, mas Ele conhece nosso coração pecador; por isso, Ele, pacientemente, mostra-nos o caminho da salvação e pacientemente leva-nos para o nosso interior afim de descobrir nosso caminho da salvação!
A Palavra de Deus não está nas alturas do céu ou nas profundezas da terra…, mas está no íntimo de nosso coração; está, portanto, bem ao alcance de ser humano de boa vontade: “Ela está na tua boca e em teu coração para que a possas cumprir!”. Não armemos escusas, mas, de coração aberto e agradecido pela revelação ponhamo-nos generosamente a trabalho para cumpri-la. Somente a Palavra de Deus tem poder de salvação!
“E quem é meu próximo?” Para os judeus, próximo era alguém de sua raça, um membro judeu! Jesus, porém, corrige esta distorção da Lei. Conta-lhe a História do Bom Samaritano. Para Jesus, nosso próximo é qua quer pessoa humana, de qualquer raça ou cor… que esteja em necessidade de socorro! Qualquer um caído à beira da estrada! O sacerdote e o levita não podiam ajudar o assaltado, pois tinham pressa de chegar ao templo para o serviço litúrgico. Eram ministros do culto. O Samaritano tinha uma viagem de interesse, talvez, comercial! Para o Samaritano, o assaltado tornou-se a urgência, pois estava morrendo – “foi deixado meio morto à beira da estrada”. A urgência não era a Liturgia, mas a necessidade do ferido! A Lei nem sempre é boa; pode ser um espesso véu que encobre nossa consciência humana impedindo-nos de auxiliar ao nosso irmão ferido. O bom samaritano interrompeu sua viagem, prestou os primeiros socorros e carregou o ferido para um posto de saúde e deixou um auxílio emergencial comprometendo-se a pagar na volta o que fosse gasto há mais!
Os “eclesiásticos” guiaram-se pela Lei, mas o samaritano, pelo coração, pois o coração é a morada de Deus! O samaritano deixou-se conduzir pela consciência (voz de Deus) que é um caminho seguro de salvação.
“Próximo é aquele necessitado de quem você se aproxima com amor!”
FREI CARLOS ZAGONEL.

Você pode Gostar de:

26ª Semana Nacional da Família

A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), através da Comissão Nacional de pastoral para …