Página Inicial / Animação Litúrgica / 25º Domingo do Tempo Comum (18.09)

25º Domingo do Tempo Comum (18.09)

1. Saudação Presidente – Amados irmãos e irmãs em Cristo, sejam todos bem-vindos a esta celebração do Mistério Pascal. Hoje, a liturgia nos convida a enriquecermos com os bens da fé que nos traz vida e liberdade, renova em nós o seu amor para sermos desprendidos e generosos, capazes de nos doar em favor do seu Reino de justiça e paz. Em comunhão com todos os que celebram o Dia do Senhor, saudemos a Trindade Santa: Em nome do Pai…
Presidente – A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo, estejam convosco. Bendito seja Deus…
Presidente – Neste 25° Domingo do Tempo Comum, o Senhor quer nos iluminar para que, fazendo o bom uso das riquezas e sendo solidários com os pobres, colhamos os frutos que nos tornam participantes do Reino dos céus. Trazemos presente, neste momento, as nossas vidas marcadas pelas alegrias, esperanças e dificuldades (recordação da vida).
2. Deus nos perdoa Presidente – O caminho do cristão é o da misericórdia, da partilha, da compaixão, do estar ao lado dos mais necessitados. Peçamos perdão ao Senhor, nosso Pai, pelas vezes que não cumprimos os seus ensinamentos (silêncio).
Presidente – Deus misericordioso que nos chama a santidade, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna. Amém.
3. Hino do Glória Presidente – Glorifiquemos ao Senhor nosso Deus, que por meio de Jesus Cristo, nos ensina a sermos solidários filhos da luz, cantando
4. Oração Presidente – Oremos – (silêncio) – Ó Pai, que nos chamais a amar-vos como único Senhor, salvainos da cobiça das riquezas. Fazei que nossas mãos se estendam, generosas, ao serviço do próximo, para que se realize a justiça do Reino. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.
Deus nos fala
5. Leitura da Profecia de Amós (8, 4-7)
6. Salmo Responsorial (112) (CD Cantando os Salmos – Ano C) Louvai o Senhor, que eleva os pobres! (bis)
7. Leitura da Primeira Carta de São Paulo a Timóteo (2, 1-8)
8. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas (16, 1-13)
9. Partilha da Palavra
Nossa resposta
10. Profissão de Fé Presidente – Iluminados pela Palavra de Deus professemos a nossa fé. Creio em Deus Pai…
11. Preces da Comunidade Presidente – Ao Deus da vida, peçamos por nossas necessidades, confiantes na sua bondade. A cada prece, cantemos: Ouvi, Deus de amor, o nosso clamor. (O.D.C).
Presidente – Atendei, ó Pai, os pedidos que vossos filhos e filhas vos apresentam, e os que ficaram no silêncio do nosso coração. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.
12. Apresentação dos Dons Presidente – “Viver o encontro com Jesus Cristo implica necessariamente amor, gratuidade, unidade, eclesialidade, fidelidade, perdão e reconciliação (…) Uma fé autêntica – que nunca é cômoda nem individualista – comporta sempre um profundo desejo de mudar o mundo, transmitir valores, deixar a terra um pouco melhor depois da nossa passagem por ela”. Apresentemos ao Altar do Senhor nosso esforço e desejo de servir somente ao Deus verdadeiro.
Coleta Fraterna
Ação de Graças
13. Louvação Presidente – Louvemos ao Senhor nosso Deus por todas as pessoas e Comunidades que vivem a fidelidade na administração dos bens e na partilha dos dons, cantando.
Deus nos faz irmãos
14. Pai Nosso Presidente – Unidos pela mesma fé, rezemos a oração que Jesus nos ensinou. Pai Nosso…
15. Momento da Paz Presidente – A paz é um bem que supera qualquer barreira, porque é um bem de toda a humanidade. Rezemos em silêncio pela paz.
16. Oração Presidente – Oremos – (silêncio) – Ó Deus, vós sempre ajudais aqueles que se alimentam de vossa Palavra. Que isto nos torne sensíveis ao que celebramos e que em nossa vida sejamos testemunhas do vosso amor. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.
Deus nos envia
17. Breves Avisos
18. Bênção
Presidente – O Senhor vos abençoe e vos guarde. Amém.
– Ele vos mostre sua face e se compadeça de vós. Amém.
– Volva para vós o seu olhar e vos dê a sua paz. Amém.
– Abençoe-vos o Deus todo-poderoso: Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.
– A verdadeira riqueza está no serviço a Deus e aos irmãos. Ide em paz e o Senhor vos acompanhe.
Graças a Deus.

Meditando a Palavra de Deus
O Evangelho deste domingo é dialético. De um lado a pobreza, como condição para acolher o Reino de Deus; de outro, a riqueza, não colocada para servir aos irmãos e acumulada para si, é obstáculo para a pertença ao Reino. É preciso entender bem a parábola que Jesus conta aos discípulos. Jesus quer que os discípulos ganhem amigos para o Reino, tenham amigos fazendo o bem, principalmente para os pobres. É preciso que estejamos atentos aos valores do Reino, e não podemos perder a chance de administrá-los bem, convencendo as pessoas que o maior bem é pertencer ao Reino. Quem vai nos acolher é Deus, pelo bem praticado, pelo amor ativo, pela vida oferecida em favor da vida dos menos favorecidos. O desapego dos bens materiais é condição para acolher o Reino. Portanto, é preciso saber dispor-se diante dessa verdade: ou servir a Deus amando e servindo os pobres, ou servir ao dinheiro, ao poder, à ganância, desprezando a Deus: “Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou odiará um e amará o outro, ou se apegará a um e desprezará o outro” (Lc 16,13). Jesus sempre nos ensina sobre a necessidade de desapegar-se, e essa é a condição para estar e caminhar com Ele e servi-lo. Deus coloca a nossa disposição muitos bens, para vivermos com dignidade. Mas entra o egoísmo, raiz de todos os males; e, em vez de repartir, acumulamos e queremos sempre mais e mais. Não repartir é egoísmo, ganância, caminho contrário ao Reino. O filho prodígio não presta atenção nos bens recebidos e não os utiliza para o bem; o rico epulão não percebe a necessidade do pobre que está perto dele e não reparte com ele o pão da mesa. Esse modo de agir os faz estar em dívida com o dono do rebanho, pois são maus administradores. À primeira vista, pode parecer difícil o que Jesus quer nos dizer, porém sua palavra vem mexer profundamente com nossas atitudes cristãs, sejam pessoais, comunitárias e sociais. O caminho do Reino é o da partilha; se andarmos por outro caminho, recusamos o projeto do Reino. Temos de prestar contas de nossas atitudes. O caminho do cristão é o da misericórdia, da partilha, da compaixão, do estar ao lado dos mais necessitados, do carregar os fardos uns dos outros… Só assim podemos prestar contas ao Senhor dos bens que Ele nos confia.

 

Leituras da Semana
2ª feira: Pr 3,27-34; Sl 14; Lc 8,16-18
3ª feira: Pr 21,1-6.10-13; Sl 118; Lc 8,19-21
4ª feira: Ef 4,1-7.11-13; Sl 18; Mt 9,9-13
5ª feira: Ecl 1,2-11; Sl 89; Lc 9,7-9
6ª feira: Ecl 3,1-1; Sl 143; Lc 9,18-22
Sábado: Ecl 11,9-12,8; Sl 89; Lc 9,43b-45
Domingo: Am 6,1a.4-7; Sl 145; 1Tm 6,11-16; Lc 16,19-31

Você pode Gostar de:

Solenidade e São Pedro e São Paulo

Dia do Papa Ano C – cor vermelha – 03/07/2022 1. Saudação Presidente – Queridos …