Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Liturgia 6º Domingo da Páscoa

Liturgia 6º Domingo da Páscoa

LITURGIA – 6º DOMINGO DE PÁSCOA – 01.05.2016.
“Porque decidimos, o Espírito Santo e nós…”.
1.Acolhida.
A Liturgia dominical é uma sábia mestra para os fiéis que se reúnem para celebrar: A Quaresma nos prepara para a celebração da Páscoa, e os Domingos pascais preparam nosso espírito para acolher o Espírito Santo, dom de Cristo à sua Igreja.
A Igreja não consegue viver e nem agir em nome de Cristo se não receber o Espírito Santo!
Ele é o dom do Pai e do Filho, necessário para Ela realizar sua missão evangelizadora.

2.Palavra de Deus.
At 15,1-2.22-29 – A Igreja reunida em Jerusalém estabeleceu normas de comportamento inovadoras para os pagãos convertidos, com a consciência clara de parceria com o Espírito Santo: “Porque decidimos, o Espírito Santo e nós, não vos impor nenhum fardo, além destas coisas indispensáveis!”.

Ap 21,10-14.22-23 – O Espírito Santo revela a beleza da Nova Jerusalém, que desce do céu, mas cuja construção inicia já neste mundo. A Nova Jerusalém é o Mundo Novo que a Igreja e o Espírito Santo devem construir já neste mundo redimido por Cristo.

Jo 14,23-29 – O Amor prometido por Jesus, nada mais é que o Espírito Santo derramado em nosso coração humano! O coração humano é o templo que Deus mais aprecia: “E nós viremos a ele e faremos nele a nossa morada!” Nós viremos a ele, isto é, a própria Trindade Santa habitará o coração daquele que cumpre com sua Palavra!

3.Reflexão.
O Espírito Santo é um dom de Deus, enviado pelo Pai e por Jesus, para a Igreja recordar e conhecer a Palavra de Deus e os detalhes de sua ação evangelizadora. No Concílio de Jerusalém (ano 49), o espírito Santo mostrou os caminhos apropriados para a evangelização dos povos pagãos: “Pareceu bem ao Espírito Santo e a nós…!”.

O próprio Jesus tranqüilizava os Apóstolos com a promessa do Espírito Santo, que Ele enviaria, estando junto de Deus Pai, para recordar e explicar todas as suas Palavras (Jo 15,26-27; 16,7; At 1,4-5.8). Esta promessa continua presente na Igreja e todo aquele que acredita na Palavra de Jesus, arma-se de coragem para a ação missionária, pois sabe da parceria com o Espírito Santo. Dom precioso do Pai por Jesus Cristo à Igreja.

O Espírito Santo recordará tudo e ensinará tudo o que Jesus ensinou e mandou Mas o dom de Deus é dom especial que se ouve bem no silêncio e na interiorização, pois Deus faz moradia no coração do homem e Sem silêncio e interiorização, sobra apenas confusão!  Ao profeta Elias, Deus já havia prevenido que Deus não se encontra no barulho e nas trovoadas (1Re 19,9-14). O mundo de nosso tempo ama o barulho até ficar surdo, mas Deus não escuta suas preces, como não escutava as preces dos sacerdotes de Baal.

Preparemo-nos meditando a promessa de Jesus para ter a certeza que o Espírito Santo habita em nós como dom do Pai, como comunhão (Ele dá unidade à Igreja) e enche nosso coração de alegria porque somos um templo vivo Espírito Santo.

“Se alguém me ama, guardará aminha Palavra (…).
E faremos nele a nossa morada!”.

Frei Carlos Zagonel.

Fonte: http://www.paroquiansacoxipo.com.br/conteudo.php?sid=44&cid=3822

Você pode Gostar de:

Liturgia – 5º Domingo da Quaresma

LITURGIA – 5º DOMINGO DA QUARESMA  07.04.2019 “Convertei-vos a Mim, pois sou bom e compassivo!” …