Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Liturgia – 3º DOMINGO DO TEMPO COMUM – 22.01.2017

Liturgia – 3º DOMINGO DO TEMPO COMUM – 22.01.2017

Liturgia – 3º DOMINGO DO TEMPO COMUM – 22.01.2017
“O Povo que andava nas trevas Viu uma grande luz!”
1.Acolhida.
A Liturgia fala-nos de um Povo que saiu das trevas da exploração, foi iluminado e iniciou um caminho de alegria e de libertação. Deixou as lágrimas e passou a sorrir por causa da liberdade. Vivia pisoteado na região da Galiléia, carregado de impostos e oprimido por fiscais prepotentes e injustos!
Este texto deve ser lido à luz de nossa atual situação religiosa, política e social. De que situação se trata e qual seria a luz que irrompe em nossa terra? Meditemos seriamente a Palavra de Deus para descobrir qual é a iluminação que Deus nos envia hoje!

2.Palavra de Deus..
Is 8,23-9,3 – O profeta Isaias fala de libertação, mas a Galiléia nunca provou a liberdade política! Continuou pisoteada pelos poderosos! Mas, então, de que luz e de que liberdade fala o profeta?

1Co 1,10-13.17 – A Comunidade de Corinto é uma comunidade muito bem dotada, mas vive agitada por diversas tendências: Uns são de Paulo, outros de Pedro e outros, enfim, de Apolo – um novo ídolo, vindo de Alexandria. Paulo recorda-lhes que é Jesus o Salvador – aquele que morreu e ressuscitou para nos salvar. Cristo é o Senhor e o único Salvador!

Mt 4,12-23 – O Povo que vivia nas terras da exploração eram os habitantes da Galiléia e, agora, Jesus é a sua luz e a sua libertação. Ele anuncia a necessidade da conversão para acolher o Reino de Deus: “Convertei-vos porque o Reino de Deus está próximo!”.

3.Reflexão.
A Palavra de Deus, hoje, é acessível para todo e para qualquer interessado; até no celular você pode ler a Palavra de Deus! Sua correta compreensão, porém, depende das luzes do Espírito Santo que recorda e explica todas as Palavras de Jesus (Jo14,25-26). A promessa de libertação para as terras de Zabulon e Neftali é espiritual e não militar. Jesus não é um general militar, mas o Salvador e a Luz que o Pai enviou ao mundo. Ele liberta-nos do pecado e sua proposta de CAMINHO, VERDADE e VIDA garante a vinda de um mundo novo de fraternidade, de liberdade e de paz.

As tendências existentes na Comunidade de Corinto e denunciadas pelo Apóstolo Paulo, não morreram! Elas continuam vivas entre nós, Comunidades divididas em Movimentos, Devoções e preferências por “ministros ungidos”! Somente Jesus Cristo morreu por nós e ressuscitou para nossa salvação! O resto não passa de ornamento dispensável! Não são Movimentos, Devoções, Paramentos bonitos e amplos, os “ungidos” que nos salvam! Jesus é o Salvador e tudo o resto não passa de instrumento! E olha lá! É “Jesus que morreu por mim e, por isso, eu devo morrer por Ele e pelo Reino de Deus!”.

O Povo continua nas trevas! Ele precisa de uma grande luz para chegar à liberdade e à vida! E Jesus não escolheu as celebridades para auxiliá-lo na pregação do Reino de Deus! A única celebridade que ele escolheu foi o chefe dos cobradores de impostos, chefe dos ladrões do bem do Povo. Ele se converteu vendo Jesus… E este exclamou: “Hoje entrou a salvação nesta casa!” Levi, o ladrão, tornou-se o Apóstolo e Evangelista Mateus! E com ele, os pescadores do Mar da Galiléia, que anunciaram a Salvação proclamada por um “pecador”, morto na Cruz, mas ressuscitado pelo poder do Pai! A lógica de Deus não passa pelos caminhos dos “famosos” que buscam a aparecer, mas pelos caminhos dos pobres que aceitam desaparecer para que Ele brilhe e cresça! “Acaso, são os “famosos” que são crucificados por nós?” São os “ungidos” que conduzem para os caminhos da santidade e da salvação?

Frei Carlos Zagonel.
Fonte:http://www.paroquiansacoxipo.com.br/conteudo.php?sid=44&cid=4312

Você pode Gostar de:

Liturgia – 4º Domingo de Advento

LITURGIA – 4º DOMINGO DE ADVENTO “Céus, deixai cair o orvalho…Abra-se a terra e brote …