Página Inicial / Notícias / Santas Edwiges e Margarida Alacoque

Santas Edwiges e Margarida Alacoque

Santa Edwiges  (16.10)

A Idade Média foi muito rica em santos e santas e hoje, juntamente com Santa Margarida, a Liturgia apresenta Santa Edwiges que nasceu na Alemanha em 1174 e tornou-se modelo dos três estados de vida femininos: esposa, celibatária e viúva.

Bem nova, Edwiges casou-se com o príncipe da Silésia, Henrique I, e teve com ele seis filhos, os quais educou com muito amor. Com o passar dos anos, convenceu o marido a fazer voto de continência conjugal. Como esposa, Edwiges soube ser exemplo e com dedicação conseguiu conciliar os seus deveres com um profundo espírito de oração, penitência e, sobretudo, caridade para com os pobres e doentes.

Contam os historiadores, que Santa Edwiges guardava para si parte mínima de suas rendas, e todo o mais aplicava para socorrer aos pobres, a quem ajudava com as próprias mãos.

Falecido o esposo, retirou-se ao convento onde sua filha Gertrudes era abadessa, e neste mesmo lugar deu largos passos rumo à santificação de si e dos demais. Faleceu consumida pela penitência, fé e amor no dia 15 de outubro de 1243.

Santa Margarida Maria Alacoque

Deus suscitou este luzeiro, ou seja, portadora da luz que é Cristo, num período em que na Igreja penetrava as trevas do jansenismo: doutrina que pregava um rigorismo que esfriava o amor de muitos e afastava o povo dos Sacramentos. O nome de Santa Margarida Maria Alacoque está intimamente ligada à fervorosa devoção do Sagrado Coração de Jesus. Nasceu na França em 1647, teve infância e adolescência provadas, sofridas. Órfã de pai e educada por irmãs Clarissas, muito nova pegou uma estranha doença que só a deixou depois de fazer o voto a Santíssima Virgem.

Com a intercessão da Virgem Maria, foi curada e pôde ser formada na cultura e religião. Até que provada e preparada no cadinho da humilhação, começou a cultuar o Santíssimo Sacramento do altar, e diante do Coração Eucarístico começou a ter "revelações divinas".
"Eis aqui o coração que tanto amou os homens, até se esgotar e consumir para testemunhar-lhe seu amor e, em troca, não recebe da maior parte senão ingratidões, friezas e desprezos". As muitas mensagens insistiram num maior amor à Santíssima Eucaristia, à Comunhão reparadora nas primeiras sextas-feiras do mês e à hora Santa em reparação da humanidade.

Incompreendida por vários, Margarida teve o apoio de um sacerdote, recebeu o reconhecimento do povo que podia agora deixar o medo e mergulhar no amor de Deus. Leão XIII consagrou o mundo ao Sagrado Coração de Jesus e o papa Pio XIII recomendou esta devoção que nos leva ao encontro do coração eucarístico de Jesus. Santa Margarida Maria Alacoque morreu em 1690.

Santa Edwiges e Santa Margarida Alacoque, roguem por nós!

Você pode Gostar de:

Papa: ser cristão é superar discriminações. O batismo confere igual dignidade a todos

“As diferenças e os contrastes que criam separação não deveriam existir entre os fiéis em …