Obrigado Dom Bonifácio

A arquidiocese de Cuiabá, neste fim de semana (28, 29,30), num clima de tristeza, fé, esperança e gratidão, celebrou a despedida cristã do querido Arcebispo emérito D Bonifácio, boníssimo Pastor, com 91 anos e alguns meses, terminou sua caminhada neste mundo!

Sua alma foi para o céu, mas sua história de vida permanecerá entre nós! Três grandes características marcaram indelevelmente a vida do nosso saudoso pastor: espírito de paternidade, sinceridade de coração e humanidade no trato com os fiéis e o clero. D. Bonifácio, filho de D. Bosco, foi imortalizado pelo único e eterno sacerdócio de Jesus Cristo, como diz o sacrossanto livro: “Tu és sacerdote eternamente” (SL110,4).

Foi ordenado sacerdote em 11 de Fevereiro 1960, na Basílica de N. S. Auxiliadora (Turim- Italia) e sagrado bispo em Lavrinhas (SP) em 31 de Agosto de 1975. Chegou a Cuiabá no dia 4 de outubro de 1975. No jantar de sua recepção em Cuiabá, em que participei como seminarista, ele disse: “Não sou D. Aquino, não sou D. Orlando, figuras ímpares nesta Arquidiocese. Sou apenas D. Bonifácio e quero me entregar e me integrar, de corpo e alma, nesta realidade Cuiabana. Quero me gastar aqui. A partir de hoje sou cuiabano!”. Com estas palavras D. Bonifácio inicia sua jornada luminosa na Arquidiocese de Cuiabá.

O seu lema: “Bonun facere parvulis” (fazer o bem aos pequeninos), foi seu programa de vida e seu generoso trabalho. Este lema energizou e embalou toda a sua vida. No dia 31 de março de 1976, exatamente seis meses após a sua ordenação, foi nomeado Administrador Apostólico “Sede plena” da arquidiocese de Cuiabá. Nessa condição manteve-se até 15 de agosto de 1981, quando, com a morte de D. Orlando Chaves, tornou-se Arcebispo Metropolitano.

O Primeiro ato importante do seu Episcopado foi a preparação e convocação da 1ª. Assembléia arquidiocesana de Pastoral. Após esta 1ª. Assembléia, surgiu o primeiro plano arquidiocesano de Pastoral. Foram ao todo, 14 planos, os quais fixavam as linhas e diretrizes pastorais para a caminhada da arquidiocese. O ministério episcopal do Arcebispo emérito D. Bonifácio, foi exercido com admirável solicitude pastoral, generosidade e ingentes sacrifícios nesta Arquidiocese! As palavras do divino mestre: “Se o grão de trigo que cai na terra não morrer, permanecerá só. Mas se morrer, produzirá muito fruto” (Jo 12, 24), cabem ao nosso Arcebispo. Ele é esse grão de trigo, revestido e imortalizado pela plenitude do sacerdócio de Cristo e enviado pela divina providência para esta histórica e tricentenária cidade de Cuiabá.

No entusiasmo santo do ardente apostolado, exercido com simplicidade, austeridade e pobreza, D. Bonifácio entregou sua vida nesta abençoada região amazônica, buscando, incansavelmente, a edificação e o bem da arquidiocese e do nosso Regional Oeste 2. Realmente, o ideal de vida apostólica e missionária, parece ter impressionado profundamente o saudoso, querido e timoneiro arcebispo emérito, o qual deixou a comodidade, o sossego, o aconchego familiar e as futilidades da vida, em vista de uma vida missionária operosa, vibrante e abnegada.

Verdadeiramente., a vida de D. Bonifácio foi a vitória do amor e do bem neste mundo. A exemplo do Divino Mestre, D. Bonifácio passou pela vida fazendo o bem aos pequeninos! Obrigado D. Bonifácio, pelo seu exemplo e por sua admirável solicitude pastoral nesta arquidiocese.

Artigo de : Pe. Deusdédit Monge de Almeida – Cura da Catedral Basílica do Senhor Bom Jesus

Você pode Gostar de:

Cardeal Gambetti é o novo vigário do Papa para a Cidade do Vaticano

Já custódio do Sagrado Convento de Assis, o purpurado italiano substitui o cardeal Angelo Comastri …