Página Inicial / Notícias / Canção Nova (reconhecimento)

Canção Nova (reconhecimento)

A missão Canção Nova se desenvolveu não só no âmbito do território nacional, como também para além-fronteiras. Esta internacionalização da Comunidade mostrou o quanto ela esta madura para dar início ao processo de seu reconhecimento junto à Santa Sé, tendo em vista que esta Obra de Deus já contribui com a evangelização em vários países.

Ser reconhecida como uma Associação Internacional de Fiéis significa estar a serviço não somente de uma Igreja local (arquidiocese ou diocese), mas a serviço da Igreja no mundo inteiro. Este ato comprova que a Santa Sé atesta a comunhão da Canção Nova com a Igreja e que vê que ela realiza a sua missão em comunhão com o Sucessor de Pedro e os sucessores dos apóstolos, os bispos.

O reconhecimento canônico de uma associação significa também que a respectiva autoridade eclesial (bispo diocesano, conferência episcopal, Santa Sé) tomou conhecimento oficial da existência de uma associação de fiéis, através dos estatutos que lhe foram apresentados – cf. cânon 299, §3: “Nenhuma associação privada de fiéis é reconhecida na Igreja, a não ser que seus estatutos sejam revisados pela autoridade competente”.

O brasão da Canção Nova pretende, em um único símbolo, tornar presentes os elementos fundamentais da vida e da espiritualidade da Associação de Fiéis, que recebe agora o reconhecimento pontifício. Ele tem a forma, tradicional na heráldica, de um cálice. Ladeado pelos símbolos eucarísticos, o trigo e a uva (folhas de parreira) querem acentuar a nota primeira e principal de sua espiritualidade: a eucaristia.

“A Canção Nova é um território eucarístico”, afirma monsenhor Jonas Abib. Os Estatutos da Comunidade, capítulo 2, também apontam esta tendência: “O caminho espiritual da Canção Nova é alimentado pela Eucaristia reconhecida na celebração e na adoração cotidiana como fonte e vértice de toda a vida”.

O brasão conta com um escudo azul, partido em prata (branco), sobre o qual se sobrepõe a cruz heráldica simples, em ouro. A área superior do escudo (em heráldica a mais nobre) traz uma estrela em azul no ângulo esquerdo (à direita de quem olha) e, na parte inferior, foi colocado o símbolo tradicional da Canção Nova.

 

Brasão oficial da Comunidade Canção Nova

A posição central ocupada pela cruz recorda a centralidade absoluta de Jesus Cristo e do mistério da Redenção na vida e missão desta Obra de Deus – é da cruz que brotam todas as graças, das quais a Comunidade pretende ser testemunha e portadora. Associando-se a Jesus no mistério de sua cruz, a Canção Nova quer testemunhar a realeza do Ressuscitado (representada pela cor dourada), para que Nele todos possam ter vida em abundância.

O azul e a prata são cores tradicionalmente associadas à Santíssima Virgem, Mãe e Mestra da Canção Nova. O azul recorda também “as águas mais profundas” às quais o Servo de Deus, Papa João Paulo II, fazendo eco às palavras do Senhor (Lc 5,4), impulsionava os fiéis rumo a uma nova evangelização. O próprio escudo lembra discretamente a proa de um barco que avança em alto mar: “Não dá mais pra voltar, o barco está em alto mar; (…) o mar é Deus, e o barco sou eu”.

A simbologia mariana está também presente na estrela. Com efeito, segundo uma etimologia tradicional recordada por São Bernardo, o nome Maria significa “estrela”, sendo a Virgem comumente invocada como “Estrela que guia no alto mar” (Stella Maris) e “Estrela da manhã” (na Ladainha lauretana). Recorda ainda, de um modo especial, o título “Estrela da Evangelização”, com o qual o Papa Paulo VI designou a Virgem na encíclica Evangelii Nuntiandi, obra que inspirou a fundação da Canção Nova.

O brasão apresenta, por fim, o conhecido e amado símbolo da Canção Nova: as mãos postas em oração, a pomba do Espírito e o violão, que expressam o desejo de seus membros de cantar para o Senhor um cântico novo, uma canção nova. Na faixa colocada abaixo, aparece o distintivo (em linguagem heráldica, o mote) e a palavra inspiradora da Comunidade, escrita em latim: “Euntes ergo evangelizare” ou “Ide (pois) evangelizar”.

O lema inspira-se nas palavras de Jesus, conclusivas do Evangelho de São Mateus (28,19), e aludindo à encíclica Evangelii Nuntiandi, como já foi dito, obra inspiradora da Canção Nova. Apresenta também o número dos anos da fundação (1978) e do reconhecimento pontifício (2008) da Associação.

O brasão da Canção Nova pretende, em um único símbolo, tornar presentes os elementos fundamentais da vida e da espiritualidade da Associação de Fiéis, que recebe agora o reconhecimento pontifício. Ele tem a forma, tradicional na heráldica, de um cálice. Ladeado pelos símbolos eucarísticos, o trigo e a uva (folhas de parreira) querem acentuar a nota primeira e principal de sua espiritualidade: a eucaristia.

“A Canção Nova é um território eucarístico”, afirma monsenhor Jonas Abib. Os Estatutos da Comunidade, capítulo 2, também apontam esta tendência: “O caminho espiritual da Canção Nova é alimentado pela Eucaristia reconhecida na celebração e na adoração cotidiana como fonte e vértice de toda a vida”.

O brasão conta com um escudo azul, partido em prata (branco), sobre o qual se sobrepõe a cruz heráldica simples, em ouro. A área superior do escudo (em heráldica a mais nobre) traz uma estrela em azul no ângulo esquerdo (à direita de quem olha) e, na parte inferior, foi colocado o símbolo tradicional da Canção Nova.

 

Brasão oficial da Comunidade Canção Nova

A posição central ocupada pela cruz recorda a centralidade absoluta de Jesus Cristo e do mistério da Redenção na vida e missão desta Obra de Deus – é da cruz que brotam todas as graças, das quais a Comunidade pretende ser testemunha e portadora. Associando-se a Jesus no mistério de sua cruz, a Canção Nova quer testemunhar a realeza do Ressuscitado (representada pela cor dourada), para que Nele todos possam ter vida em abundância.

O azul e a prata são cores tradicionalmente associadas à Santíssima Virgem, Mãe e Mestra da Canção Nova. O azul recorda também “as águas mais profundas” às quais o Servo de Deus, Papa João Paulo II, fazendo eco às palavras do Senhor (Lc 5,4), impulsionava os fiéis rumo a uma nova evangelização. O próprio escudo lembra discretamente a proa de um barco que avança em alto mar: “Não dá mais pra voltar, o barco está em alto mar; (…) o mar é Deus, e o barco sou eu”.

A simbologia mariana está também presente na estrela. Com efeito, segundo uma etimologia tradicional recordada por São Bernardo, o nome Maria significa “estrela”, sendo a Virgem comumente invocada como “Estrela que guia no alto mar” (Stella Maris) e “Estrela da manhã” (na Ladainha lauretana). Recorda ainda, de um modo especial, o título “Estrela da Evangelização”, com o qual o Papa Paulo VI designou a Virgem na encíclica Evangelii Nuntiandi, obra que inspirou a fundação da Canção Nova.

O brasão apresenta, por fim, o conhecido e amado símbolo da Canção Nova: as mãos postas em oração, a pomba do Espírito e o violão, que expressam o desejo de seus membros de cantar para o Senhor um cântico novo, uma canção nova. Na faixa colocada abaixo, aparece o distintivo (em linguagem heráldica, o mote) e a palavra inspiradora da Comunidade, escrita em latim: “Euntes ergo evangelizare” ou “Ide (pois) evangelizar”.

O lema inspira-se nas palavras de Jesus, conclusivas do Evangelho de São Mateus (28,19), e aludindo à encíclica Evangelii Nuntiandi, como já foi dito, obra inspiradora da Canção Nova. Apresenta também o número dos anos da fundação (1978) e do reconhecimento pontifício (2008) da Associação

Você pode Gostar de:

Catedral de Cuiabá celebra 7 anos dedicação do seu novo Altar

Recordamos que no dia 13 de setembro 2014 às 17h00 foi realizada a Santa Missa …