Página Inicial / Notícias / Dia 22 de outubro, legado e memória de São João Paulo II

Dia 22 de outubro, legado e memória de São João Paulo II

Olhemos para o pontificado do Papa Wojtyla propondo algumas das palavras escritas ou proferidas pelo Pontífice polonês neste dia desde 1978, ano da sua eleição à Sé Pedro.


Amedeo Lomonaco, Silvonei José – Vatican News
No dia em que iniciou o seu pontificado, a Igreja recorda São João Paulo II. Esta data, 22 de outubro, pode também tecer um fio na memória que se entrelaça com vários momentos do caminho e magistério do Papa polonês, nascido em Wadowice em 1920, entre as margens de dois milênios. No meio das grandes mudanças na história e nos equilíbrios do mundo, as palavras e reflexões de João Paulo II são e continuam a ser uma bússola para guiar a humanidade. O seu legado ainda hoje, neste tempo abalado pela pandemia, reflete-se na entrega a Maria, na exortação a abrir as portas a Cristo, no testemunho dado também na provação da doença.

“Não tenham medo”
O dia 22 de outubro de 1978 foi o dia da Missa de inauguração do Pontificado. Na sua homilia, o novo bispo de Roma pronunciou estas palavras: “Irmãos e Irmãs! Não tenham medo de acolher Cristo e aceitar o seu poder! Ajudem o Papa e todos aqueles que querem servir Cristo e, com o poder de Cristo, servir o homem e toda a humanidade! Não tenham medo! Abram, ou melhor, espalanquem as portas a Cristo”.

A redenção não evita o sofrimento humano
O dia 22 de outubro de 1980 é quarta-feira, o dia da audiência geral. Saudando os doentes, o Papa João Paulo II sublinhou que “a comunhão dos que sofrem com Cristo lembra-nos a todos que, precisamente através dos seus sofrimentos, Ele nos redimiu da alienação do pecado e nos restituiu à comunhão com Deus”. A vocês”, diz ele, “vai o meu desejo, assim como a certeza da minha oração, de que possam penetrar cada vez mais no mistério reconfortante da redenção, que não evita, mas inclui necessariamente em si o sofrimento humano”.

Dia do atentado na Praça São Pedro
A coragem dos jovens para o futuro da Igreja
O dia 22 de outubro de 1981, alguns meses antes do dramático atentado na Praça São Pedro, o Papa Wojty?a celebrou a Missa para os estudantes do Pontifício Seminário Maior Romano. “Sois a pupila dos meus olhos e a esperança da Igreja de Roma”. O seminário, acrescentou nessa ocasião, é um sinal claro “de que existem comunidades cristãs capazes de levar à maturidade no seu seio aqueles que um dia, vestidos com o carácter de sacerdote, continuarão a obra de Cristo”. “É uma indicação de que as famílias ricas em virtude e espírito de sacrifício mereceram a graça de doar os seus filhos à Igreja; é uma prova de que o mundo moderno, apesar das sombras que por vezes o turvam, é rico em esperanças e certezas, porque pode contar com jovens corajosos dispostos a dar as suas vidas pela sua redenção”.

O pensamento do Paraíso deve fazer-nos regozijar
Em 22 de outubro de 1985, o Papa Wojty?a dirigiu estas palavras aos estudantes do Pontifício Seminário Maior: “Estou feliz por começar este dia, tão significativo para mim, juntamente convosco ao redor do altar do Senhor, para oferecer convosco e para vós o santo sacrifício da Missa. “Deus”, diz o Papa João Paulo II, “criou-nos para nos tornar participantes na sua felicidade eterna e absoluta. Não podemos compreender em que consiste esta alegria suprema e total, mas Jesus dá-nos uma certa percepção, dizendo que a situação será então invertida, e que o próprio Deus se colocará ao nosso serviço. “Em verdade vos digo que ele se cingirá as suas vestes, colocá-las-á à mesa e passará para os servir”. O pensamento do Paraíso deveria fazer-nos regozijar de alegria e deve estimular cada um a um compromisso constante com a própria santificação”.

O espírito de Assis
No dia 22 de outubro de 1986, na audiência geral, o Papa Wojty?a recordou o eminente encontro, a realizar-se em 27 de outubro em Assis, com representantes de outras Igrejas e comunidades cristãs e outras religiões mundiais, a fim de rezar pela paz. “As religiões do mundo, apesar das diferenças fundamentais que as separam, são todas chamadas a dar a sua contribuição para o nascimento de um mundo mais humano, mais justo, mais fraterno”.

Olhar para Maria
O dia 22 de outubro de 1989 era domingo e se celebrava o Dia Mundial das Missões. No Angelus, João Paulo II – que escolheu as palavras “Totus Tuus Maria” como seu lema – pediu uma oração ao Senhor “pelas vocações missionárias”. “E esta súplica confiante, acrescentou, confiamos agora a Maria, que foi a primeira missionária, tendo dado Jesus, o nosso Salvador, ao mundo”. Recomendamos-lhe todos os missionários, que neste domingo sentimos próximos a nós com particular amor e gratidão”.

Permitir que Cristo fale ao homem
No dia 22 de outubro de 1990, o Papa recebeu em audiência alguns peregrinos poloneses no 12º aniversário do início do seu pontificado. A eles ele reiterou a sua exortação: “Não tenham medo! “Hoje, tão frequentemente – acrescentou – o homem não sabe o que traz dentro de si, no fundo da sua alma, do seu coração. Tantas vezes tem dúvidas sobre o significado da sua vida nesta terra. Ele é invadido pela dúvida, que se transforma em desespero. Permitam-me, então – peço a vocês e lhes imploro humildemente e com confiança – permitam que Cristo fale ao homem. Só ele tem palavras de vida, sim! De vida eterna”.

O homem não deve exercer um domínio despótico sobre a criação
A questão ecológica é o tema central do discurso do Papa João Paulo II aos membros do Comitê organizador do Prêmio Internacional para o Ambiente “São Francisco” em 22 de outubro de 1992. O homem”, disse ele, “reconhece-se a si próprio como colaborador de Deus na obra da criação quando, abraçando a fé, se abre com humilde gratidão à Fonte da vida e assume uma atitude de fraternidade responsável para com as criaturas. A posição única do homem no cosmos não deve, portanto, levá-lo nem a escolhas de dominação despótica, nem a formas de abdicação passiva do seu papel: a sua autêntica centralidade consiste antes num serviço autoritário ao plano de Deus para o mundo, um plano que culmina na redenção do pecado e na segunda morte”.

Os jovens e a evangelização
Reunido com alguns prelados brasileiros em 22 de outubro de 1995, João Paulo II salientou que os jovens serão “os construtores do futuro”. “Os jovens não são apenas evangelizados, são também evangelizadores que dão a conhecer o Evangelho aos seus coetâneos, incluindo aqueles que se afastaram da Igreja e aqueles que ainda não ouviram a Boa Nova”. “Muitos jovens”, acrescentou, “têm um enorme potencial de generosidade, dedicação e empenho e sentem-se atraídos por formas de trabalho voluntário, especialmente quando se trata de servir os necessitados”.

Como Jesus ser servo de todos
Em 22 de outubro de 2000, o ano do Grande Jubileu, foi celebrado o Dia Mundial das Missões. Durante a Missa, o Papa Wojty?a sublinhou que “a Igreja quer proclamar Jesus, o Cristo, filho de Maria, seguindo o caminho que o próprio Cristo tomou: serviço, pobreza, humildade, a cruz”. “Jesus define-se como aquele que veio para servir e que precisamente no serviço e no dom total de si mesmo até à cruz revela o amor do Pai. A sua face de ‘servo’ não diminui a sua grandeza divina, mas ilumina-a com uma nova luz”. “A palavra de Cristo traça uma linha clara de divisão entre o espírito de dominação e o espírito de serviço. Para um discípulo de Cristo ser o primeiro significa ser servo de todos”.

A oração é a nossa força
22 de outubro de 2003 é o dia de um consistório ordinário público para a criação de novos cardeais. As primeiras palavras da homilia são: “Tu és o Cristo, o filho do Deus vivo”. “Nestes vinte e cinco anos do meu Pontificado”, disse João Paulo II, “quantas vezes repeti estas palavras! Falei-os nas principais línguas do mundo e em tantas partes da terra”. “O Livro dos Atos assinala que, enquanto Pedro estava na prisão, uma oração da Igreja subia incessantemente a Deus por ele (Actos 12,5). Que grande coragem infunde o apoio da oração unânime do povo cristão! Eu próprio, recordou o pontífice polonês, pude experimentar o seu conforto”. “Esta, acrescentou ele, é a nossa força”.

Anúncio da morte
O abraço com Jesus Eucaristia
No dia 22 de outubro de 2004 João Paulo II recebeu os bispos da Conferência episcopala de Angola e São Tomé e Principe. “No início de um novo milênio, salientou, o nosso compromisso episcopal, caros irmãos, parece caracterizar-se por novas urgências, que exigem a dedicação concertada de todos os componentes do Povo de Deus. Agora, na terra, não há nada mais eficaz do que a Eucaristia para levar os cristãos a serem e a sentirem-se um só; não há outro momento em que se encontrem e se fundam uns com os outros tão intimamente como quando se comunicam a Jesus Eucaristia, que abraça e une todos a Si. Deste modo, o que já acontece no Céu realiza-se na terra: Cristo une, a Si e uns aos outros, todos aqueles que n’Ele vivem”. O que aconteceu na terra alguns meses mais tarde, em 2 de abril de 2005, reverberou no Céu: “Às 21h37”, o cardeal Leonardo Sandri anunciou na Praça São Pedro, “o nosso amado Santo Padre João Paulo II regressou à Casa do Pai”.

https://www.vaticannews.va/pt/papa/news/2021-10/dia-22-de-outubro-legado-e-memoria-de-sao-joao-paulo-ii.html

Você pode Gostar de:

Ano Jubilar Missionário – CNBB

ANO JUBILAR MISSIONÁRIO SERÁ LANÇADO COM ABERTURA OFICIAL EM LIVE AMANHÃ, SÁBADO, 20 DE NOVEMBRO, …