Página Inicial / Noticias do Mundo / O Natal do Papa em suas recordações

O Natal do Papa em suas recordações

“Espero que aqueça os corações daqueles que sofrem, e abra e fortaleça os nossos para que ardam com o desejo de ajudar mais os necessitados.” Os jornais italianos Repubblica e La Stampa entrevistam Francisco: sua infância em Buenos Aires, suas tradições familiares e seus livros favoritos
Adriana Masotti / Raimundo de Lima – Vatican News

O Papa Francisco responde às perguntas dos jornais italianos Repubblica e La Stampa na Casa Santa Marta, no Vaticano, na iminência das festas. O significado do Natal hoje e o Natal de sua infância em Buenos Aires, suas leituras e esportes favoritos, os pobres, as crianças doentes e as que são vítimas de abusos, o futuro da humanidade: é disso e muito mais que Francisco fala na conversa com os jornalistas Paolo Rodari e Domenico Agasso.

Natal em família com cappelletti
Sobre suas lembranças do Natal na Argentina, Francesco diz que sua família costumava celebrá-lo na manhã de 25 de dezembro, sempre em casa de seus avós. Uma vez, diz ele, “chegamos e a avó ainda estava fazendo cappelletti, os fazia à mão”. Ela tinha feito 400 deles! Ficamos maravilhados! Toda nossa família estava lá: costumavam vir também tios e primos”. Hoje, para o Papa, o Natal “é sempre uma surpresa”. É o Senhor que vem nos visitar”, uma surpresa para a qual ele se prepara se predispondo a “encontrar Deus”. Ele disse amar canções de Natal como “Noite Silenciosa” ou “Tu Desces das Estrelas” que “transmitem paz, esperança, criam uma atmosfera de alegria pelo Filho de Deus que nasce na terra como nós, para nós”.

Em seus pensamentos, os pobres e as crianças no hospital
No Natal seus pensamentos voltam-se para os pobres, que são como Jesus nascido pobre, e depois “para todos os esquecidos, os abandonados, os últimos, e em particular as crianças vítimas de abusos e escravizadas”. Isso me faz chorar e me causa dor – afirma – ouvir as histórias de adultos vulneráveis e de crianças que são explorados”. As crianças que vão passar o Natal no hospital também encontram espaço em seu coração. Diante do sofrimento delas não há palavras, “só podemos apegar-nos à fé”, enquanto aos pais dos filhos saudáveis o Papa recomenda não esquecer “a sorte que eles têm” e dedicar-se mais a eles. O Papa Francisco diz que admira o trabalho do pessoal médico e de saúde nos hospitais. “Muitas vezes”, diz ele, “não percebemos a grandeza do trabalho diário desses médicos, enfermeiros e profissionais de saúde e, em vez disso, devemos todos ser gratos a cada um deles”.

Jogando futebol como goleiro, os livros favoritos
Lembrando que ele fez 85 anos há alguns dias, uma pergunta ao Papa é como ele comemorava seu aniversário quando criança. “Era uma festa para toda a família”, responde Francisco. “Minha mãe costumava fazer chocolate para beber, muito denso”. Em relação aos jogos de sua infância, o Papa fala sobre o futebol que jogava em uma praça perto de sua casa com todos os meninos do bairro. A bola era frequentemente feita de trapos, a “bola de trapo”, que se tornou um símbolo cultural na Argentina daquela época. Mas de si mesmo, Francesco diz que ele não era muito bom. “Então eu ficava no gol, onde me arranjava. Ser goleiro foi uma grande escola de vida para mim. O goleiro tem que estar pronto para responder aos perigos que podem vir de todos os lados…”. O jovem Jorge Mario Bergoglio também jogava basquete, e em família se tinha grande consideração pela leitura. Em particular, seu pai era um insaciável leitor. O Papa menciona alguns dos livros que o ajudaram a formar-se e a crescer, como “Cuore” de Edmondo De Amicis, os romances de Jorge Luis Borges e Fëdor Dostoevskij, e os poemas de Friedrich Hölderlin. Ele também leu “Os Noivos” (Manzoni) e depois a ‘Divina Comédia’, da qual seu pai recitava passagens de cor. “Dele ouvi pela primeira vez estes versos: “Virgem mãe, filha de seu filho, humilde e elevada mais do que uma criatura, termo fixo de conselho eterno, você é aquela que enobreceu tanto a natureza humana que seu fator não desdenhou de fazer de si mesma sua obra”. E depois o terceiro canto do Inferno: “Abandonai toda esperança, vós que aqui entrais”. Mamãe falava aos filhos sobre as óperas líricas transmitidas no rádio e até os levava ao teatro. A leitura, diz Francisco, “é um diálogo com o próprio livro, é um momento de intimidade que nem a TV nem os tablets podem dar”.

Alguns momentos de saudade, mas não de melancolia
A conversa continua com uma pergunta que nos traz de volta ao Papa Francisco hoje: existe nele um pouco de saudade da juventude? Às vezes, o Papa admite, lembrando-se das coisas boas. Como quando ele fez 16 anos, como era tradição na Argentina, vestiu suas primeiras calças compridas, para os homens – e era como uma entrada na sociedade – e a emoção de sua avó materna Maria ao vê-lo assim. A avó Rosa, “era mais reservada, falava pouco, mas entendia tudo”. Tenho saudade dos momentos que vivi com eles e meus avós”, diz ele, mas “a melancolia não me atinge”, acrescentando: “Talvez por causa da minha formação pessoal, não me permito isso. E talvez porque eu herdei o caráter de minha mãe, que estava sempre olhando para o futuro. As pessoas de quem ele mais sente falta são seus três irmãos, aos quais pensa, porém, com serenidade, imaginando-os “em paz”.

Um dia que começa às quatro da manhã
Quando perguntado sobre sua saúde atual após a operação no Hospital Gemelli, o Papa respondeu que ele está bem, tanto que pôde fazer várias viagens “e eu farei outras viagens, se o Senhor quiser, em 2022”. E descreveu seu dia a dia, cujo ritmo não mudou: “Eu sempre me levanto às 4 da manhã e começo a rezar imediatamente. Em seguida, continuo com minhas atividades e vários compromissos. Eu só me permito uma breve sesta depois do almoço.

Nosso futuro depende da solidariedade em todos os níveis
A entrevista se conclui com a visão do Papa sobre o futuro da humanidade afetada pela pandemia, pelos conflitos e pelas divisões. O futuro dependerá, afirma, “se será construído ou reconstruído juntos”, pois só seremos salvos se vivermos a fraternidade universal. Ele continua: “Isto, porém, significa que a comunidade internacional, a Igreja, a começar pelo Papa, as instituições, aqueles com responsabilidades políticas e sociais, e também cada cidadão, particularmente nos países mais ricos, não podem e não devem esquecer as regiões e pessoas mais fracas, mais frágeis e indefesas, vítimas da indiferença e do egoísmo”. A isto dirijo minha oração, diz o Papa Francisco, “Rezo a Deus para que neste Natal Ele transmita mais generosidade e solidariedade na Terra”, em atos. “Espero – conclui ele – que o Natal aqueça os corações daqueles que sofrem, e abra e fortaleça os nossos para que ardam com o desejo de ajudar mais os necessitados”.

Você pode Gostar de:

Falecimento compositor católico Reginaldo Veloso

Faleceu, na noite de quinta-feira, 19 de maio, o compositor católico Reginaldo Veloso, aos 84 …