Página Inicial / Animação Litúrgica / 17º Domingo do Tempo Comum (24.07)

17º Domingo do Tempo Comum (24.07)

Ano C – cor verde – 24/07/2022

1. Saudação Presidente – Irmãos e irmãs, sejam todos bem-vindos! É o próprio Deus que chama, e a comunidade atenta apresenta-se para celebrar o Mistério Pascal de Jesus Cristo. Nesta celebração, Jesus nos instrui sobre a oração. Ele ensina aos discípulos e a nós, como devemos nos dirigir ao Pai. Reunidos como filhos e filhas de Deus, façamos o sinal da nossa fé. Em nome do Pai…
Presidente – O Deus da esperança, que nos cumula de toda alegria e paz em nossa fé, pela ação do Espírito Santo, esteja convosco. Bendito seja Deus…
Presidente – Agradeçamos a Deus os gestos de partilha e doação de todos os que contribuem com o dízimo para o crescimento da Igreja de Jesus Cristo, em nossa Diocese. Confiantes na proteção divina, queremos celebrar a nossa fidelidade em fazer sempre a vontade de Deus, aqui na terra como nos céus. Neste momento, trazemos presente os fatos marcantes vivenciados na semana que passou (recordação da vida).
2. Deus nos perdoa Presidente – Jesus é a verdadeira misericórdia do Pai. Seguindo seu exemplo, podemos viver como Ele nos ensinou (silêncio). Reconheçamos nossos pecados e peçamos perdão, cantando.
Presidente – Deus de bondade, tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna. Amém.
3. Hino do Glória Presidente – Com alegria glorifiquemos ao Senhor nosso Deus, rezando o Hino do Glória.
4. Oração Presidente – Oremos – (silêncio) – Ó Pai, vós nos revelastes o segredo da oração filial de Cristo. Dainos seu Espírito para que, cheios de esperança, possamos evocar o vosso nome e crescer no testemunho do vosso amor. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.
Deus nos fala
5. Leitura do Livro do Gênesis (18, 20-32)
6. Salmo Responsorial (137) (CD Liturgia XI – Tempo Comum) Naquele dia em que gritei, Vós me escutastes, ó Senhor! (bis)
7. Leitura da Carta de São Paulo aos Colossenses (2, 12-14)
8. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas (11, 1-13)
9. Partilha da Palavra
Nossa resposta
10. Profissão de Fé Presidente – Professemos nossa fé no Deus da Vida que nos ama e nos faz irmãos. Creio em Deus Pai…
11 Preces da Comunidade Presidente – Confiantes no Pai de Jesus e nosso, elevemos as nossas súplicas. Após cada pedido, rezemos: Ouvi, Senhor, a nossa oração.
12. Apresentação dos Dons
Presidente – A oração é uma relação viva, pessoal, familiar e comunitária com o Deus verdadeiro e o Pai Nosso é como um método proposto a todos os que buscam seguir o Evangelho. Jesus ensina aos seus que podem dirigir-se ao Pai com toda confiança de serem acolhidos. Apresentemos ao Altar do Senhor nossa disponibilidade em perseverar no caminho de oração, nas famílias, na comunidade e na sociedade.
Coleta Fraterna
Ação de Graças
13. Louvação Presidente – A oração é um compromisso de amor e comunhão com Deus e com os irmãos(ãs). Louvemos ao Senhor pela aliança que fez com seu povo, cantando.
Deus nos faz irmãos
14. Pai Nosso Presidente – No compromisso de viver a oração que Jesus nos ensinou, cantemos.
15. Momento da Paz Presidente – A oração nos aproxima de Deus e nos conduz à vida plena. Rezemos em silêncio pela paz mundial.
16. Oração Presidente – Oremos -(silêncio) – Ó Deus, celebrando os mistérios de vosso amor, reunidos ao redor da Mesa da Palavra (e da Comunhão), nos concedeis hoje participar dos frutos da salvação. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.
Deus nos envia
17. Breves Avisos
18.Refletindo o mês do Dízimo (Ler para assembleia) A Contribuição com o dízimo é sistemática. Isso significa que ela é estável, assumida de modo permanente. Do ponto de vista da forma como ela se realiza, é também periódica, podendo ser mensal ou estar ligada às colheitas ou à venda de produtos, sendo realizada na ocasião em que se recebe o salário ou outros tipos de ganho. Ele pressupõe pessoas evangelizadas e comprometidas com a evangelização.
19. Bênção
Presidente – O Senhor vos abençoe e vos guarde. Amém.
– O Senhor faça brilhar sobre vós a sua face e vos seja favorável. Amém.
– O Senhor dirija para vós o seu olhar e vos dê a paz. Amém.
– Abençoe-vos o Deus todo-poderoso: Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.
– Orai sem cessar. Ouvi e praticai sempre a Palavra de Deus. Ide em paz e o Senhor vos acompanhe.
Graças a Deus.

 

Meditando a Palavra de Deus
No Evangelho de hoje, Lucas inicia a narrativa informando que Jesus estava em um lugar orando. O modo de rezar de Jesus desperta o desejo dos discípulos em aprender mais e provoca o pedido: “Senhor, ensina-nos a rezar como também João”. Semelhante a outros grupos, que tinham preces, formas particulares de oração, o Pai Nosso caracteriza a oração dos discípulos de Jesus. Como Jesus, que encontrou forças na oração para vencer as tentações no deserto, para proclamar a Boa-Nova do Reino, para saciar a fome do povo, para perdoar até mesmo seus inimigos na cruz, os discípulos e discípulas buscavam, por meio da oração do Pai Nosso permanecer firmes no projeto de Deus. Jesus ensina aos seus que podem dirigir-se a Deus com toda a confiança de serem acolhidos. Deus é muito mais disponível para acolher do que um amigo. Ele cuida de cada pessoa com um carinho maior do que aquele manifestado pelo pai a seu filho. Pedir, buscar, bater a porta, são expressões utilizadas para expressar a grande verdade relativa à oração: a persistência ou perseverança. É necessário buscar com insistência o Reino e a comunhão com o Pai. O pão, o peixe e o ovo são alimentos básicos de uma região, como a pedra, a serpente e o escorpião, que pertencem à natureza. Deus oferece mais que “coisas boas”. “O Pai do Céu dará o Espírito Santo aos que o pedirem!” para que possam viver uma relação de confiança filial. A força do Espírito Santo de Deus ajuda a comunidade a realizar o projeto de amor fraterno e solidário proposto por Jesus. Como vamos conhecer o projeto do Pai se não escutamos sua proposta, em um colóquio profundo, escutando sua palavra de vida e salvação? Como vamos colaborar na construção do Reino, interceder e comprometer-nos com a história sem conhecer o plano divino da salvação? Resta-nos rever o nosso modo de rezar, tanto individual como comunitário. Uma dimensão não vive sem a outra. A oração particular ou individual prepara, prolonga e aplica a cada pessoa o encontro objetivo e sacramental com o Senhor que se realiza na liturgia. Vale lembrar aqui as palavras de João Crisóstomo: “Assim como não se põe o incenso em fogo apagado, não adianta a celebração litúrgica sem uma verdadeira oração individual. O desejo espiritual é como um fogo, a oração individual faz a pessoa abrasar neste fogo. Então, quando as brasas estão acesas, se põe o incenso da liturgia e se realiza a oração comunitária”. (Roteiros Homiléticos Ano C – 2016)

 

Leituras da Semana
2ª feira: 2Cor 4,7-18; Sl 125; Mt 20,20-28
3ª feira: Jr 14,17-22; Sl 78; Mt 13,36-43
4ª feira: Jr 15,10.16-21; Sl 58; Mt 13,44-46
5ª feira: Jr 18,1-6; Sl 145; Mt 13,47-53
6ª feira: 1Jo 4,7-16; Sl 33; Jo 11,19-27; Lc 10,38-42
Sábado: Jr 26,11-16.24; Sl 68; Mt 14,1-12
Domingo: Ecl 1,2; 2,21-23; Sl 89; Cl 3,1-5.9-11; Lc 12,13-21

Você pode Gostar de:

27º Domingo do Tempo Comum (02.10)

Ano C – cor verde – 02/10/2022 1. Saudação Presidente – Sejam bem-vindos, todos que …