Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Liturgia do 20ºDomingo Comum 14.08.2022

Liturgia do 20ºDomingo Comum 14.08.2022

1.Acolhida
A Igreja Católica alegra-se com a existência de mártires. Ela apresenta uma lista enorme de mártires ao longo de sua História. O Apologista Tertuliano desafiava o Imperador perseguidor dizendo: “Matai, trucidai cristãos, mas sabei que o sangue de mártires é semente de novos cristãos!” Uma igreja que não é perseguida, marcada pela Cruz, é uma igreja que se acomoda, e não dá testemunho de Jesus Cristo crucificado! É sal que perdeu seu valor e função! Jesus disse: “Eu vim trazer fogo sobre a terra e Eu gostaria que ele já estivesse aceso!”

2.Palavra de Deus
Jr 38,4-6.8-10 – O profeta Jeremias anunciava sua profecia em tempo de crise e acabou sendo lançado num poço seco, mas com muita lama! Condenado a morrer à míngua: de sede e fome, nas trevas e no ar viciado e mal fedido!
Hb, 12,1-4 – “Empenhemo-nos, com perseverança no combate que nos é proposto, com os olhos fixos em Jesus, que em nós começa e completa a obra da fé!” Lutemos contra o pecado, mesmo que nos custe o preço do próprio sangue!
Lc 12,49-53 – Jesus não veio para trazer a paz, mas a luta contra o pecado. É um combate de vida ou morte!. É tempo de definição, mesmo ao preço de divisão familiar: pai contra filho ou filho contra o próprio pai!…

3.Reflexão
“ Vós não resististes até o sangue na luta contra o pecado!” Os cristãos primitivos tinham como ideal atingir o martírio: Morrer como mártires de Nosso Senhor Jesus Cristo! A História da Igreja Católica registra um número de 110.000 mártires, só no Império Romano, até o advento de Constantino (312). E considerando que o Cristianismo era minoria no Império Romano! E a lista dos mártires continua crescendo ainda hoje. Os cristãos no mundo árabe são interrogados se são discípulos de Jesus Cristo. Se a resposta for positiva, eis a sentença: “então você vai morrer como Ele – crucificado! Na segunda Leitura (Carta aos Hebreus), o autor lamenta a falta de mártires: “Vós não resististes até o sangue na luta contra o pecado!” Será que, nós sacerdotes e leigos católicos seríamos capazes de resistir até o derramamento do próprio sangue na vivência de nossa fé em Jesus Cristo?
O profeta Jeremias sonhava com uma vida familiar: Tinha o seu lote de terra, sua casa de moradia e foi convocado para a profecia junto a um povo, que o próprio Deus o preveniu que não haveria de escutá-lo! Exerceu sua profecia inutilmente. Morreu sem converter a ninguém! Mas morreu fiel à sua missão profética até o fim de sua vida: Morreu no exílio (Egito), sepultado num poço enchido de pedras! Nas condições do profeta Jeremias, nós os cristãos e sacerdotes de hoje, seríamos capazes de derramar o nosso próprio sangue por Jesus Cristo e por sua Igreja?
“Eu vim para lançar fogo sobre a terra e como gostaria de vê-lo aceso”! Mas o fogo de Jesus não unifica, mas divide as próprias famílias pela escolha de certa igreja e troca-se de igreja tão facilmente! Uma família de7 membros, dividida em membros de 7 igrejas distintas! Devemos procurar, humildemente, nosso caminho de serviço a Deus! E fiquemos firmes e fieis à escolha realizada, fixando nosso olhar bem no rosto de Jesus Cristo! É bom ter uma igreja e não ficar praticando um ateísmo prático, pois, Jesus derramou todo o seu Sangue por nós, criaturas humanas! Pensemos, nós custamos o Sangue do Filho de Deus! Caminhemos de maneira digna do preço de nosso resgate!

FREI CARLOS ZAGONEL

Você pode Gostar de:

Edições CNBB lança o Texto-Base da Campanha da Fraternidade (CF) 2023

Já encontra-se disponível para compra, no site da Edições CNBB, o Texto-Base da Campanha da …