Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / 60 anos do Concílio Vaticano II

60 anos do Concílio Vaticano II

No dia 11 de Outubro de 1962 São João XXIII, com 80 anos, abriu os trabalhos do Concílio Vaticano II, o 21º Concílio Ecumênico da Igreja Católica. O Primeiro foi o de Niceia, no ano de 325. Participaram 2.500 Padres conciliares, delegações oficiais de 86 Países e organismos internacionais, observadores das Igrejas cristãs não unidas a Roma, peritos, teólogos e convidados de outras Igrejas cristãs. A expressiva participação dos Padres conciliares que assinaram os 16 documentos, conferiram autoridade moral, doutrinal e espiritual aos textos conciliares. O concílio encerrou no dia 8 de Dezembro de 1965. Foi muito marcante o discurso de João XXIII, na seção de abertura, dando ênfase para a dimensão pastoral, ecumênica e da unidade na Igreja. Assim afirmou São João XXIII: “Julgamos ser inspiração do altíssimo, qual flor de inesperada primavera convocar o Concílio ecumênico vaticano II”. Disse mais: “Nos dias de hoje, a Esposa de Cristo, prefere usar mais o remédio da misericórdia que o da severidade: julga satisfazer melhor às necessidades de hoje mostrando a validez de sua doutrina que condenando erros”. João XXIII presidiu a primeira sessão do Concílio e, em seguida, faleceu. Tudo foi interrompido para a escolha do novo Pontífice, o que causou o prolongamento do Concílio.

O Papa Paulo VI, sucessor de João XXIII, na mesma direção do seu antecessor, defendeu um concílio renovador da Igreja, a qual deve ter braços abertos, acolhendo a todos com misericórdia e compaixão, a exemplo de Jesus. Paulo VI foi incisivo ao afirmar: “Os objetivos do concílio se resumem, em última análise, num só intento: tornar a Igreja do século XX mais apta para anunciar o evangelho à humanidade. Anunciar o evangelho é a razão de ser da Igreja: “Ide e pregai” (Mt.28). É bom recordar alguns antecedentes históricos: O último Concílio foi o Vaticano I(1879-80), convocado pelo Papa Pio IX, o qual foi suspenso por causa da invasão de Roma pelas tropas de Garibaldi. Foi um período de efervescência dos movimentos nacionalistas Italianos.

Portanto, não houve tempo e nem condições para discutir e aprofundar as questões importantes da Igreja. Só foi tratado a questão da função do Papa na Igreja, gerando o dogma da infalibilidade Papal. Isto é, o Papa não é um ser humano perfeito, mas é infalível quando se pronuncia a respeito de temas concernentes à fé. Esta limitação estagnou o processo de renovação da Igreja, mantendo-a na mesma visão e identificação com modelo do Concilio de Trento, realizado de 1545 a 1563. Em 1948, O Papa Pio XII teve o desejo de convocar um concílio, porém, não o fez por falta de consenso e pontos de vistas opostos dentro da Igreja. Entretanto, Pio XII criou, em 1952, um movimento renovador na Igreja chamado: “Movimento por mundo melhor”, de caráter fortemente missionário e implementado no Brasil pelo Pe. Riccardo Lombardi, Jesuíta e Italiano, o qual preparou a Igreja para a recepção da mensagem do Concílio Vaticano. É equivocado afirmar que o concilio vaticano, foi uma ruptura com a rica e preciosa tradição da Igreja. Na verdade, o concílio não foi causa, mas busca de respostas às rupturas, sobretudo a dissociação entre fé e cultura, que Paulo VI colocou em relevo como algo dramático (Evangelii Nutiandi, 13).

O Concílio ajudou a Igreja a sair do “gueto” cultural já insustentável. Foi uma renovação na continuidade da tradição. São João Paulo II assim afirmou: “O Concílio Vaticano II foi um dom do Espírito Santo à sua Igreja”. O Documento Aparecida fez uma referência ao Concílio: “Lamentamos, seja algumas tentativas de voltar a um certo tipo de eclesiologia e espiritualidade contrárias à renovação do Concílio Vaticano II, seja algumas leituras e aplicações reducionistas da renovação conciliar” (DA,100b). Na 59ª Assembleia geral da CNBB (6 /09/2022), os Bispos assinaram a seguinte declaração: “A Igreja no Brasil tem sido construtora e testemunha de um processo amadurecido e consistente de discernimento e assimilação do caminho de renovação, como fruto do concilio vaticano II. Reafirmamos nosso compromisso com a continuidade deste caminho e a convicção de que, entre nós, não há espaços para retrocessos”.

O sopro do espírito fez suscitar o Concílio, o qual renovou efetivamente a face da Igreja, sobretudo, na questão da renovação litúrgica, no diálogo ecumênico e religioso com as diferentes culturas. Numa sociedade pluralista, a Igreja deve buscar, através do diálogo, a unidade na diversidade sem perder sua identidade. O Concilio foi, portanto, uma instância autêntica da Igreja, assistida pelo espírito Santo, no âmbito da grande e rica Tradição da Igreja. Papa Bento XVI recomendou uma releitura dos documentos conciliares: “os quais devem ser conhecidos e assimilados, como textos qualificados e normativos do magistério” (Porta Fidei, 4 – Bento XVI, 2011).
Pe. Deusdédit é Cura da Catedral

Você pode Gostar de:

Entrevista Dom Luiz Antônio Ricci – Pastoral da aids.

A Rádio Bom Jesus FM 92,7 recebeu na manhã de 1 º de dezembro/2022 no …