Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Jubileu de Ouro da Catedral Basílica do Senhor Bom Jesus de Cuiabá

Jubileu de Ouro da Catedral Basílica do Senhor Bom Jesus de Cuiabá

Em 23 de Maio de 1973, foi sagrada a nova catedral de Cuiabá. Nada mais imponente e sugestivo do que comemorar esta data memorável, em clima de oração e gratidão Deus pelos 50 anos desta sagração. A construção deste majestoso templo, foi iniciado em 1958, por D. Orlando Chaves, grande incentivador da obra. Uma comissão pró-construção foi constituída e presidida pelo advogado Luís-Philippe Pereira Leite, membro do Instituto histórico de Mato Grosso e do conselho pastoral da Catedral, acompanhada pelo cura da época: Pe. Firmo Pinto Duarte Filho. (In memoriam).

A planta da nova catedral é do arquiteto sacro de S. Paulo, Benedito Calixto de Jesus, o mesmo que planejou a Basílica de N. Sra. Aparecida, o segundo maior templo do mundo católico. A construção começou na parte do fundo: sacristia, os quatro andares superiores e residência. Foi interrompida, de 1963 a 1967, durante a realização do concílio vaticano II (1963-65). Com a ida de D. Orlando Chaves para Roma, além de participar das sessões do concílio, fazia propaganda das obras que estava realizando em Cuiabá: a Catedral, o Seminário C. Rei e o Instituto das missionárias do Bom Jesus.

Com isso, conseguiu inúmeros benfeitores entre os Bispos e católicos da Europa, dos EUA e Canadá, os quais ajudaram o generoso povo Cuiabano na execução da planejada obra. A segunda parte reiniciou-se em 1968, como marco dos 250 anos de Cuiabá, celebrado em 1969. Disse Luís-Philippe Pereira Leite no dia da inauguração (24 de Maio): “Esta inauguração veio coroar as obras da majestosa, imponente e moderna Basílica, um dos mais belos templos do Brasil”. D. Bonifácio Piccinini, em 1975, interpretando o sentimento da maioria do povo católico, disse: “A vetusta Catedral de Cuiabá, há anos, vinha dando sinais inequívocos de desabamento. A sua reconstituição era quase impossível. O intenso movimento, sempre crescente, de carros e caminhões abalavam mais e mais a construção de barro socado. Vários engenheiros, após acurados estudos e sondagens, concluíram que não era possível recuperar a antiga Sé.

Com a demolição da velha catedral, os restos mortais dos prelados, bispos, arcebispos e de Moreira Cabral, foram transferidos para a Igreja Nossa Senhora do Bom Despacho. Em agosto de 1974, estes restos mortais, incluindo de Miguel sútil, que fora trazida pelo prefeito e o arcebispo de Sorocaba, foram recolocados na Cripta da nova Catedral. Houve uma missa solene em sufrágio de suas almas, com expressiva participação dos fiéis e autoridades da cidade. Em 15 de Novembro de 1974, por solicitação da arquidiocese, a nova Catedral foi enaltecida com o título de Basílica menor do Senhor Bom Jesus, pelo Papa Paulo VI.

Foi outorgado este título com todos os favores espirituais anexos a este título. Entre os favores espirituais, está a concessão da indulgência plenária aos fiéis, mediante as seguintes condições: visita à Basílica, confissão, comunhão, oração do creio e do Senhor B. Jesus na intenção do sumo pontífice. Merece destaque o envolvimento das Irmãs Missionárias do Bom Jesus, congregação fundada por D. Orlando chaves, no processo de captação de recursos financeiros na cidade para esta altíssima finalidade religiosa. O relógio monumental, cronômetro de Cuiabá, situado em ambas as torres da Catedral, a 30 m de altura, com 6 mostradores de 4 m, foi ofertado pela colônia sírio-Libanesa de Cuiabá, e teve como padrinho o embaixador do Líbano.

À comunidade Sírio-libanesa, nossa eterna gratidão. Alguns marcos religiosos relevantes da nossa história: Cuiabá foi fundada em 1719, como o nome de Arraial e depois Vila Real do Senhor Bom Jesus. Em 1721 foi celebrada a primeira missa (Coxipó do Ouro); Em 1722-23, o capitão-mor Jacinto Barbosa Lopes, construiu no mesmo lugar da atual Catedral, uma capela de taipa, em seguida foi celebrada a primeira missa pelo Frei Pacifico dos Anjos, irmão do capitão-mor. Essa humilde capela abrigou em 1729, a venerável Imagem do Bom Jesus, fabricada de madeira por mãos de uma mulher e trazida pelo bandeirante Pedro de Morais, conservada com carinho e afeto filial, até hoje. A histórica e modesta capela, construída em 1722-23, por vezes transformada e metamorfoseada no tempo, é, hoje, este majestoso templo que se erige na grandeza da arte do modernismo arquitetural, com seus três magníficos mosaicos e os quadros da via-sacra, obras do Artista Polonês: Aristarch Kaszkurewicz, o qual perdeu as duas mãos na Segunda guerra mundial.

Estas obras, de rara beleza, além de encantar as pessoas, irradiam vibrações de fé e eleva o espírito na busca do encontro com Deus. A nova Catedral, emoldurada pelas duas velhas praças: da republica e Alencastro, e pelo palácio da Instrução, engala e embeleza, também, o nosso centro histórico, trazendo-lhe vida e atração turística diária. Porquanto, a Catedral é o cartão de visita desta tricentenária cidade. Que o senhor Bom Jesus, do alto do seu trono sagrado, continue abençoando, com o mesmo desvelo de outrora, esta terra dadivosa, esta gente acolhedora, hospitaleira e calorosa. Indiscutivelmente, a Catedral Basílica do Senhor Bom Jesus representa para Cuiabá, Matogrosso e o Brasil, um verdadeiro monumento artístico e, como tal, uma atração turística intensa para os visitantes de fora e os fiéis devotos que buscam refúgio, paz, conforto espiritual junto ao Senhor bom Jesus, nosso “Orago-mor”.
Pe. Deusdédit – Cura da Catedral

Você pode Gostar de:

Encontro de Formação da Pascom Regional

Nos dias 2 e 3 de setembro/23, foi realizad0 Encontro de Formação da PASCOM (Pastoral …