Página Inicial / Notícias / Da Crise climática à resiliência climática

Da Crise climática à resiliência climática

PAPA RECEBE EM AUDIÊNCIA PARTICIPANTES DO ENCONTRO QUE REFLETE O TEMA “DA CRISE CLIMÁTICA À RESILIÊNCIA CLIMÁTICA”.

O Papa Francisco recebeu em audiência, nesta quinta-feira, 16 de maio, na Sala Clementina, no Vaticano, cerca de duzentos participantes, de várias partes do mundo, do encontro promovido pelas Pontifícias Academias das Ciências e das Ciências Sociais sobre o tema “Da crise climática à resiliência climática”.

O encontro teve início dia 14/05, na Casina Pio IV, no Vaticano, e se conclui na sexta-feira, 17. O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes, e o cacique Raoni participam do evento e se encontraram com o Santo Padre durante a audiência desta quinta-feira.

Em seu discurso, o Papa sublinhou que “os dados sobre as mudanças climáticas pioram a cada ano e portanto, é urgente proteger as pessoas e a natureza”. Francisco parabenizou “as duas Academias por liderarem este esforço e produzirem um protocolo de resiliência universal. As populações mais pobres, que pouco têm a ver com as emissões poluentes, precisarão receber maior apoio e proteção”.

Os pobres são os que mais sofrem
“A destruição do ambiente é uma ofensa a Deus, um pecado que não é apenas pessoal, mas também estrutural, que coloca seriamente em perigo todos os seres humanos, especialmente os mais vulneráveis, e ameaça desencadear um conflito entre gerações”, disse o Papa, que perguntou: “Estamos trabalhando em prol de uma cultura da vida ou de uma cultura da morte?”

Estamos diante de desafios sistêmicos distintos, mas interligados: as mudanças climáticas, a perda da biodiversidade, a degradação ambiental, as desigualdades globais, a insegurança alimentar e uma ameaça à dignidade das populações envolvidas. Se não forem abordados de forma coletiva e urgente, esses problemas representam ameaças existenciais para a humanidade, para outros seres vivos e os ecossistemas.

“Mas que seja claro: são os pobres da Terra que mais sofrem, apesar de serem os que menos contribuem para o problema. As nações mais ricas, cerca de um bilhão de pessoas, produzem mais da metade dos poluentes que retêm o calor. Contrariamente, os três bilhões de pessoas mais pobres contribuem com menos de 10%, mas arcam com 75% das perdas resultantes. Os 46 países menos desenvolvidos, em sua maioria africanos, são responsáveis por apenas 1% das emissões globais de CO2. Ao invés disso, as nações do G20 são responsáveis por 80% dessas emissões.”

Mulheres, agentes de resiliência e adaptação
A seguir, o Papa ressaltou que a pesquisa feita pelas Pontifícias Academias das Ciências e das Ciências Sociais “mostra a trágica realidade em que mulheres e crianças carregam um fardo desproporcional”. As mulheres geralmente não têm o mesmo acesso aos recursos que os homens, e cuidar da casa e dos filhos pode dificultar a possibilidade de migrar em caso de desastre.

“No entanto, as mulheres não são apenas vítimas das mudanças climáticas: elas também são poderosas agentes de resiliência e adaptação. Com relação às crianças, quase um bilhão delas residem em países que enfrentam um risco extremamente alto de devastação relacionada ao clima.”

Sua idade evolutiva as torna mais suscetíveis aos efeitos, tanto físicos quanto psicológicos, das mudanças climáticas. Segundo Francisco, “a recusa em agir rapidamente para proteger os vulneráveis expostos às mudanças climáticas provocadas pelo homem é uma falha grave. O progresso ordenado é então dificultado pela busca voraz de ganhos a curto prazo por parte das indústrias poluentes e pela desinformação, que gera confusão e dificulta os esforços coletivos para inverter a rota”.

A poluição do ar ceifa vidas
De acordo com o Papa, “o espectro das mudanças climáticas paira sobre todos os aspectos da existência, ameaçando a água, o ar, os alimentos e os sistemas de energia. Igualmente alarmantes são as ameaças à saúde pública e ao bem-estar. Assistimos à dissolução de comunidades e ao deslocamento forçado de famílias”.

“A poluição do ar ceifa milhões de vidas prematuramente todos os anos. Mais de três bilhões e meio de pessoas vivem em regiões altamente sensíveis à devastação das mudanças climáticas, o que leva à migração forçada. Nos últimos anos, quantos irmãos e irmãs perderam a vida em viagens desesperadas, e as previsões são preocupantes. Defender a dignidade e os direitos dos migrantes climáticos significa afirmar a sacralidade de cada vida humana e exige honrar o mandato divino de salvaguardar e proteger a nossa casa comum.”

Descarbonização global
Diante dessa crise planetária, o Papa destacou, em primeiro lugar, a necessidade de “uma abordagem universal e uma ação rápida e decisiva para promover mudanças e decisões políticas”, e em segundo, a urgência de uma “inversão da curva de aquecimento, buscando reduzir pela metade a taxa de aquecimento no curto espaço de um quarto de século”.

“Ao mesmo tempo, devemos ter como meta a descarbonização global, eliminando a dependência de combustíveis fósseis. Em terceiro lugar, grandes quantidades de dióxido de carbono devem ser retiradas da atmosfera, através de uma gestão ambiental que abranja várias gerações.”

É um trabalho longo, mas também de grande alcance. Todos nós devemos empreendê-lo juntos. Nesse esforço, a natureza é nossa fiel aliada, colocando à nossa disposição os seus poderes, os poderes regeneradores da natureza.

Salvaguardar as riquezas naturais
A seguir, o Papa exortou a salvaguardar as riquezas naturais: “As bacias da Amazônia e do Congo, as turfeiras e os manguezais, os oceanos, as barreiras de corais, as terras agrícolas e as calotas polares, por sua contribuição para a redução das emissões globais de carbono.”

“Essa abordagem holística combate as mudanças climáticas e também enfrenta as crises da perda de biodiversidade e da desigualdade, cultivando os ecossistemas que sustentam a vida”.

Segundo Francisco, “a crise climática exige uma sinfonia de cooperação e solidariedade global. O trabalho deve ser sinfônico, harmonioso, todos juntos. Por meio de reduções de emissões, educação sobre estilos de vida, financiamento inovador e o uso de soluções comprovadas baseadas na natureza, fortalecemos a resiliência, especialmente a resiliência à seca”.

Uma nova arquitetura financeira
O Papa ressaltou a necessidade de desenvolver “uma nova arquitetura financeira que responda às necessidades do Sul do mundo e dos Estados insulares gravemente afetados por catástrofes climáticas. A reestruturação e redução da dívida, junto com o desenvolvimento de uma nova Carta financeira global até 2025, reconhecendo uma espécie de “dívida ecológica” – é preciso trabalhar nesta palavra: dívida ecológica – podem ser uma ajuda válida na mitigação das mudanças climáticas.

Por fim, o Papa agradeceu e incentivou os membros das Pontifícias Academias das Ciências e das Ciências Sociais a continuarem trabalhando “na transição da atual crise climática para a resiliência climática com equidade e justiça social”, advertindo que é necessário agir com urgência, paixão e determinação.

https://www.cnbb.org.br/papa-recebe-em-audiencia-participantes-do-encontro-sobre-crise-climatica/

Você pode Gostar de:

Formação sobre a Economia de Francisco e Clara

A Cáritas da Arquidiocese de Cuiabá convida todos para a Formação sobre a Economia de …