Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Espiritualidade do Advento e Natal

Espiritualidade do Advento e Natal

Padre Deusdédit, Vigário Geral da Arquidiocese de Cuiabá, apresenta a reflexão – Espiritualidade do Advento e do natal.
1 –Celebrando o Advento
Estamos novamente no advento, tempo de preparação para o santo Natal. São quatro semanas que antecedem a data magna da encarnação de Deus em nossa historia. Neste tempo Igreja entoa um canto de esperança, àquele que esta por chegar, o príncipe da paz, o Emanuel, o Deus-conosco. Este canto, primeiramente entoado pelos profetas, João Batista e Maria, continua ressoando no seio da Igreja que clama:”Vem Senhor, vem nos salvar. Vem sem demora nos dar a paz” 

O Advento é tempo de preparação com dupla característica: Preparação para as solenidades do Natal, nas quais se recorda a  primeira vinda do filho de Deus ao meio dos homens; e simultaneamente, tempo em que, com esta recordação, os espíritos se dirigem para expectativa da segunda vinda de Cristo no fim dos tempos. Nesta dupla perspectiva, o advento apresenta-se como tempo de devota e jubilosa espera de N.S. Jesus Cristo.
Porém, é preciso lembrar, que, não só os cristãos, mas toda a humanidade está em clima de advento, de ansiosa espera, aguardando a manifestação cada vez mais visível do Reino de Deus, em que a justiça e paz se abracem e todos os povos e culturas desabrochem felizes e reconciliados.
O ADVENTO É TEMPO DE:
1 – ESPERA,  alegre chegada e amorosa acolhida. Esperar uma pessoa especial e querida requer cuidadosa preparação.Ora, o Senhor Jesus é a pessoa mais querida, mais adorável  e especial em nossa vida e nossa historia. 
2- RENOVAÇÃO espiritual e mudança de vida, através da penitencia ou conversão , simbolizado na cor roxa que acompanha as celebrações do advento. Precisamos fazer da vida um presépio vivo para acolher o menino Deus, o qual, nos transformará em novas criaturas.
3- APROFUNDAR e melhorar nossas relações de amizade, de fraternidade e de convivência na família, na comunidade, com a vizinhança, como sinal da chegada do reino entre nos. Onde nasce e cresce uma relação de sincera e respeitosa amizade, ali está acontecendo o reino de Jesus de Nazaré. O ideal do Cristão é viver uma vida reconciliada (pacificada): consigo mesmo, com o os irmãos e com Deus.
4- ORAÇÃO. A oração é dialogo intimo com o Pai, por e com Jesus, no espírito santo. Pela oração fortalecemos nossa comunhão com Deus e ouvimos o que Deus nos quer falar para o bem de nossa vida (discernimento).
5 – ESCUTA e atenção à palavra de Deus.  Jesus é a palavra viva de Deus para o mundo. Portanto, o evangelho do Pai. “E o verbo se fez carne e habitou entre nos (Jo 1,14). Quando meditamos a palavra de Deus, entramos em comunhão com o Cristo Senhor e através dele, com o misterio da Trindade.
Nas duas primeiras semanas do advento, vigilantes e alertas, esperamos a vinda definitiva e gloriosa do Cristo salvador (segunda vinda). Os fiéis são alimentados nas celebrações pelos textos bíblicos escatológicos. Nas duas ultimas semanas, lembrando a espera dos profetas e de Maria, preparamos mais especialmente o seu nascimento do salvador (primeira vinda).  Pois, toda a celebração crista é uma permanente vinda do Senhor em nossa vida pessoal, comunitária e na nossa historia. Ele caminha conosco na grande peregrinação que fazemos rumo à casa do Pai. 
Alguns símbolos que nos ajudam a vivenciar o espírito do advento:
•Cor roxa (suave-lilas)  no altar, na mesa da palavra e nas vestes litúrgicas, lembra-nos a espera, enchendo nossos corações de esperança e nos convida a uma renovação espiritual (no Terceiro domingo, denominado Gaudete, pode-se usar a Cor-de-rosa
•A coroa do advento: feita com ramos verdes, enfeitadas com fitas coloridas e 4 velas, convida-nos a permanecer acordados, com nossas lâmpadas acesas em constante vigilância. A cada domingo, nos ritos iniciais acende-se uma vela, retomando-se o costume judaico de celebrar a chegada da luz abrangendo toda a humanidade espalhada pelos 4 pontos cardeais.
•Flores no altar deve ser utilizada com moderação que convém ao caráter próprio deste tempo, de modo a não antecipar a plena alegria do Natal do Senhor.
2 – CELEBRANDO O NATAL
A) NATAL:
•Festa da encarnação:
 o Natal, celebra o grande mistério da encarnação de N.S Jesus cristo, o filho de Deus em nossa historia. A salvação prometida por Deus aos homens em sua mensagem aos patriarcas e profetas, torna-se realidade concreta com a vinda de Jesus Cristo. Deus cumpriu a sua promessa!
A revelação bíblica no apresenta o Jesus como “Emanuel, isto é o Deus Conosco”. Isto ´e, nosso companheiro de jornada, de história. Assim, Jesus não é um ser do passado, não é uma saudosa memória ou idéia do passado. É uma pessoa viva, concreta e atuante em nossa vida e em nossa história. O nascimento histórico de Jesus em Belém, é sinal do nosso misterioso nascimento à vida divina. Pela encarnação de Jesus, o homem é divinizado. “Jesus, o Filho de Deus, é o rosto humano de Deus e o rosto divino do homem.”
•Festa do acolhimento:
“Não havia lugar para ele na hospedaria” (Lc. 2,7):  Como outrora, hoje também, há tantas pessoas fechadas para PARA  REALIZAR A  EXPERIÊNCIA DO ENCONTRO COM JESUS CRISTO. São pessoas que vivem com um grande vazio em seus corações. O mistério da existência humana só se explica e se esclarece no mistério de Jesus Cristo, Filho de Deus, única fonte e verdadeira paz, alegria e felicidade. Perguntamos: Há lugar para Ele na sua vida, na sua família, na sua casa, no seu ambiente de trabalho?
Porque todos os anos celebramos o Natal, se Jesus já se encarnou na humanidade? É precisamente para lembrar que Jesus, o filho de Deus e Salvador, continua precisando de um abrigo, de acolhida e de uma morada nos coraçoes dos homens. 
•Festa da  solidariedade : Jesus se faz pobre, nascendo na gruta de Belém,(lugar destinado aos pobres da época),  para solidarizar-se com os  pobres e ser a esperança de libertaçao dos sofredores deste mundo. Os primeiros que foram ao encontro de  Jesus foram os pobres e humildes Pastores, os quais se tornaram os primeiros mensageiros do filho de Deus no mundo.
•Festa universal:
O Natal é, também, a grande festa da solidariedade universal. Pois, é comemorado em todo mundo, até mesmo onde a população cristã é minoria. É uma data que se reveste de uma certa ternura e magia, despertando nas pessoas sentimentos cristãos, muitas vezes adormecidos como: alegria, amizade, confraternização, solidariedade, caridade, gestos de bondade e reconciliação. Estes sentimentos são frutos maravilhosos do Natal que marcam e enobrecem nossas vidas.

B) LITURGIA DO NATAL:
•TEMPO DO NATAL . denominamos tempo do Natal as seguintes solenidades:
 Missa da vigília (dia 24), Missa da noite (galo), missa da aurora(madrugada)  e missa do dia 25.
•OITAVA DO NATAL  denominamos oitava do Natal, o tempo litúrgico que vai do natal até a festa da Epifania do Senhor. É um desdobramento, por  8 dias, da alegria do natal. Uma espécie de festa de aniversário prolongado.
•SIMBOLOS DO NATAL
-Presépio – 1º. Feito por S. Francisoco de Assis em 1223
-Arvore de Natal: Representa nova arvore da vida que é o Deus menino nascido em belém
-Troca de presente: Significa gratuidade da vida lembra o maior presente dado pelo pai  aos homens que é o seu filho
-Presente dos Magos: Insenso símbolo da divindade (Jesus é filho de Deus) Ouro (símbolo da realeza, Jesus é Rei dos Reis; Mirra Sofrimento (Jesus é o eterno servo sofredor de Javé)
-Estrela de Belém é símbolo da visita salvadora de Jesus para toda a humanidade (Jesus é para todos e não somente para os judeus)
Aos homens – Celebrar o natal é  renovar o  encontro com a adorável pessoa de  Jesus,  o esplendor da luz de Deus,que veio para  iluminar os homens. Lembremos que uma  vida renovada e reconciliada é o melhor presente de natal para o aniversariante

Você pode Gostar de:

Liturgia – 5º Domingo da Quaresma 21.03.2021.

“GOSTARIAMOS DE VER (CONHECER) A JESUS!” 1.Acolhida Até os gregos querem conhecer Jesus! No íntimo …