Feliz Natal

Feliz natal
“Eis que vos anuncio uma grande alegria: Hoje, na cidade de Davi, nasceu para vós um salvador, que é o Cristo Senhor (Lc,210)”. Estas palavras confortadoras e esperançosas ditas aos humildes pastores de Belém,  constituem a grande mensagem do Natal.
Hoje, também, ecoa em nossos corações esta consoladora e animadora mensagem Natalina. Fomos agraciados por mais um Natal, festa magna do calendário litúrgico-cristão, em que celebramos o grande mistério da encarnação do divino salvador na história humana. A salvação prometida por Deus aos homens em sua mensagem aos patriarcas e profetas, torna-se realidade concreta com a vinda de Jesus, o messias esperado. Deus cumpriu sua promessa! As profecias se realizaram! Quando chegou a plenitude dos tempos, fixada pelos insondáveis desígnios divino, o filho de Deus assumiu natureza do homem para reconciliá-lo com o seu criador. Deus em seu infinito amor nos resgatou de todo mal através do seu divino filho Jesus.

A revelação bíblica, nas palavras do profeta Isaias, nos apresenta Jesus como o “Emanuel”, isto é, o “Deus-conosco”. Alguém que vem para fazer parte da nossa história de vida. O natal de Jesus é, portanto, a plena inserção de Deus no contexto vivencial humano. O rei dos reis se torna um de nós! Como diz o apóstolo Paulo:  “ Ele, apesar de sua condição divina, não fez alarde de ser igual a Deus, mas se esvaziou de si e tomou a condição de escravo, fazendo-se semelhante aos homens”(Fl.2,6-7).

O nascimento histórico de Jesus em Belém é sinal de nosso misterioso nascimento à vida divina. A encarnação do verbo divino é a divinização do homem. Jesus é o rosto humano de Deus e o rosto divino do homem. Por isso, o Natal de Jesus é, também, o nosso nascimento para uma vida nova junto de Deus. Veios para fazer dos homens novas criaturas. Pois, o mundo novo é feito de mulheres e homens renovados.  Um mundo novo reconciliado e pacificado! Eis o grande sonho de Deus! Esta utopia de Deus, deve ser, também, a utopia do homem de hoje!

O Natal é, também, a grande festa da solidariedade universal. Pois, é comemorado em todo mundo, até mesmo onde a população cristã é minoria. É uma data que se reveste de uma certa ternura e magia, despertando nas pessoas sentimentos cristãos, muitas vezes adormecidos, como: alegria, amizade, confraternização, solidariedade, caridade, gestos de bondade e reconciliação com o próximo.  Estes sentimentos são frutos maravilhosos do Natal que  enobrecem nossos corações e enfeitam a árvore da nossa vida. Porém, não esqueçamos que o fruto mais lindo do natal é a amizade sincera que construímos com os irmãos. Não esqueçamos que os bons e verdadeiros amigos são, também, presentes que recebemos de Deus. São presentes que se fazem presentes o ano inteiro. Os verdadeiros amigos não os compramos em pacote! Não há dinheiro que os possam pagar! Neste  Natal, inclua na sua agenda pessoal, entre “os amigos mais chegados”, o melhor deles: a adorável pessoa de Jesus! Os brindes Natalinos que trocamos são desdobramentos da incontida alegria da presença deste grande amigo e parceiro entre nós.

Finalmente, por que todos os anos celebramos o Natal, se Jesus já se encarnou na humanidade?  É precisamente porque Jesus, o Filho de Deus e Salvador, continua precisando de um abrigo, de uma acolhida e de uma morada! Esta é a grande mensagem que queremos lembrar todos os anos no Natal. O Filho de Deus continua batendo as portas da humanidade e do seu coração para fixar sua  morada entre o homens. Pensemos: quais são as nossas motivações natalinas? É a celebração do encontro pessoal com Jesus Cristo na oração, na eucaristia, na meditação, na confraternização familiar ou um festival de consumo, troca de presentes, reforma de casa, viagens de férias?  Quantas pessoas estão fechadas para a experiência do encontro com ele!  São pessoas que vivem com um grande vazio em seus corações. Pois, o mistério da existência humana só se explica e se esclarece no mistério de Jesus Cristo, Filho de Deus, única fonte de verdadeira paz, alegria e felicidade.

O evangelista Lucas nos diz: “Não havia lugar para ele na hospedaria” (Lc 2, 7). Há lugar para ele na sua vida? Na sua família? Na sua casa? No seu ambiente de trabalho? 

Acolhamos com alegria o divino salvador. Natal é vida que nasce. Natal é convite para o homem  trilhar o caminho da retidão, do amor ao próximo e da compreensão com seus semelhantes. Vamos adorar o rei dos reis neste natal! Nós somos o seu presépio e a nossa casa é Belém!

Que o menino-Deus derrame, ricamente, suas graças sobre todas as famílias deste querido Estado.

Feliz Natal e um Ano Novo abençoado pelo querido e bondoso Deus altíssimo!

Pe. Deusdédit é sacerdote Diocesano e Pároco da Paróquia C. Imaculado de Maria

Você pode Gostar de:

Liturgia do 13º Domingo do Tempo Comum 27.06.2021

“DEUS NÃO FEZ A MORTE E NEM TEM PRAZER COM A DESTRUIÇÃO DOS VIVOS!” 1.Acolhida …