Página Inicial / Animação Litúrgica / Domingo dia 25 de julho

Domingo dia 25 de julho

17º DOMINGO DO TEMPO COMUM “SENHOR, ENSINA-NOS A REZAR” (Lc 11,1c)

Irmãos e irmãs, sejam todos bem-vindos para celebrar o Mistério Pascal de nossa fé. Neste domingo, fazemos memória dos ensinamentos de Jesus a seus seguidores com a Oração do Pai Nosso. Confiantes na proteção divina, queremos celebrar a nossa fidelidade em fazer sempre a vontade de Deus, aqui na terra como nos céus.
Encerrando o mês do dízimo em nossa Arquidiocese, queremos elevar nosso louvor ao Pai, bendizendo-o pelos gestos de partilha e doação de todos os dizimistas que contribuem para a evangelização e a caridade em nossa Igreja. Neste dia lembramos também, de forma especial, todos os motoristas, os trabalhadores rurais e nossos queridos avós. Alegres por fazermos parte da família de Deus.

ANO C – 25/07/2010 – 17º DOMINGO DO TEMPO COMUM “SENHOR, ENSINA-NOS A REZAR” (Lc 11,1c)
01. ACOLHIDA
Preparar o espaço celebrativo em sintonia com o encerramento do mês do dízimo: em local de destaque, arrumar um bonito coração, flores, o livro dos dizimistas, envelopes e outros materiais relacionados ao dízimo, os símbolos dos domingos anteriores (cesta com alimentos, remédios e agasalhos, materiais litúrgicos) e as faixas com as dimensões do dízimo (missionária, social e religiosa). Antes de iniciar a celebração, cantar o refrã o abaixo.
IRMÃS, VINDE À ORAÇÃO, IRMÃOS VINDE À ORAÇÃO (Ô, Ô, Ô).
Animador(a) – Irmãos e irmãs, sejam todos bem-vindos para celebrar o Mistério Pascal de nossa fé. Neste domingo, fazemos memória dos ensinamentos de Jesus a seus seguidores com a Oração do Pai Nosso. Confiantes na proteção divina, queremos celebrar a nossa fidelidade em fazer sempre a vontade de Deus, aqui na terra como nos céus.
Animador(a) – Encerrando o mês do dízimo em nossa Diocese, queremos elevar nosso louvor ao Pai, bendizendo-o pelos gestos de partilha e doação de todos os dizimistas que contribuem para a evangelização e a caridade em nossa Igreja. Neste dia lembramos também, de forma especial, todos os motoristas, os trabalhadores rurais e nossos queridos avós. Alegres por fazermos parte da família de Deus, cantemos.
Procissão de entrada como de costume.
02. CANTO INICIAL
NO MEIO DA TUA CASA RECEBEMOS, Ó DEUS, A TUA GRAÇA! SEM FIM, NOSSA LOUVAÇÃO, POIS A JUSTIÇA ESTÁ TODA EM TUAS MÃOS!
1. Alegrai-vos no Senhor! Quem é bom, venha louvar! Peguem logo o violão e o pandeiro pra tocar. Para ele um canto novo vamos, gente, improvisar!
2. Ele cumpre o que promete: podem nele confiar! Ele ama o que é direito e ele sabe bem julgar. Sua palavra fez o céu, fez a terra e fez o mar.
Presidente – Reunidos como filhos e filhas de Deus, façamos o sinal da nossa fé. EM NOME DO PAI…
Presidente – O Deus da esperança, que nos cumula de toda alegria e paz em nossa fé, pela ação do Espírito Santo, esteja convosco. BENDITO SEJA DEUS…
03. DEUS NOS PERDOA
Presidente – O Senhor, que nos convida à mesa da Palavra, nos chama à conversão. Reconheçamos ser pecadores e invoquemos com confiança a misericórdia do Pai. (pausa)
Presidente – Tende compaixão de nós, Senhor.
Todos – PORQUE SOMOS PECADORES.
Presidente – Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia.
Todos – E DAI-NOS A VOSSA SALVAÇÃO.
Presidente – Deus de bondade, tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna. AMÉM.
Senhor, piedade!
Ó Cristo, piedade!
Senhor, piedade de nós, Senhor!
04. ORAÇÃO
Presidente – Ó Pai, vós nos revelastes o segredo da oração filial de Cristo. Dai-nos seu Espírito para que, cheios de esperança, possamos evocar o vosso nome e crescer no testemunho do vosso amor. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. AMÉM.
 
Animador(a) – Na liturgia de hoje Deus nos convida a termos uma vida de oração e nos garante que todo aquele que pede, recebe. Ouçamos a Palavra que nos salva.
05. LEITURA DO LIVRO DO GÊNESIS (18,20-32)
06. SALMO RESPONSORIAL (137)
NAQUELE DIA EM QUE GRITEI, VÓS ME ESCUTASTES, Ó SENHOR! (bis)
– Ó Senhor, de coração eu vos dou graças, porque ouvistes as palavras dos meus lábios! Perante os vossos anjos vou cantar-vos e ante o vosso templo vou prostrar-me.
– Eu agradeço vosso amor, vossa verdade, porque fizestes muito mais que prometestes; naquele dia em que gritei, vós me escutastes e aumentastes o vigor da minha alma.
– Altíssimo é o Senhor, mas olha os pobres, e de longe reconhece os orgulhosos. Se no meio da desgraça eu caminhar, vós me fazeis tornar à vida novamente.
– Quando os meus perseguidores me atacarem e com ira investirem contra mim, estendereis o vosso braço em meu auxílio e havereis de me salvar com vossa destra.
– Completai em mim a obra começada; ó Senhor, vossa bondade é para sempre! Eu vos peço: não deixeis inacabada esta obra que fizeram vossas mãos!
07. LEITURA DA CARTA DE SÃO PAULO AOS COLOSSENSES (2,12-14)
08. CANTO DE ACLAMAÇÃO
ALELUIA, ALELUIA, ALELUIA, ALELUIA! (bis)
1. Peçam, que será dado, busquem e encontrarão. Sabe o Pai qual a precisão! Sabe o Pai qual a precisão!
09. PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO DE JESUS CRISTO SEGUNDO SÃO LUCAS (11,1-13)
10. PARTILHA DA PALAVRA
 
11. PROFISSÃO DE FÉ
Presidente – Professemos nossa fé no Deus que nos ama e nos faz irmãos. CREIO EM DEUS PAI…
12. PRECES DA COMUNIDADE
Presidente – Supliquemos a Deus, que por meio de Jesus, nos ensinou a rezar com uma oração digna Dele e de nós mesmos. Cantemos após cada prece: Ó SENHOR, SENHOR NESTE DIA,
ESCUTAI NOSSA PRECE.
– Senhor, fortalecei o Papa Bento XVI, os bispos, presbíteros, diáconos, religiosos e religiosas, leigos e leigas que estão a serviço da vossa Santa Igreja, para que saibam conduzir sua vida pelo caminho da oração e do perdão. Nós vos pedimos.
– Senhor, iluminai todos os nossos irmãos(as) que ainda não conhecem o poder da oração, para que sejam tocados pelo vosso amor e transformem suas vidas. Nós vos pedimos.
– Senhor, abençoai todos os trabalhadores rurais, os motoristas e os avós que hoje comemoram o seu dia, para que sejam fortalecidos em sua fé e protegidos dos perigos em seu trabalho cotidiano. Nós vos pedimos.
Presidente – Rezemos a Oração do Dizimista.
Senhor, fazei que eu seja um dizimista consciente. Que cada dízimo que eu der seja um verdadeiro agradecimento, um ato de amor, o reconhecimento de vossa bondade para comigo. Sei que tudo o que tenho vem de vós: paz, saúde, amor, prosperidade, bens… Ajudai-me a dar com generosidade e justiça. Tirai todo o egoísmo do meu coração. Que eu possa amar cada vez mais o meu irmão. Quero ser um instrumento de paz e amor em vossas mãos. Que o meu dízimo vos seja agradável, Senhor! Amém.
13. APRESENTAÇÃO DOS DONS
Animador(a) – Rezar é estar em comunhão com Deus e com os irmãos na súplica pelas necessidades da Igreja, da sociedade e de cada um de nós. Apresentemos ao Senhor a dedicação de todas as pessoas que se colocam a serviço do Reino e colaboram com o crescimento da Igreja por meio da oração e da contribuição mensal do dízimo na comunidade, para que na Igreja não faltem os meios para evangelizar e ajudar aos necessitados.
A equipe do dízimo entra com uma faixa bem legível escrita “Dimensão Missionária do Dízimo”, e os símbolos: sacola e sandália, enquanto se canta.
UNIDOS PELA FORÇA DA ORAÇÃO, UNGIDOS PELO ESPÍRITO DA MISSÃO, VAMOS JUNTOS CONSTRUIR UMA IGREJA EM AÇÃO. (2x)
14. CANTO DAS OFERENDAS
DÍZIMO É PARTILHA, AMOR, FÉ E DOAÇÃO, QUANDO DOU MEU DÍZIMO, DOU TAMBÉM MEU CORAÇÃO. (bis)
1. Dízimo é partilhar um pouco dos bens, ajudar sem-terra, sem-teto também. Com certeza é matar a fome de alguém. (bis)
2. Dízimo é ajudar minha comunidade a evangelizar campos e cidades. Revelar Jesus nas palavras da verdade. (bis)
3. Dízimo é um dever de todo cristão, é gesto concreto de estar em comunhão. Com caminhada de todos os irmãos. (bis)
4. Ao ser dizimista sim, posso dizer que tenho a graça de dar e receber. É este o milagre de dizimista ser. (bis)
15. MOMENTO DE LOUVOR
Presidente – Louvemos ao Senhor por todas as pessoas, grupos, entidades e comunidades que acolhem os irmãos com ternura e alegria.
Este canto é somente para Celebração da Palavra.
1. Viemos louvar ao Pai que nos conduz pela mão. Foi Ele que nos criou pra vivermos como irmãos.
GLÓRIA A DEUS, ALELUIA! PRA VIVERMOS COMO IRMÃOS! (bis)
2. E ao vosso santo Filho bendizemos com amor, sois toda nossa esperança o nosso Salvador.
GLÓRIA A DEUS, ALELUIA! AO NOSSO SALVADOR! (bis)
3. Glória ao Espírito Santo que é nossa fonte de luz. E guia nosso caminho ao encontro de Jesus.
GLÓRIA A DEUS, ALELUIA! AO ENCONTRO DE JESUS! (bis)
4. Glória ao Pai e glória ao Filho. Ao Espírito de luz, à Santíssima Trindade que a todos nós conduz.
GLÓRIA A DEUS, ALELUIA! QUE A TODOS NÓS CONDUZ! (bis)
 
16. PAI NOSSO
Presidente – Cantemos confiantes a oração que o Senhor nos ensinou.
PAI, PAI, PAI, PAI NOSSO QUE ESTAIS NO CÉU…
1. Santificado seja o vosso nome, venha a nós o vosso Reino, seja feita a vossa vontade, assim na terra como no Céu.
2. O pão nosso de cada dia nos dai hoje, perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido.
3. E não nos deixei cair em tentação, mas livrai-nos do mal.
17. ABRAÇO DA PAZ
Animador(a) – Como filhos e filhas do Deus da paz, saudemo-nos com um gesto de comunhão fraterna.
PAZ, PAZ, PAZ, EU TE DESEJO A PAZ E A LUZ. (bis) NÃO DO JEITO DO MUNDO, MAS DO JEITO DE JESUS. (bis)
1. Paz, paz, paz, eu te desejo a paz. Luz, luz, luz, eu te desejo a luz. (bis) Do jeito de Jesus.
18. CANTO DE COMUNHÃO (se houver)
1. Ninguém pode calar a voz, ninguém pode forjar a razão., ninguém pode conter de novo o grito do povo faminto de pão.
SE ENTRE NÓS JÁ EXISTE A PARTILHA ENTREMOS NA FILA DO AMOR COMUNHÃO. (bis)
2. Ó Senhor tantos braços fechados poderiam se abrir, dar as mãos! Quantos lábios tão mudos, cerrados não querem falar, defender o irmão.
3. Ó Senhor tantos trabalhadores e outros tantos sem ocupação esperando trabalho e salário, o pobre e operário a viver de ilusão.
4. Ó meu Deus, há mulheres sofrendo, há crianças na rua, sem pão e a Igreja se faz solidária na prece diária, convida à ação.
19. ORAÇÃO
Presidente – Ó Deus, celebrando os mistérios de vosso amor, reunidos ao redor da Mesa da Palavra (e da Comunhão), nos concedeis hoje participar dos frutos da salvação. Por Cristo, nosso Senhor. AMÉM.
 
20. NOTÍCIAS E AVISOS
A equipe de liturgia e a Pastoral do Dízimo podem preparar uma breve homenagem para os dizimistas e realizar uma confraternização no final da celebração.
21. BÊNÇÃO
Presidente – O Senhor vos abençoe e vos guarde. AMÉM.
– O Senhor faça brilhar sobre vós a sua face e vos seja favorável. AMÉM.
– O Senhor dirija para vós o seu olhar e vos dê a paz. AMÉM.
– Abençoe-vos o Deus todo-poderoso: PAI E FILHO E ESPÍRITO SANTO. AMÉM.
– Ide em paz e o Senhor vos acompanhe. GRAÇAS A DEUS.
22. CANTO FINAL
É O DIZIMO SENHOR QUE NOS MOSTRA COM CERTEZA GRATIDÃO AO CRIADOR, COMPROMISSO NA IGREJA. (bis)
1. Nada me falta em meu caminhar, o Senhor abençoa a quem aprendeu a partilhar. (bis)
2. Vem ser dizimista na comunidade, caminho seguro de verdadeira fraternidade. (bis)
PREPARANDO A PARTILHA DA PALAVRA
Há cristãos que se julgam esclarecidos e acham as orações de nosso povo muito egoístas, porque são quase sempre orações de pedido. Contudo, as leituras de hoje sublinham a importância da petição. Abraão quase salvou as cidades de Sodoma e Gomorra, com seus incansáveis pedidos. Infelizmente, as cidades eram ruins demais. Por seu lado, Jesus ensina aos discípulos o Pai Nosso, oração feita só de pedidos. Pede essencialmente que a vontade de Deus seja feita. Uma vez que rezamos conforme o desejo de Deus, podemos pedir bastante. Jesus até compara este modo de rezar com um freguês importuno: vence no cansaço! E, no fundo, Deus gosta de dar-nos suas dádivas boas, seu espírito, pois mesmo nós – que somos ruins – gostamos de dar coisa boa aos filhos. A oração de petição não é uma forma de oração mais egoísta que a meditação, a louvação, o agradecimento, a adoração… Na verdade, agradecer é a outra face do pedir. Quem agradece, gostou. Por que não pedir então? É reconhecer a bondade do doador! Conforme o espírito do Pai Nosso devemos pedir antes de tudo a realização daquilo que Deus deseja: sua vontade, seu Reino. Ora, uma vez assentada esta base, pode-se pedir – com toda a simplicidade – o pão de cada dia, saúde, vida e todos os demais dons que Deus nos prepara. Inclusive, o perdão de nossas faltas. Mas não se
deve pedir a Deus o que Deus não pode desejar: a satisfação de nosso egoísmo. E sempre se deve pensar que Deus sabe melhor do que nós o que nos convém. Podemos insistir naquilo que achamos sinceramente nosso bem… mas Deus sabe melhor. É importante pedirmos. Compromete! Depois de ter pedido, a gente já não pode dizer: “Não pedi!” Comprometemo-nos com Deus e com aquilo que pedimos. Não é como no supermercado, onde você entra, olha e sai sem comprar. É como no armazém da esquina, onde você pede o que deseja e, caso tiver, você compra. Assim as preces dos fiéis, na missa ou culto, devem ter sentido de compromisso: devemos querer mesmo que elas se realizem e oferecermo-nos a Deus, para sermos os instrumentos da realização de nossos pedidos.

DIMENSÃO MISSIONÁRIA DO DÍZIMO
O dízimo deve levar a minha comunidade toda a ser sinal de salvação. Todos nós que somos batizados, somos missionários, diz o Vaticano II. Quando eu contribuo para que a comunidade possa desenvolver um trabalho pastoral eficiente, uma catequese eficaz, para que possa preparar catequistas, animadores de comunidades, missionários para evangelizar em outros lugares, meu dízimo assume a dimensão missionária. Quando eu ajudo minha comunidade a preparar e enviar missionários, sou eu que envio. Contribuindo na minha comunidade, estou contribuindo com a Igreja toda, porque parte de tudo é encaminhado à diocese, e o bispo de cada diocese se encarrega de estabelecer a comunhão universal, participando dos projetos de solidariedade com outras dioceses e com a Igreja toda. Com o nosso dízimo contribuímos também com a nossa Igreja Irmã, a Diocese de Marabá no Pará, onde existe uma carência muito grande de missionários e missionárias e recursos materiais para a evangelização.

LEITURAS DA SEMANA:
2ª feira: Jr 13,1-11; Dt 32,18-21; Mt 13,31-35
3ª feira: Jr 14,17-22; Sl 78; Mt 13,36-43
4ª feira: Jr 15,10.16-21; Sl 58; Mt 13,44-46
5ª feira: Jr 18,1-6; Sl 145; Jo 11,19-27
6ª feira: Jr 26,1-9; Sl 68; Mt 13,54-58
Sábado: Jr 26,11-16.24; Sl 68; Mt 14,1-12
Domingo: Ecl 1,2; 2,21-23; Sl 89; Cl 3,1-5.9-11; Lc 12,13-21

XVII DOMINGO DO TEMPO COMUM  COR VERDE            CICLO C        ANO IMPAR   25 de Julho de 2010. 
 “JESUS ENSINA A ORAR”
Irmãos e irmãs, Deus habita em seu templo santo e nos une como filhos e filhas para celebrar. Neste domingo, somos instruídos sobre o valor e a importância da oração. Na eucaristia descobrimos o rosto do Pai, que sempre se mostra favorável quando pedimos com fé e perseverança. Iniciemos nossa celebração, cantando.  
Ato Penitencial:  O Senhor, que nos convida à mesa da Palavra, nos chama à conversão. Reconheçamos ser pecadores e invoquemos com confiança a misericórdia do Pai. Cantando.
Glória: Quando o pão é partilhado passa a ter gosto de amor. Pelas pessoas que partilham seu tempo, seus dons e seus bens, glorifiquemos a Deus pela vida que fazem acontecer. Cantemos.
Entrada da Bíblia:Acolhemos a escritura sagrada que nos revela o amor de Deus, e que nos indica caminhos de solidariedade e comunhão. Cantando.
Liturgia da Palavra:  1ª Leitura: (Gn 18, 20-32)   Abraão com suas dúvidas e inquietações percebe que a verdadeira oração é um diálogo “face a face”.  (in Dehonianos)   
Salmo: Sl  137(138)  “Naquele dia em que gritei, vós me escutastes, ó Senhor!”  
2ª Leitura:  (Cl  2, 12-14)  Na reflexão sobre a oração, podemos dizer que Cristo tem de ser a referência e o modelo do Cristão que reza.
Evangelho: (Lc 11, 1-13)  Com Jesus, o Cristão é convidado a descobrir em Deus “o Pai” e a dialogar freqüentemente com ele acerca desse mundo novo que o Deus/Pai quer oferecer aos homens.
Aclamação ao Evangelho:  Aclamemos a boa nova cantando….  
Preces da Comunidade:
Ofertório: – Rezar é estar em comunhão com Deus e com os irmãos na súplica pelas necessidades da Igreja. Apresentemos ao Senhor a dedicação de todas as pessoas que se colocam a serviço do Reino e colaboram com o crescimento da Igreja por meio da oração.    (motivar a oferta) Cantando….
Comunhão:  No altar da Eucaristia o Senhor nos ensina que o amor é verdadeiro quando há vida a se doar. Vamos repartindo a palavra e o pão e assim os milagres acontecerão. Cantemos.
Mensagem Final:   Uma vez que rezamos conforme o desejo de Deus, podemos pedir bastante. Jesus até compara este modo de rezar com um freguês importuno: vence no cansaço! E, no fundo, Deus gosta de dar-nos suas dádivas boas, seu espírito, pois mesmo nós – que somos ruins – gostamos de dar coisa boa aos filhos. A oração de petição não é uma forma de oração mais egoísta que a meditação, a louvação, o agradecimento, a adoração… Na verdade, agradecer é a outra face do pedir. Quem agradece, gostou. Por que não pedir então? É reconhecer a bondade do doador! Conforme o espírito do Pai Nosso devemos pedir antes de tudo a realização daquilo que Deus deseja: sua vontade, seu Reino. Ora, uma vez assentada esta base, pode-se pedir – com toda a simplicidade – o pão de cada dia, saúde, vida e todos os demais dons que Deus nos prepara. Inclusive, o perdão de nossas faltas

Você pode Gostar de:

17º Domingo do Tempo Comum (24.07)

Ano C – cor verde – 24/07/2022 1. Saudação Presidente – Irmãos e irmãs, sejam …