Página Inicial / Animação Litúrgica / 29º Domingo do Tempo Comum

29º Domingo do Tempo Comum

 Ano C – XXIII – Nº 1416 – 29º Domingo do Tempo Comum – cor verde – 20/10/2013
A ORAÇÃO PERMANENTE FORTALECE A NOSSA FÉ
Dia Mundial das Missões
01. ACOLHIDA
Preparar em lugar apropriado um painel contendo o tema do mês missionário, as cores dos cinco continentes, nomes ou figuras de missionários(as). Para iniciar a celebração, cantar de forma orante o refrão meditativo.
O Senhor me chamou e eu respondi: “eis-me aqui!” O Senhor me chamou e eu respondi: “eis-me aqui, Senhor!”
Animador(a) – Meus irmãos e irmãs em Cristo, é com grande alegria que nos reunimos para celebrar o mistério de nossa fé, neste dia em que o Senhor nos convida a uma adesão profunda e pessoal a Jesus Cristo cultivada pela oração fervorosa e permanente. Hoje, Dia Mundial das Missões, lembremos de todos os padres, religiosos e religiosas, leigos e leigas que doam suas vidas servindo a Deus e aos irmãos, em nosso país e em terras distantes. Em comunhão com todos os cristãos que celebram o Dia do Senhor, cantemos.
Procissão de entrada como de costume.
02. CANTO INICIAL
1 – Conhecer Jesus, Verbo da vida, amando-o em cada irmão, seguir os seus passos e exemplos. Anunciá-lo é nossa missão. Mar bravio e ventos contrários não fizeram calar sua voz. É o Caminho, a Verdade e a Vida que encanta a todos nós. (bis)
Igreja Samaritana a serviço da vida.
2 – Uma Igreja Samaritana, vê o caído e tem compaixão, aproxima-se, o acolhe e o liberta do preconceito e de toda exclusão. Nova Igreja onde renasça a esperança, que fascina a cada cristão, sob o olhar da Mãe da Saúde, a serviço da vida e missão. (bis)
Presidente – Reunidos como família de Deus, façamos o sinal de nossa fé, cantando. (à escolha)
Presidente – O Deus da esperança, que nos cumula de toda alegria e paz em nossa fé, pela ação do Espírito Santo, esteja convosco. Bendito seja Deus…
03. DEUS NOS PERDOA
Presidente – Em Jesus Cristo, o justo que intercede por nós e nos reconcilia com o Pai, abramos o nosso coração ao arrependimento. (pausa) Confessemos os nossos pecados.
Confesso a Deus todo poderoso e a vós, irmãos e irmãs, que pequei muitas vezes, por pensamentos e palavras, atos e omissões, por minha culpa, minha tão grande culpa, e peço à Virgem Maria, aos anjos e santos, e a vós, irmãos e irmãs, que rogueis por mim a Deus nosso Senhor.
Presidente – Deus, Pai amoroso, tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna. Amém.
Senhor, piedade!
Ó Cristo, piedade!
Senhor, piedade de nós, Senhor!
HINO DE LOUVOR
04. ORAÇÃO
Presidente – Ó Deus, que sempre escutais aqueles que vos invocam, dai aos vossos filhos e filhas, que clamam por vós dia e noite, a vitória da salvação esperada. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.
05. APRESENTAÇÃO DO LIVRO DA PALAVRA
Desça como a chuva a tua Palavra, que se espalhe como orvalho, como chuvisco na relva, como aguaceiro na grama. Amém!
06. LEITURA DO LIVRO DO ÊXODO (17, 8-13)
07. SALMO RESPONSORIAL (120)
Do Senhor é que me vem o meu socorro, do Senhor que fez o céu e fez a terra.
– Eu levanto os meus olhos para os montes: de onde pode vir o meu socorro? “Do Senhor é que me vem o meu socorro, do Senhor que fez o céu e fez a terra!”
– Ele não deixa tropeçarem os meus pés, e não dorme quem te guarda e te vigia. Oh! Não! Ele não dorme nem cochila, aquele que é o guarda de Israel!
– O Senhor é o teu guarda, o teu vigia, é uma sombra protetora à tua direita. Não vai ferir-te o sol durante o dia, nem a lua através de toda a noite.
– O Senhor te guardará de todo o mal, Ele mesmo vai cuidar da tua vida! Deus te guarda na partida e na chegada. Ele te guarda desde agora e para sempre!
08. LEITURA DA SEGUNDA CARTA DE SÃO PAULO A TIMÓTEO (3, 14–4,2)
09. CANTO DE ACLAMAÇÃO
Aleluia, Aleluia, Aleluia. (bis)
1 – A Palavra de Deus é viva e eficaz, em suas ações; penetrando os sentimentos, vai ao íntimo dos corações.
10. PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO DE JESUS CRISTO SEGUNDO SÃO LUCAS (18, 1-8)
11. PARTILHA DA PALAVRA
12. PROFISSÃO DE FÉ
Presidente – Ao Deus justo e bondoso professemos a nossa fé. Creio em Deus Pai…
13. PRECES DA COMUNIDADE
Presidente – Ao Pai que ouve e atende os nossos pedidos supliquemos confiantes. Ó Senhor, escutai a nossa prece.
– Senhor, iluminai a Vossa Igreja para que o Papa, os bispos, padres, diáconos, leigos e leigas, nunca se deixem abater diante das perseguições que afetam sua missão evangelizadora. Nós vos pedimos.
– Senhor, abençoai nossas autoridades, a quem compete fazer justiça aos pobres e indefesos, para que sejam justos em suas decisões. Nós vos pedimos.
– Senhor, encorajai nossas comunidades para que sejam fiéis à escuta da Vossa Palavra e perseverantes na ação e na oração. Nós vos pedimos.
-Senhor, derramai vossas bênçãos sobre a Paróquia Bem-Aventurado João Paulo II de Linhares, que celebra sua festa, para que aumente a fé e a união entre seus membros. Nós vos pedimos.
Presidente – Rezemos juntos a Oração Missionária.
Senhor, a Jeremias que resistia ao teu chamado por ser ainda jovem, Tu respondeste: a quem eu te enviar, irás, eu estou contigo. Apesar de nossas limitações, envia-nos! Dá-nos o teu Espírito que realiza em nós a tua Palavra e nos torna missionários e profetas do Reino. Amém.
14. APRESENTAÇÃO DOS DONS
Animador(a) – Hoje Jesus nos recomenda a perseverança na oração diária como fonte de ação de graças e fortalecimento da nossa missão. O discípulo é alguém chamado por Jesus Cristo para com Ele conviver, participar de sua vida, unir-se à sua pessoa e aderir à sua missão, colaborando com ela. Apresentemos ao altar do Senhor a nossa disponibilidade em testemunhar e anunciar Jesus Cristo assim como a vida de todas as pessoas que realizam sua missão batismal na família, na comunidade e na sociedade.
Representantes do COMIPA (Conselho Missionário e Paroquial) e Infância Missionária (onde houver), apresentam o Projeto Diocesano de Evangelização, enquanto se canta.
Evangelizar, proclamando a Boa-Nova. Quero servir, dialogar, anunciar. Somos teu povo, Senhor, testemunhar teu amor é missão de cada um de nós. (Bis)
15. CANTO DAS OFERENDAS
(onde houver Celebração da Palavra)
1 – Eu te ofereço o meu viver, o meu agir, meu pensamento. A minha força, minha fraqueza, eu fui chamado para a doação.
Neste ofertório renovarei o meu desejo de servir. Mesmo sabendo que nada sou eis-me Senhor, aqui estou!
2 – Quem me seguir terá que sofrer tomar a cruz e ser pregado. A cruz sem ti quem vai suportar? Porém contigo não é nada.
(onde houver Celebração Eucarística)
1 – A fé é compromisso que é preciso repartir, em terra bem distantes ou em nosso próprio lar. Nós somos missionários: eis a nossa vocação. Jesus convida a todos, ai de mim se eu me calar.
Nesta mesa, ó Senhor, apresentamos pão e vinho, dons da terra e do trabalho. Pela Igreja missionária vos louvamos. Vede a messe que precisa de operários.
2 – Há muitos consagrados anunciando sem temer, e tantos perseguidos dando a vida pela fé. Mas quem faz de sua vida um sinal de comunhão também dá testemunho, nos convida à conversão.
17. PAI NOSSO
Presidente – Inspirados na Palavra de Jesus, ousamos proclamar.
Pai nosso que estais no céu, santificado seja o vosso nome, venha a nós o vosso Reino; seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu! O pão nosso de cada dia nos dai hoje, perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal!
18. ABRAÇO DA PAZ
Animador(a) – Como filhos e filhas do Deus da paz, saudemo-nos com um gesto fraterno.
Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz!
1 – Onde houver ódio, que eu leve o amor. Onde houver ofensa, que eu leve o perdão. Onde houver discórdia, que eu leve a união. Onde houver dúvida, que eu leve a fé. Onde houver erro, que eu leve a verdade. Onde houver desespero, que eu leve a esperança. Onde houver tristeza, que eu leve a alegria. Onde houver trevas, que eu leve a luz.
2 – Ó Mestre! Fazei que eu procure mais, consolar que ser consolado, compreender que ser compreendido. Amar, que ser amado. Pois é dando que se recebe. É perdoando que se é perdoado. E é morrendo que se vive para a vida eterna.
19. CANTO DE COMUNHÃO (se houver)
1 – Se a missão se faz cansaço, Jesus convida a descansar, e se há ovelhas sem pastor é necessário delas cuidar.
“Dai-lhes vós mesmos de comer” o meu corpo que se faz pão. Diz Jesus a seus amigos partilhar é vocação! Partilhar é vocação!
2 – E se a hora vai adiantada e despedir se faz tentação, a nossa fé seja mais forte para servir nossos irmãos.
3 – A quem duvida do seu pouco, Jesus pergunta: o que tens? Vai ver! Então responda: Senhor, este pouco partilhando tu fazes crescer.
4 – E se nos sentamos sobre a relva a qual nos conduz o Bom Pastor, nossa união expresse sempre o pão de Deus, sinal de amor.
20. ORAÇÃO
Presidente – Bendito sejais, Senhor nosso Deus, pelo pão da Palavra (e da Comunhão) que alegra nossas vidas e nos renova na aliança do vosso amor. Ajudai-nos a sermos perseverantes na oração e a sempre encontrar razões para o nosso trabalho e em tudo o que vivermos. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.
21. NOTÍCIAS E AVISOS
No próximo domingo estaremos comemorando o Dia Nacional da Juventude. Participe!
22. BÊNÇÃO
Presidente – O Deus Pai, que em Jesus manifestou a solidariedade e a caridade, vos faça mensageiros do Evangelho e testemunhas do vosso amor no mundo. Amém.
– O Senhor Jesus que prometeu a sua Igreja estar a seu lado até o fim dos tempos, dirija os vossos passos e confirme as vossas palavras. Amém.
– O Espírito Santo esteja sobre vós, para que, percorrendo os caminhos do mundo, possais evangelizar os pobres, dar vista aos cegos, e curar os corações humilhados e contritos. Amém.
– Abençoe-vos Deus todo-poderoso: Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.
– Ide em paz e o Senhor vos acompanhe. Graças a Deus.
23. CANTO FINAL
Vai, vai, missionário do Senhor, vai trabalhar na messe com ardor. Cristo também chegou pra anunciar, não tenhas medo de evangelizar!
1 – Se és cristão, és também comprometido, chamado foste tu e também foste escolhido pra construção do Reino do Senhor. Vai, meu irmão, sem reserva e sem temor.
PARTILHA DA PALAVRA
O texto do Êxodo e o de Lucas têm grande relação. Através deles emerge a imagem de um Deus diferente daquele que às vezes imaginamos. O Deus da Bíblia não é ocioso ou desinteressado pelos seres humanos. É um Deus associado com a tarefa criativa e renovadora da humanidade. Devemos ter a mesma consciência que o povo judaico retratado na primeira leitura: os triunfos e sucessos que temos na vida não se devem às nossas forças, mas à ajuda e ao poder do Senhor. Esta ajuda representa a ação de Deus em nossa vida cotidiana. No entanto, ela só acontece se – como Moisés – estivermos com as mãos erguidas para o alto. Normalmente é nessa posição que rezamos a oração das orações: o Pai Nosso. Colocar as mãos ao alto é fiar-se totalmente em Deus. Quem está com as mãos ao alto está indefeso, desarmado, frágil e vulnerável. É essa a atitude da pessoa orante: ela desarma-se, voluntariamente, de suas forças para confiar na força de Deus. O testemunho apostólico de Paulo a Timóteo é fundamento de sua fé. Cremos naquilo que recebemos. Os apóstolos creram naquele que esteve com eles – no caso de Paulo, que apareceu a ele como Ressuscitado. Se acreditamos, de fato, na necessidade da fé em Cristo Jesus para a salvação da humanidade, nunca podemos nos dar por satisfeitos com nossa missão: ela sempre deve avançar, para que a Palavra chegue a todos os confins da terra. Paulo pede, com insistência, evocando Nosso Senhor, que Timóteo proclame a Palavra e faça com que as pessoas conformem sua vida a ela. Além disso, Paulo manda insistir, argumentar, repreender e aconselhar, mas sempre com paciência – nunca à força – e doutrina – sem desvirtuar o sentido do que se anuncia. O Evangelho apresenta uma pergunta importante: o que pedimos a Deus na oração? O que falamos com ele quando rezamos? Muitas vezes nossa oração é uma ladainha de problemas nossos que apresentamos a Deus, pedindo que ele os resolva logo. O modelo de oração que Jesus nos propõe é mais amplo: colocar a vida nas mãos de Deus, como a viúva colocou sua causa – que era para ela fundamental – nas mãos do juiz. Para que a oração recitada por nossos lábios seja autêntica, tem que ser a expressão de nossa maneira real de sermos cristãos. Só quando o ser humano, vencidas todas as autossuficiências, sente-se existencial e realmente dependente de Deus, só então está em condições de poder exteriorizar honestamente sua própria realidade, sua necessidade de Deus. Ao mesmo tempo, orar é aceitar-nos a nós mesmos, reconhecer e fazer tudo quanto podemos realizar com a graça de Deus. Por isso, rezamos na medida em que nos esforçamos para viver a vontade de Deus.
LEITURAS DA SEMANA
2ª feira: Rm 4,20-25; Lc 1,69-75; Lc 12,13-21
3ª feira: Rm 5,12.15b.17-19.20b-21; Sl 39; Lc 12,35-38
4ª feira: Rm 6,12-18; Sl 123; Lc 12,39-48
5ª feira: Rm 6,19-23; Sl 1; Lc 12,49-53
6ª feira: Rm 7,18-25a; Sl 118; Lc 12,54-59
Sábado: Rm 8,1-11; Sl 23; Lc 13,1-9
Domingo: Eclo 35,12-14.16-18; Sl 33; 2Tm 4,6-8.16-18; Lc 18,9-14

Você pode Gostar de:

27º Domingo do Tempo Comum (02.10)

Ano C – cor verde – 02/10/2022 1. Saudação Presidente – Sejam bem-vindos, todos que …