Página Inicial / Notícias / Canonização Beato Papa João Paulo II

Canonização Beato Papa João Paulo II

Foto: João Paulo II será canonizado no dia 27 de abril de 2014. Foi definida, hoje, após um consistório ordinário, a data de canonização do beato Papa João Paulo II. O Papa Francisco decretou que ela deve acontecer no dia 27 de abril de 2014, celebração do 2º domingo da Páscoa e da Divina Misericórdia. O dia para elevar o grande João Paulo II à honra da santidade não poderia ser mais apropriado. Afinal, foi em um sábado, 2 de abril, véspera da festa da Divina Misericórdia, que o bem-aventurado foi levado para junto de Deus e de Maria Santíssima. Um presente do Céu ao Pontífice que, em vida, foi um ardoroso apóstolo da misericórdia divina. De fato, em 1980, ainda no início de seu reinado, João Paulo II publicou uma encíclica especialmente dedicada ao tema da misericórdia. Na carta Dives in Misericordia, Sua Santidade recordou a grandeza do amor de Deus, que se fez carne, abaixou-se à condição humana, quando o homem ainda era escravo do pecado:

João Paulo II será canonizado no dia 27 de abril de 2014.
Foi definida, hoje, após um consistório ordinário, a data de canonização do beato Papa João Paulo II. O Papa Francisco decretou que ela deve acontecer no dia 27 de abril de 2014, celebração do 2º domingo da Páscoa e da Divina Misericórdia.
O dia para elevar o grande João Paulo II à honra da santidade não poderia ser mais apropriado. Afinal, foi em um sábado, 2 de abril, véspera da festa da Divina Misericórdia, que o bem-aventurado foi levado para junto de Deus e de Maria Santíssima. Um presente do Céu ao Pontífice que, em vida, foi um ardoroso apóstolo da misericórdia divina.

De fato, em 1980, ainda no início de seu reinado, João Paulo II publicou uma encíclica especialmente dedicada ao tema da misericórdia. Na carta Dives in Misericordia, Sua Santidade recordou a grandeza do amor de Deus, que se fez carne, abaixou-se à condição humana, quando o homem ainda era escravo do pecado: "Eis aqui uma prova brilhante de amor de Deus por nós: quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós" (Rm 5, . O Papa Wojtyla escreve que "o amor condiciona (…) a justiça; e, em última análise, a justiça serve a caridade". Ou seja, ao invés de receber aquilo que merecia por seu pecado, a saber, a danação eterna e a privação de Deus, o Senhor quer que todos se salvem (cf. 1 Tm 2, 4). Ele ama o homem e manifesta-lhe "o primado e a superioridade do amor em relação à justiça": a Sua misericórdia.

Um ano depois, no dia de Nossa Senhora de Fátima, o Papa enfrentaria um dos momentos mais difíceis de seu pontificado: Ali Agca, um terrorista turco, baleou o Santo Padre, deixando-o gravemente ferido. João Paulo II era chamado a experimentar com mais força a misericórdia de Deus e a transmiti-la àquele que tinha tentado assassiná-lo: em 1983, ele visitou o atirador e ofereceu-lhe o seu perdão. Os jornais do mundo inteiro repercutiram a notícia e as pessoas falavam da bondade do sucessor de São Pedro que, obediente à palavra de Cristo, decidira perdoar até setenta vezes sete (cf. Mt 18, 21).

João Paulo II foi o Papa que derrotou o comunismo na União Soviética e no leste da Europa; foi o Papa da "Teologia do Corpo", a resposta mais efetiva da fé cristã à malfadada "ideologia de gênero", que procura subverter a própria ordem da criação divina; foi o Papa da Evangelium Vitae, a combativa encíclica que reafirmou a inviolabilidade da vida humana frente aos avanços da ciência moderna; da Fides et Ratio, que desmentiu a farsa de que fé e razão seriam opostas ou inimigas; da Ecclesia de Eucharistia, que recordou o primado da fé eucarística na Igreja e denunciou os abusos que se faziam – e ainda se fazem – na celebração deste sacramento…

No entanto, jamais compreenderá totalmente a personalidade, o carisma e o pontificado de João Paulo II quem ignorar que este foi um homem profundamente devoto de Nossa Senhora. Tão forte era sua ligação com a Virgem Santíssima que Wojtyla atribuíra a ela a sua salvação, após o atentado terrorista que quase o matou prematuramente. Sua Santidade era consagrado a Maria pelo método de São Luís Maria Grignion de Montfort: o seu pontificado era, em última instância, o reinado da Mãe de Jesus, a quem ele se dirigia com o belo lema "Totus tuus – Todo teu".

A sua beatificação e canonização tão rápidas certamente são obras de Maria, que quer apressar no mundo o triunfo do Seu Imaculado Coração. A Igreja espera ansiosamente o dia 27 de abril, para celebrar com mais ênfase o mistério da comunhão dos santos e a santidade deste grande Papa que foi João de Deus. Bem-aventurado João Paulo II, rogai por nós!

Por Equipe Christo Nihil Praeponere

http://www.padrepauloricardo.org/

Você pode Gostar de:

Simpósio de Formação Ecumênica 2023

A Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da Conferência Nacional dos …