Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Solenidade de todos os Santos e Santas de Deus

Solenidade de todos os Santos e Santas de Deus

LITURGIA – Solenidade de todos os Santos e Santas de Deus – 01.11.2015

Alegremo-nos todos celebrando a Festa de todos os Santos!

1.Acolhida.
Celebremos a Festa de todos os Santos! Certamente, incontáveis, e entre eles, com certeza, muitos que nós nem imaginamos! Eles lá estão porque lavaram e alvejaram suas vestes no Sangue do Cordeiro. Quem os santificou é o próprio Jesus com seu Sangue, derramado na Cruz!

2.Palavra de Deus.
Ap 7,2-14 – Os cristãos não adoram Santos; mas, alegram-se com eles porque foram salvos pelo Sangue do Cordeiro, Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador. Esta “multidão veio da grande tribulação e lavaram e alvejaram suas roupas no Sangue do Cordeiro”.

1Jo 3,1-3 – Os cristãos já vivem na terra a dignidade de filho de Deus; mas ela será revelada quando o Senhor se manifestar, isto é, na hora de nossa morte: então, seremos semelhantes a Ele e o veremos como Ele é!

Mt 5,1-12 – Jesus, cercado por uma grande multidão, subiu a montanha, sentou-se, como um mestre, e começou a ensinar ditando as Normas da Nova Aliança. As Bem-Aventuranças são o jeito de Jesus viver, agora, repassado para seus discípulos. Ouçamos, atentamente, sua proclamação!

3.Reflexão.
Celebrar a “Festa de todos os Santos” não significa invocar a multidão dos Santos que já está na glória celestial, mas significa celebrar o “Mistério da Comunhão com todos os Santos!” Celebrar os laços de unidade profunda entre os discípulos de Jesus, ainda peregrinos sobre a terra, e os discípulos já glorificados pelo Senhor na eternidade. Celebrar a Festa de todos os Santos é celebrar o Mistério da Comunhão dos Santos (que professamos no Creio em Deus Pai!).

Na primeira leitura recordamos a multidão incontável que já passou pela tribulação e que já está na glória celestial, purificada pelo Sangue do Cordeiro (Igreja triunfante); e no Evangelho recordamos a multidão dos peregrinos, que caminha na esperança e que vai sendo purificada pelo Sangue do Cordeiro (Igreja peregrina). Hoje celebramos esta comunhão no mistério, amanhã esperamos celebrá-la na gloria! Há também a Igreja padecente, que, ainda, não está purificada e pronta para entrar na glória.

Este mistério de Comunhão é o desdobramento da realidade que já trazemos em nosso íntimo: Somos, realmente, filhos adotivos de Deus, redimidos pelo Sangue de Cristo, e a caminho da revelação definitiva, quando veremos o “mistério deste amor divino” com toda a clareza! Diz-nos o Apóstolo João: “Caríssimos, desde já somos filhos de Deus, mas não se manifestou ainda o que haveremos de ser. Sabemos que, quando isso se manifestar, seremos semelhantes a Deus, porquanto o veremos como Ele é” (1Jo 3,2-3). Já somos filhos de Deus, mas precisamos ser fiéis à graça e viver de acordo com esta dignidade. O Papa Leão Magno dizia: “Recorda-te, ó cristão, de tua dignidade e vive de acordo com ela!”.

Mais do que os santos de nossa devoção, devemos recordar e celebrar o “Mistério da Comunhão dos Santos” – a grande família que Deus vai construindo até alcançar a plenitude do Projeto divino. Somos a Família de Deus a caminho da glória celestial. Quanto mais estreitarmos laços de fraternidade, mais próximos do Plano de Deus.

“Creio na Comunhão dos Santos”

Frei Carlos Zagonel
Fonte: http://www.paroquiansacoxipo.com.br/conteudo.php?sid=44&cid=3463

Você pode Gostar de:

Liturgia – 5º Domingo da Quaresma 21.03.2021.

“GOSTARIAMOS DE VER (CONHECER) A JESUS!” 1.Acolhida Até os gregos querem conhecer Jesus! No íntimo …