Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Liturgia – Solenidade de Cristo Rei

Liturgia – Solenidade de Cristo Rei

LITURGIA – FESTA DE CRISTO REI – 22 de novembro de 2015

“O meu reino não é deste mundo!”.

1.Acolhida.
Encerramos, hoje, o “Ano Litúrgico” de 2015, com a celebração da Festa de Cristo Rei do universo. Jesus garante ao Governador Pilatos que Ele é Rei, mas seu Reino não é deste mundo! Os reinos deste mundo se baseiam na violência, na força e no orgulho de mandar! Jesus não veio para mandar, mas para servir, não veio para roubar reinos temporais, mas veio para garantir-nos o Reino do céu! Glorifiquemos, hoje, Jesus Cristo. Ele é, de fato, o Senhor!

2.Palavra de Deus.
Dn 7,13-14 – O profeta Daniel descreve, em linguagem secreta, o sofrimento do Povo de Israel perseguido pelos poderosos impérios dos Babilônios, dos Medos e dos Persas. O simbolismo das feras é entendido, apenas, por aqueles que sofrem com sua violência. O Povo de Israel, representado pelo personagem, que vem sobre as nuvens, é perseguido pelos poderosos, mas amigo de Deus, que vai libertá-lo.
Ap 1,5-8 – Os cristãos, marcados para morrer no Império romano, precisavam de consolo e de confiança no poder de Jesus Libertador. Ele vai libertá-los e introduzi-los no Reino como sacerdotes, reis e profetas na Nova Terra.
Jo 18,33-37 – Jesus foi entregue ao poder de Pilatos como um ambicioso subversivo à procura de poder. Jesus não rouba reinos da terra, mas dá a vida eterna a seus discípulos.

3.Reflexão.
Jesus é mesmo o “Rei do Universo”, mas o seu reino não é como os reinos deste mundo. Jesus não rouba reinos de ninguém, mas dá o Reino dos Céus a todos aqueles que seguem sua proposta. Não é reino que escraviza, mas é reino que liberta do pecado e da morte. Mas, que é pecado e de que morte Ele nos liberta?
A Festa litúrgica de Cristo Rei não sugere ambição de poder e dominação, mas apela para a missão evangelizadora de Seus discípulos. Eles devem conquistar e fazer discípulos de todos os povos. Devem conquistá-los, batizá-los e ensiná-los a observar seus mandamentos. Jesus não ambiciona reinos deste mundo – reinos de violência – mas o Reino de seu Pai para a salvação e libertação do pecado e da morte eterna.
Jesus veio para servir e seus discípulos devem ser servidores! Os poderosos deste mundo escravizam e sufocam o povo com impostos e com forças militares e, ainda, querem aparecer como benfeitores da nação! O Reino de Jesus não é deste estilo. De quais opressões Jesus nos liberta?  Talvez, fosse mais acertado perguntar-nos de quais dominações precisamos ser libertados para viver em paz?
Jesus veio dar testemunho da verdade, ou seja: Ele comprova a fidelidade inquebrantável de nosso Deus à sua Aliança de amor para com a criatura humana. É no sofrimento e na cruz que o amor misericordioso de nosso Deus encontra sua concretização histórica e final da fidelidade de Deus ao longo dos tempos. Testemunho do amor fiel de nosso Deus! Diante da Cruz de Jesus não pode haver lugar para o desespero! Apenas alegria da salvação! Somos salvos pela Cruz de nosso Rei, Jesus!
Reconhecer o “Reinado de Cristo” não significa dependência; pelo contrário, significa libertação e certeza do amor infinito de nosso Deus por cada um de nós. Não tenhamos receio ou medo de entregar nossa vida ao Rei Jesus. Ele é nosso Salvador!

Jesus é o Rei do Universo e sua vinda será para fazer justiça aos sofredores deste mundo!
Ele é o Senhor para a maior glória de Deus!

Frei Carlos Zagonel
Fonte: http://www.paroquiansacoxipo.com.br/conteudo.php?sid=44&cid=3505

Você pode Gostar de:

Liturgia da Festa de São Pedro e São Paulo 04.07.2021

“TU ÉS PEDRO E SOBRE ESTA PEDRA,CONSTRUIREI A MINHA IGREJA”. 1.Acolhida A Igreja católica celebra …