Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Liturgia 28º Domingo Comum

Liturgia 28º Domingo Comum

LITURGIA – 28º. DOMINGO COMUM – 09.10.2016.

“Não foram dez os curados? E os outros nove, onde estão? Só voltou o samaritano?”
1.Acolhida
Celebremos com fé e devoção o Mistério da Eucaristia dominical; para nós, ela é Palavra que ilumina e Alimento que cura! É o Pão descido dos céus e o Remédio que cura nossas enfermidades espirituais e, inclusive, corporais!
Nesta celebração dominical, a Palavra revela-nos o caminho para chegar até o poder de Deus – o caminho da simplicidade e, principalmente, da humildade! Deus não precisa de ritos solenes e, muito menos, de um coração orgulhoso. O Deus de Jesus Cristo não precisa de promessas e nem de pagamentos! Ele quer um coração contrito e humilde que lhe deixe espaço para manifestar seu poder e sua misericórdia
2.Palavra de Deus.
2Rs 5,14-17 – Um general assírio, leproso vai à procura de cura junto a Eliseu, profeta judeu. O doente, general do exército assírio, esperava um atendimento solene, condizente com seu “status” militar! Mas, Eliseu, o profeta, mandou seu empregado dizer ao geral que fosse banhar-se por sete vezes nas águas do pequeno rio Jordão! Revoltou-se e já tomou o caminho de volta para sua terra! Aconselhado por seus secretários, obedeceu e foi curado!
2Tm 2,8-13 – Paulo está preso, mas a Palavra de Deus continua livre anunciando Jesus Cristo, morto e ressuscitado e garantia da vitória final. Paulo aconselha seu discípulo, Timóteo, dizendo: “Lembra-te de Jesus Cristo, morto e ressuscitado, segundo o meu Evangelho (…). É por causa d´Ele que eu estou preso como um malfeitor! Mas, se com Ele morremos, com Ele viveremos e reinaremos!”.
Lc 117, 11-19 – Jesus curou dez leprosos, mas apenas um voltou para agradecer e este era um samaritano, considerado herege pelos judeus! A gratidão nas relações com Deus é um sinal de autenticidade e de humildade agradável a Deus.
3.Reflexão.
Os judeus viviam relações belicosas com os assírios, mas nem por isso melhoram sua prática religiosa. Viviam relações de indiferença com Javé, seu Deus! Mas Deus não se amarra a um único povo e nem a uma única igreja. Ele concede sua graça a todos os que o servem comum coração humilde e cheio de fé. E, não raro, os estranhos correspondem melhor aos favores recebidos. Esta verdade parece visível nos dias de hoje entre católicos e os assim ditos “crentes”! Deus considera o coração e não as aparências! Ele e atende o pobre de coração humilde, mesmo não frequente qualquer igreja!
Nos milagres de Jesus observa-se a mesma dinâmica: Ele cura a todos desde que tenham fé e humildade agradecida. Curou dez andarilhos leprosos e apenas um voltou para agradecer e este era considerado herege perigoso, que devia ser evitado como perigoso por parte dos judeus, “observantes” da Lei de Moisés! E Jesus revelou a dor de uma frustração: Quem voltou para agradecer? Um herege! E Jesus disse ao samaritano curado: “Levanta-te e vá em paz, tua fé te salvou!”!
Observemos bem, Jesus não disse: Tua fé te curou, mas tua fé te salvou! Jesus não procura espetáculos, mas a salvação que transforma o ser humano! A cura física é apenas sinal da cura espiritual. Jesus quer a vida divina!
Paulo deixa seu testamento para Timóteo. Paulo está preso e sabe que, desta vez, não vai sair vivo de lá! Mas sabe que Jesus tem a palavra final: Ele o serviu com sinceridade e veracidade; não se deixou levar por interesses pessoais e nem para obter vantagens materiais. Ele seguiu Jesus Cristo e não a Teologia da Prosperidade!

Frei Carlos Zagonel
Fonte: http://www.paroquiansacoxipo.com.br/conteudo.php?sid=44&cid=4082

Você pode Gostar de:

Liturgia – 5º Domingo da Quaresma 21.03.2021.

“GOSTARIAMOS DE VER (CONHECER) A JESUS!” 1.Acolhida Até os gregos querem conhecer Jesus! No íntimo …