Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Liturgia – 2º Domingo de Advento

Liturgia – 2º Domingo de Advento

LITURGIA – 2º DOMINGO DE ADVENTO – 03.12.2016.
“Convertam-se porque o Reino de Deus está próximo!”
1.Acolhida.
Advento é tempo de preparação para o Natal. Natal não é festa mundana! É preparação séria para acolher a “Proposta de Jesus”. O Reino do Céu está chegando e vai inaugurar um novo jeito de viver – o jeito dos verdadeiros discípulos missionários de Jesus Cristo!
Celebrar o Natal não se limita a comer, beber e divertir-se! Hoje, isto nem é possível para o povo explorado e empobrecido do Brasil! É celebrar com festa o anúncio do “Reino do Céu” que já se anuncia no horizonte: Este mundo explorador e hipócrita vai acabar e o Reino dos Pobres está chegando! Ele vai ser inaugurado por Jesus e está aberto para todas as pessoas de boa vontade! Advento é preparar-se para acolher o Reino de Deus.

2.Palavra de Deus.
Is 11,1-10 – No meio da crise política, econômica e religiosa de seu tempo, o profeta anuncia que o “Tronco do Rei Davi” terá um broto insignificante, mas sobre Ele vai pairar o Espírito Santo. A promessa de Deus não morreu; pelo contrário, vai florescer num mundo novo de justiça e paz!
Rm 15,4-9 – A Comunidade de Roma, composta de romanos, judeus e gregos, deve procurar a convivência fraterna, evitando divisões entre ricos e pobres, entre raças e culturas diferentes. O “Reino de Deus”, anunciado pelos profetas, chegou! Vivamos o tempo novo da fraternidade e solidariedade seguindo o exemplo de Jesus Cristo, nosso Salvador.
Mt 3,1-12 – O Reino do Céu chegou com Jesus Cristo, nascido numa gruta, anunciado por um profeta vestido com túnica confeccionada com pelos de camelo e que se alimentava de gafanhotos e de mel silvestre. Não é o “Reino dos Corruptos e ladrões”, mas é o Reino dos Pobres. João Batista convida à conversão, ou seja: mudar a cabeça e pensar no jeito de Deus que manda seu Filho para nos salvar!

3. Reflexão
Os tempos de crise sempre são tempos favoráveis para ouvir a voz de Deus! Ele fala a seu povo quando a esperança desaparece! O “Reino de Davi” está desaparecendo, mas Deus faz brotar um rebento (filho) sobre o qual vai repousar o Espírito Santo com sua multiforme graça e força! Deus cumpre a promessa, anunciada pelos profetas.
É no deserto, terra árida em quase sem água, que o Reino do Céu se manifesta primeiro. Ele se manifesta no meio dos pobres e para os pobres. João Batista é o precursor, isto é, aquele que prepara os caminhos para o Messias. Os pobres vão a ele, confessam os próprios pecados e recebem o Batismo da purificação. Eles se convertem, mudam sua cabeça e acolhem o Salvador iniciando um caminho novo.
Aos saduceus e aos fariseus, homens ricos e orgulhosos, que procuram apropriar-se do movimento de João Batista, para garantir os próprios privilégios, o profeta chama-os de raça de cobras venenosas, que procuram fugir do castigo iminente! Quem seriam, hoje, os componentes dessa raça de serpentes? Podemos estar participando desta raça se recusamos a conversão, a mudança de cabeça, proposta por Jesus!
João Batista afirma que o tempo é urgente, não é para amanhã, pois o “machado já está na raiz das árvores, e toda a árvore que não der fruto será cortada e jogada no fogo. Jesus tem na mão uma pá. Vai limpar a sua eira e recolherá o trigo no seu celeiro; mas queimará a palha no fogo que não se apaga!”. Ora, ora, irmãos e irmãs, esse não é discurso de político, mas é Palavra de Deus, valida também para nós! Confessemos nossos pecados, purifiquemos nossa alma e aclamemos, com alegria, o Salvador que está chegando.

Frei Carlos Zagon
Fonte:http://www.paroquiansacoxipo.com.br/conteudo.php?sid=44&cid=4204

Você pode Gostar de:

Liturgia do 13º Domingo do Tempo Comum 27.06.2021

“DEUS NÃO FEZ A MORTE E NEM TEM PRAZER COM A DESTRUIÇÃO DOS VIVOS!” 1.Acolhida …