Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Liturgia – 32º Domingo Comum 10.11.2019

Liturgia – 32º Domingo Comum 10.11.2019

“DEUS NÃO É O DEUS DOS MORTOS MAS DOS VIVOS, POIS TODOS VIVEM PARA ELE!”
1.ACOLHIDA
Nosso encontro dominical com o Jesus é garantia de nossa ressurreição final – “Quem come de minha carne e bebe de meus sangue tem a vida eterna e Eu o ressuscitarei no último dia!”
Nós estamos tão acostumados com esta nossa carne pecadora e mortal que é difícil entender as Palavras de Jesus! Mas somente Ele é quem tem Palavras de vida et eterna! (Jo 6). Para entender as Palavras de Jesus precisamos ter o Espírito de Jesus! Do contrário, o espírito da carne (do mundo) domina nossa vida e nós seremos carnais e a carne, de acordo com Jesus, não presta para nada! (Jo 6.36). Nós precisamos do Espírito Santo para entender e procurar a Palavra de Deus. Quando Jesus desafiou os seus Apóstolos a segui-lo ou abandona-lo, Pedro respondeu-lhe dizendo: “Senhor, a quem iremos, somente Tu tens Palavras de vida eterna!” (Jo 6,67-68).
Hoje temos palavras demais e quase todas são inúteis! Somente Jesus tem Palavras de vida eterna!

2.Palavra de Deus
2Mc 7,1-14 – Sete irmãos macabeus preferiram manter fidelidade à Palavra de Deus e não aceitaram a proposta do rei e, por isso, não abandonaram sua fé. Preferiram a morte à traição! Eles esperavam de Deus a vida nova de ressuscitados! Para o rei perseguidor não haverá ressurreição para a vida! Haverá, apenas, trevas e o sofrimento será eterno!
2Ts 2,16-3,5 – O Apóstolo Paulo recomenda-se às orações dos tessalonicenses a fim de cumprir com fidelidade sua missão de pregador, embora, perseguido pelos maus e perversos.
Lc 20,27-38 – Jesus responde à pergunta provocadora dos saduceus (que não acreditam na ressurreição dos mortos: “Nesta vida, homens e mulheres casam-se (…) mas os que forem achados dignos de participar da vida futura, nem eles se casam e nem elas se dão em casamento (…) pois serão iguais aos anjos do céu!”

3.Reflexão
A fé na ressurreição dos mortos já estava presente no Antigo Testamento, especialmente no Livro dos Macabeus! Deus revela a verdade, aos poucos, e a todos aqueles que têm boa vontade! O homem carnal aprecia a carne e seus pensamentos não vão além dela! Lamentamos a morte porque a carne acaba apodrecendo! Vira pó! Mas o homem espiritual crê e espera a vida eterna, a ressurreição da carne, embora não tenhamos dela um pensamento muito exato! Na maioria das vezes esperamos uma vida carnal melhorada! E não é isso, com toda a certeza!
Não podemos “manipular” a Palavra de Deus reduzindo-a à dimensão carnal e da solidariedade familiar (defesa da viúva). Mas a ressurreição é a glorificação do poder de Deus em favor dos que acreditam e esperam na sua Palavra! A ressurreição da carne faz parte do Plano de Deus em favor daqueles que seguem, humildemente, a Palavra! Nosso Deus não é o Deus dos mortos, mas dos vivos que esperam uma vida plena e completa. Os mortos ressuscitam e serão como os anjos do céu!
Lázaro, ressuscitado por Jesus depois de já estar podre, viveu longos anos como missionário nas Gálias (França) e lá sim recebeu a verdadeira vida de ressuscitado! Imaginar a ressurreição como uma retomada da vida carnal melhorada, seria “apequenar demais” o poder de Deus! Ele nos criou à sua imagem e semelhança, por isso, a ressurreição da carne significa retomar a verdadeira vida que nos torna semelhantes ao próprio Deus!
Para ti, porem, (tirano) não haverá ressurreição para a vida!”

Frei Carlos Zagonel.

Você pode Gostar de:

Campanha da Fraternidade CNBB 2020

Campanha da Fraternidade 2020: CNBB disponibiliza vídeo para as comunidades. Foi divulgado o vídeo oficial …