Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Liturgia do 18º Domingo Comum 31.07.2022

Liturgia do 18º Domingo Comum 31.07.2022

“POIS, VÓS MORRESTES E VOSSA VIDA ESTÁ ESCONDIDA EM CRISTO EM DEUS”
1.Acolhida
A vida do homem sobre a terra é breve e, quase sempre, é sofrida! E os problemas estão relacionados com casos de saúde, vida material e sexual. Os bens materiais são fruto de trabalhos cansativos, exigências comerciais e de angústias, de concorrências comerciais, de dívidas e intempéries que prejudicam a produção agrícola!
O castigo imposto a nossos pais por seu pecado original fez do trabalho um peso doloroso e angustiante! Toda a vida é um sofrimento, sua vida e sua ocupação, um tormento. Nem de noite seu coração repousa. Tudo isso é vaidade (sofrimento)”.

2.Palavra de Deus
Ecl 1,2;2,21-23 – Toda a vida é sofrimento, diz o Eclesiástico! “Por exemplo, um homem, que trabalhou com inteligência, com paciência e obteve sucesso, vê-se obrigado a deixar tudo em herança a outro que em nada colaborou na sua produção, na indústria e no capital acumulado fica para outros que em nada colaboraram! É sofrimento!
Cl 3,1-5,9-11 – “Irmãos, se ressuscitastes, esforçai-vos por alcançar as coisas do alto…aspirai às coisas celestes e não às coisas terrestres. Pois a vossa vida está escondida em Cristo em Deus”. Pelo Batismo a vida divina foi semeada em nosso coração como uma semente de boa qualidade, mas que precisa ser cultivada, pois, do contrário, a semente do Batismo não germina. Fica estéril e não ajuda para a salvação eterna!
Lc 12,13-21 – A preocupação dos homens bem sucedidos é ampliar os celeiros para armazenar toda a produção e viver tranquilos, gozando a boa sorte por longos anos! Mas a morte surpreende os gananciosos e todos os bens ficam para quem, nem se quer, trabalhou na produção! “Assim acontecerá com quem ajunta tesouros para si mesmo, mas não é rico diante de Deus!”

3.Reflexão
A reflexão deste domingo faz sentido para os ricos bem sucedidos, mas é inválida para 2/3 da população mundial. Esta é pobre e nem se que tem um celeiro ou uma conta bancária! O homem rico do Evangelho está tão preocupado com a ampliação dos celeiros que não lhe sobrou tempo para agradecer a Deus pela abundante colheita! Jesus disse ao jovem rico: “Como é difícil um rico entrar no Reino do céu! Tomai cuidado contra todo tipo de ganância, porque, mesmo que o homem tenha muitos bens, sua vida não consiste na abundância de bens!” (Mt 19,23)!
Produzir é necessário, do contrário, o ser humano não tem o que comer e nem o que repartir com os mais pobres e mal sucedidos na vida. Jesus não quer a preocupação doentia de produzir, possuir e gozar! O mundo tem estocados bens suficientes para acabar com fome no mundo, mas falta para o homem a coragem de distribuir, ao menos, pouco mais da produção mundial em vez de deixa-la estragar para a alimentação humana. Falta uma visão espiritual da vida humana sobre a terra. O materialismo e o egoísmo estragam a vida do homem sobre a terra. Não pensamos na morte e, na prática, pensamos que somos eternos habitantes sobre a face terra! A vida espiritual (semente batismal) não germina no coração deste homem e a esperança da vida eterna desapareceu, destruída pela ganância de prazeres multiplicados com os bens materiais! Recordemos o dito de Paulo Apóstolo: “Quando Cristo na sua glória aparecer, então vos também aparecereis revestidos de gloria celestial”. Que maravilha, Cristo nos surpreende com a glória celestial, mas precisamos elevar nossos pensamentos para as alturas do céu!

FREI CARLOS ZAGONEL

Você pode Gostar de:

26ª Semana Nacional da Família

A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), através da Comissão Nacional de pastoral para …