Página Inicial / Noticias do Mundo / CHARIS: sua missão é viver como verdadeiros cristãos

CHARIS: sua missão é viver como verdadeiros cristãos

Antes do discurso do Papa aos participantes do encontro promovido pelo CHARIS, o cardeal Cantalamessa fez uma profunda e longa reflexão sobre o versículo do profeta Isaías: “Vocês não se lembram mais dos acontecimentos do passado” (Is 43,18). Com esta escolha, quis ressaltar a necessidade generalizada, que a Renovação Carismática Católica (RCC) sente de regressar às origens para “reacender a chama”.
Vatican News

O Cardeal Raniero Cantalamessa, teólogo e pregador oficial da Casa Pontifícia, fez uma pregação aos participantes do Charis (Serviço internacional da Renovação Carismática Católica), que concluem, neste sábado, 4, sua Assembleia Geral, na Sala Paulo VI, no Vaticano, que teve como tema: “Chamados, transformados e enviados”.

Aos numerosos participantes do Charis, o Cardeal Cantalamessa fez uma profunda e longa reflexão sobre o versículo do profeta Isaías: “Vocês não se lembram mais dos acontecimentos do passado” (Is 43,18). Com esta escolha, quis ressaltar a necessidade generalizada, que a Renovação Carismática Católica (RCC) sente de regressar às origens para “reacender a chama”.

Mas, aqui, o pregador recordou outra palavra profética, que ressoava dentro de si, que leva a um movimento oposto: “Não olhar para trás, mas para frente”. Desta forma, sentiu a necessidade de destacar mais o desejo de não pensar mais nas coisas passadas ou antigas, mas a fazer algo novo, que brota no coração dos membros da Renovação Carismática.

Dito isso, o Cardeal achou por bem seguir esta sugestão: “O Espírito Santo exorta-os a perceber o que ele fez de novo, desde o nascimento do Movimento da Renovação Carismática (RCC) e o que ainda está fazendo nestes seus 56 anos de vida”. Neste sentido, ele se deteve mais no que está acontecendo agora, no presente do Movimento, que, talvez, ninguém percebe. A novidade é que o Movimento RCC deixou de ser tolerado, como acontecia no passado, e, gradualmente, começou a ser aprovado, elogiado e promovido pela Igreja católica.

Segundo o Papa Francisco a RCC é um dom do Espírito Santo a toda a Igreja, mas, de particular, aos seus membros nós da Renovação Carismática. Em outras palavras, o que o Santo Padre espera da RCC e do seu Serviço Internacional ou Charis? Ele nunca cessa de repetir, essencialmente, três coisas: “Contribuir para o esforço de evangelização da Igreja”, “Comprometer-se com os pobres e necessitados” e “Trabalhar pela unidade dos cristãos”.

Contribuir para o esforço de evangelização da Igreja
O Pregador da Casa Pontifícia passou a explicar cada um destes três compromissos, partindo de uma pergunta: “Qual deveria ser a sua contribuição específica para a evangelização?” E respondeu com as palavras programáticas de Jesus no início do seu ministério público: “O Espírito do Senhor está sobre mim. Ele me ungiu e me enviou para anunciar a Boa Nova aos pobres, isto é, evangelizar os pobres” (Lc 4,18). Eis a primazia absoluta do Espírito Santo e do seu sopro para anunciar o Evangelho.

Mas, existe uma forma mais específica com a qual a Renovação Carismática pode contribuir para a evangelização: sua “relação pessoal com Cristo”. Sua missão é viver como verdadeiros cristãos, em comunidade ou na pastoral, partindo do encontro com Cristo. Eis aqui a necessidade de confiar a evangelização aos leigos, homens e mulheres, que conheceram Jesus vivo. Por isso, estão ansiosos de partilhar esta descoberta com os irmãos.

Comprometer-se com os pobres e necessitados
Eis o segundo aspecto que o Papa recomenda à Renovação Carismática: compromisso com os pobres, que faz parte integrante da missão e atividade da Igreja. Aqui, o Pregador citou o exemplo de ação evangélica de um grande personagem profético, Dom Hélder Câmara, que ainda ecoa nos ensinamentos e nos gestos do Papa Francisco. A este respeito, o Pregador recordou o apelo que Dom Hélder fez à RCC: “Prestar mais atenção aos pobres e ao setor da caridade” e o do Cardeal Suenens: “A RCC é uma corrente de graça”.

O Papa Francisco insiste sempre sobre os muitos tipos de pobreza, que existem no mundo, ainda ignorados ou pouco conhecidos: as obras de misericórdia corporais e espirituais em favor dos pobres, presos, necessitados, enfermos, mediante visitas, orações e acompanhamento.

Trabalhar pela unidade dos cristãos
A “unidade dos cristãos” é o terceiro ponto que o Papa recomenda aos membros da RCC e que faz parte do DNA original do Serviço internacional do Charis: o “ecumenismo espiritual” que o Espírito Santo infunde.

Por fim, o Cardeal Raniero Cantalamessa recorda aos membros da RCC: a fragilidade da nossa evangelização e da nossa ação no mundo se deve à divisão dos cristãos. Não podemos desprezar ou ignorar que a unidade básica consiste em invocar o mesmo Deus e Senhor Jesus. São João Paulo II dizia: “O que nos une é imensamente mais importante do que o que nos divide”.

https://www.vaticannews.va/pt/vaticano/news/2023-11/cantalamessa-charis-missao-verdadeiros-cristaos.html

Você pode Gostar de:

A oração do Papa pelos gaúchos

Papa recorda durante o Regina Caeli o drama vivido peça população do Rio Grande do …