Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Liturgia – 16ºDomingo Comum – 23.07.2017

Liturgia – 16ºDomingo Comum – 23.07.2017

“Senhor, donde veio, então, o joio?”
1.Acolhida.
Muitos cristãos e pessoas de bem desejam e colaboram na construção de um mundo melhor, mas se dão conta que o mal é mais criativo que o bem e se multiplica de maneira surpreendente! Por isso, exclamam: “Senhor, não semeaste trigo no teu campo? Donde veio, então, o joio?”.
Deus tem o controle do universo e a última palavra será d’Ele! Vai haver uma inapelável seleção final! Agora, é o tempo da paciência de Deus! Ele não é impotente!  É bom e paciente, mas Ele é o Senhor!  No Juízo final, o joio será colhido primeiro e, com ele, os semeador (es) vão ser queimados juntos. Amemos a justiça e tenhamos a paciência de Deus!

2.Palavra de Deus.
Sb 12,13.16-19 – Deus revela sua Palavra ao seu Povo, mesmo no exílio ou na diáspora (dispersão). Mostra que tem poder e amor e pode perdoar, inclusive, os pecados, pois, quer salvar a todos!

Rm 8,26-27 – Deus é tão bom que derrama seu Espírito Santo em nossos corações para rezar em nós e por nós com gemidos inefáveis, ou seja: reza de maneira poderosa e ineficaz em nosso favor!

Mt 13,24-43 – Deus semeia sua Palavra, mas o inimigo trabalha de noite e semeia a peste, o joio, no meio do trigo! Ele é criativo para confundir os bons e prejudicar a obra de Deus!

3.Reflexão.
O panorama de mundo é complexo: o mal convive com o bem e, normalmente, é mais criativo do que o bem!  Disse Jesus: “Os filhos das trevas são mais astutos que os filhos da luz!” As trevas e a luz convivem sustentando uma luta aparentemente interminável. O bem é obra do Espírito Santo e o mal é semeado cuidadosamente, de dia e de noite, pelo maligno!

Esta batalha acontece, também, no íntimo de cada um de nós. São Paulo considerava-se infeliz e vendido ao pecado, pois sofria com a presença desta luta no seu próprio corpo! (Rm 7,15-25). Dentro de nós está a lei da carne e a lei do Espírito; a primeira nos leva para a morte e a segunda, para a felicidade eterna dos filhos de Deus. Deixemo-nos, portanto, conduzir pela Lei do Espírito Santo.

Nesta luta, o Espírito Santo vem em socorro de nossa fraqueza, pois, nós nem sabemos o que pedir e como pedir!  Aliás, conhecida nossa fraqueza, Jesus prometeu para seus discípulos o Divino Espírito Santo para nos recordar, explicar todas as suas Palavras e nos recordar que somos filhos adotivos e legítimos do Pai celestial. Como nosso Deus é maravilhoso!

O joio da parábola de Jesus recorda a presença e atuação do inimigo de Deus de nossa salvação eterna. O Apóstolo Paulo, infeliz por este drama pessoal, suplicou o auxílio de Jesus, que lhe respondeu: “Basta-te a minha graça, pois é na fraqueza que a força se realiza plenamente!” (2Co 12,9).

Deus manifesta “sua fraqueza” na paciência e na misericórdia. Deseja oferecer a salvação a todos, mas não esquece a presença do joio no campo semeado pelo inimigo. A colheita final é certa, o fogo já está aceso e o destino é para o “inimigo” e seus aliados!

“Arrancai primeiro, o joio e amarrai-o em feixes para serem queimados!”

Frei Carlos Zagonel, OFMCAP
http://www.paroquiansacoxipo.com.br/conteudo.php?sid=44&cid=4654

Você pode Gostar de:

6º Encontro Anual (CACALL)

A Arquidiocese de Cuiabá convida os Coroinhas,Acólitos,Leitorinhas e Leitora para o 6ºCACALL (2017) que será …