Página Inicial / Noticias do Mundo / 59ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil

59ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil

CONSELHO PERMANENTE DELIBERA SOBRE ETAPA PRESENCIAL DA 59ª ASSEMBLEIA GERAL DA CNBB

A etapa presencial da 59ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) foi um dos temas abordados pelos bispos na manhã desta quinta-feira, 23 de junho, durante reunião virtual do Conselho Permanente. Foi aprovada a estrutura diária do encontro que será realizado em Aparecida (SP), de 26 de agosto a 2 de setembro, e também apresentada uma proposta sobre a reflexão do tema central. A indicação é que as atuais Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE 2019-2023) sejam mantidas até a conclusão do Sínodo 2021-2023.

Etapa presencial da 59ª AG
Com várias votações para serem realizadas e assuntos em pauta para discussão, foi proposta uma estrutura de programação diferente da utilizada nas últimas assembleias gerais. Neste ano, os bispos vão ter mais tempo para o trabalho durante a manhã, iniciando as atividades já no Centro de Eventos Padre Vitor Coelho de Almeida. Ali serão abordados assuntos abertos e as votações. Já no período da tarde, serão tratados os assuntos reservados e será celebrada a missa, às 18h.

Tema central e Diretrizes Gerais
O tema central da assembleia – “Por uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão” – também esteve na pauta do Conselho Permanente. Durante a a etapa virtual, foi realizada uma consulta aos Regionais e aos organismos sobre a sinodalidade e as atuais Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil. A síntese das reflexões foi apresentada nesta manhã com a sugestão de manutenção das atuais DGAE até a assembleia de 2024.

“Há entendimento de que o prazo de vigência das DGAE pode ser maior, permitindo que (arqui)dioceses/prelazias possam melhor assimilar suas indicações e que a própria CNBB conjugue as suas várias iniciativas pastorais”, apresentou o presidente da Comissão para o Tema Central da 59ª Assembleia Geral da CNBB, dom Leomar Antonio Brustolin, que é arcebispo de Santa Maria (RS).
De acordo com as reflexões realizadas em grupos, durante a etapa virtual, as Diretrizes favorecem o espírito e o processo sinodal da Conferência Episcopal. Assim, “sobre as próximas Diretrizes Gerais, os grupos tendem por optar pela manutenção das atuais. E sugere-se a espera dos resultados do atual processo sinodal para elaboração das novas diretrizes e também aguardar a conclusão do Sínodo de 2023”, informou dom Leomar.
Dessa forma, neste ano a CNBB deve prolongar o exercício da escuta como eco das respostas ao Sínodo nas dioceses. A assembleia deste ano deve enviar uma mensagem à Igreja para apresentar como resultado do encontro e apresentar o processo que será realizado em 2023 e 2024 para elaboração das novas DGAE. Também serão oferecidos elementos para refletir sobre a sinodalidade na prática das comunidades.
Serão referenciais nessa reflexão o aprofundamento sobre as comunidades eclesiais missionárias na perspectiva da sinodalidade; a iniciação à vida cristã para a renovação da comunidade; a formação do laicato; a Doutrina Social da Igreja; ação sociotransformadora e outros temas.
Em 2023, quando ocorrem as eleições para a Presidência da CNBB e para novas composições das Comissões Episcopais Pastorais, será ocasião de discernimento sobre como renovar as atuais DGAE na perspectiva da escuta sinodal. Também será oportunidade de acompanhar o processo do Sínodo, aguardando seus resultados finais.
Já em 2024, na 61ª Assembleia Geral da CNBB, a renovação das Diretrizes considerando as atuais, o processo de escuta sinodal, o sínodo de 2023 e os novos contextos.

 

Outros temas
Saúde do clero
Ainda na manhã desta quinta-feira, o bispo de Novo Hamburgo (RS) e presidente da Comissão para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada da CNBB, dom João Francisco Salm, falou sobre a pesquisa sobre a saúde do clero. Após a aplicação do questionário com padre e bispos, foi criado um grupo de trabalho com 16 membros, compostos por um bispo e especialistas nas áreas. Esse grupo foi subdividido em três dimensões para a análise das informações: dimensão espiritual e intelectual; dimensão teológica, social, pastoral e comunicação; e dimensão clínica, médica, psiquiátrica, psicossocial e institucional.
Os membros do GT terão a tarefa de ler os dados, interpretá-los, e de indicar elementos que possam ajudar as dioceses e congregações a elaborar programas de saúde integral, informou dom Salm.

Escolas católicas
O arcebispo de Goiânia (GO) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Cultura e a Educação da CNBB, dom João Justino de Medeiros Silva, apresentou a necessidade de que seja retomado o estudo do Documento 64 da CNBB – Diretrizes e Normas para as Universidades Católicas – em vista de uma nova instrução da Santa Sé sobre a identidade das escolas católicas. O texto designa algumas competências às conferências episcopais, o que deve ser implementado pela CNBB. O assunto será refletido pelos bispos.
As atividades da manhã foram concluídas com uma apresentação sobre o trabalho da Pastoral dos Brasileiros no Exterior e informes da 40ª Assembleia do Conselho Nacional do Laicato do Brasil (CNLB).

Você pode Gostar de:

X Encontro Mundial das Famílias, em Roma

TEM INÍCIO O X ENCONTRO MUNDIAL DAS FAMÍLIAS: BISPOS MOTIVAM PARTICIPAÇÃO DOS FIÉIS NAS ATIVIDADES …