Página Inicial / Artigos Padres da Arquidiocese / Três Sorocabanos no Arraial (1980)

Três Sorocabanos no Arraial (1980)

Assim proferiu o saudoso Dr. Luiz-Philippe Pereira Leite, do Instituto histórico e geográfico de Mato Grosso no seu livro, Três Sorocabanos no Arraial (1980): “Três sorocabanos no Arraial, enfeixa os estudos sobre os primórdios das Minas de Cuiabá e do arraial nascente do Bom Jesus. São as figuras iminentes de Pascoal Moreira Cabral Leme, Miguel Sutil de Oliveira e a Imagem do Senhor Bom Jesus”. A histórica e veneranda imagem do Senhor Bom Jesus é o terceiro sorocabano. Esta imagem foi descrita com muita ênfase pelo Advogado e cronista José Barbosa de Sá: “Foi esta imagem fabricada de madeira por mãos de uma mulher, na Vila de Sorocaba. Trouxe-a consigo Pedro de Morais, natural da mesma Vila, nos primeiros anos que estes Sertões povoaram” (anais do Senado e da Câmara, crônicas de José Barbosa de Sá).

A Imagem Chegou ao porto da Vila do Arraial em 1729. Esta veneranda Imagem, com 293 anos, vem acompanhando a metamorfose desta cidade. A imagem continua bem conservada, ainda hoje, para a veneração dos fiéis. Para abrigar esta histórica Imagem foi construída pelo capitão Mor: Jacinto Barbosa Lopes, em Outubro de 1722, a primeira Capela de madeira, taipa e coberta de palha. Em seguida foi celebrada a primeira missa na rústica e modesta capela pelo irmão do capitão Mor: Padre Franciscano Frei Pacifico dos Anjos. Capela esta que passou por várias transformações históricas ao longo do tempo. A modestíssima capela, construída no passado, foi substituída por um monumento erigido na grandeza da arte do modernismo, com imponentes linhas arquitetônicas e revestidas de mosaicos ilustrativos no centro e nas laterais.

A elegante, majestosa, belíssima e artística Catedral, no rol das mais bonitas do Brasil, foi inaugurada em 24 de Maio de 1973, recebendo de S. Paulo VI por solicitação de D. Orlando Chaves, em 15 de Novembro de 1974, o título de Basílica Menor do Senhor Bom Jesus, com todos os favores espirituais anexos a este título. A nossa Catedral guarda o mais precioso tesouro da nossa história: O Senhor Bom Jesus, o qual, na beleza ímpar da sua bondade e misericórdia, está vivo e presente no tabernáculo do santíssimo e representado simbolicamente pela sua veneranda Imagem na capela do Bom Jesus, emoldurada de vidro em um nicho para sua conservação. Portanto, neste ano, a festa do Senhor Bom Jesus, em setembro (15 a 25), se insere no bojo celebrativo dos 300 anos da primeira Igreja do Senhor Bom Jesus. A celebração é precedida por uma piedosa novena de preparação dentro das missas e uma grandiosa procissão luminosa no último dia.

O tema deste ano é: “Senhor Bom Jesus, ontem, hoje e sempre (Heb13,8). Este tema nos recorda que Jesus não é uma saudosa memória do passado, mas é uma pessoa viva e atuante na nossa história. Ele é a testemunha viva do passado, do presente e do nosso futuro. O Senhor Bom Jesus, nosso excelso padroeiro, vem acompanhando a vida e a história desta tricentenária cidade, em todas as adversidades que atormentaram e atormentam, ainda hoje, o povo cuiabano e os migrantes que a adotaram. A capela do Bom Jesus tem ao fundo um belo e ilustrativo painel colorido, calcado na história destas Minas. No belo e imponente mosaico, aparece o Bandeirante, o Índio e o Garimpeiro, cada qual fazendo a oferenda dos seus tesouros ao Orago-Mor do Arraial.

Os dois adjetivos que precedem o nome de Jesus, com os quais a fé do povo cuiabano tão bem O qualifica: “Senhor e Bom”. São duas expressões bíblicas, muito significativas, que exaltam a identidade e missão de Jesus Cristo como único salvador do mundo. Ele é o senhor perante a qual se curvou no passado o bandeirante indômito. Ele é o senhor do mundo, senhor da história, senhor do mundo e da Igreja. Ele é o “Bom” Jesus cuja expressão de dor, de amor e resignação, infunde ânimo e coragem ao nosso povo.

O nosso Orago-mor, continua velando por seu povo, com o mesmo desvelo de outrora e com o mesmo amor eterno. Do alto do seu trono sagrado, continua abençoando este povo amável, acolhedor e hospitaleiro. Que o Senhor Bom Jesus abençoe o Brasil, derramando as graças sobre nossas Instituições públicas, nossas eleições e aos poderes da república! O nosso querido Brasil, precisa de pacificação, de concórdia e compreensão neste momento de muita tensão política. Porquanto, a pátria é a união de todos!

Somos todos iguais em nossas diferenças! Mas acima das diferenças ideológicas, políticas e de crenças, está o sentimento de brasilidade, de patriotismo e humanismo civilizatório que nos congrega e enobrece. Viva, Cuiabá do Senhor Bom Jesus! Viva, O Senhor Bom Jesus de Cuiabá!

Pe. Deusdédit M. de Almeida é Cura da Catedral Basílica do Senhor Bom Jesus de Cuiabá.

Você pode Gostar de:

Edições CNBB lança o Texto-Base da Campanha da Fraternidade (CF) 2023

Já encontra-se disponível para compra, no site da Edições CNBB, o Texto-Base da Campanha da …