Página Inicial / Notícias / Fração do Pão

Fração do Pão

Fração do Pão, rito de comunhão e de compromisso com a partilha

A pós a Oração Eucarística, entramos nos ritos de comunhão, que tem a seguinte seqüência: Convite ao Pai Nosso, Pai Nosso… e Livrai-nos… Oração pela paz e abraço da paz,  a Fração do Pão, acompanhada pelo canto do Cordeiro de Deus, oração individual do presidente, a  comunhão, acompanhada pelo canto de comunhão, momento de silêncio e oração após a comunhão

Fração do Pão, rito de comunhão e de compromisso com a partilha!
        Maria de Lourdes Zavarez
A pós a Oração Eucarística, entramos nos ritos de comunhão, que tem a seguinte seqüência: Convite ao Pai Nosso, Pai Nosso… e Livrai-nos… Oração pela paz e abraço da paz,  a Fração do Pão, acompanhada pelo canto do Cordeiro de Deus, oração individual do presidente, a  comunhão, acompanhada pelo canto de comunhão, momento de silêncio e oração após a comunhão.

Partir o pão e reparti-lo fraternalmente é um gesto humano indispensável para estabelecer laços e nutrir, no cotidiano, a convivência, a comunhão de vida e de destino entre pessoas.

No judaísmo é um gesto primordial, assumido, muitas vezes, por Jesus, para saciar a multidão faminta, sinalizando a vinda do Reino, onde todos serão saciados. Feito na intimidade do convívio com os discípulos/as este gesto é sinal de comunhão, de compromisso com a entrega da vida, sinal que os torna testemunhas de sua Páscoa. Em Emaús, Ele é reconhecido ressuscitado ao partir o pão(cf. Lc 24, 35).

 É um gesto profético! Um único pão é partido e partilhado entre todos, expressando que em Cristo somos um só Corpo: “Nós somos muitos, mas formamos um só corpo, que é o corpo do Senhor, a sua Igreja...” Todos unidos em vista da igualdade, da saciedade, da vida abundante e feliz de toda a humanidade, de todo o Universo – Corpo social, universal, cósmico.

 Quem come o pão partido se compromete a repartir seu pão com os necessitados e a dedicar sua vida para que haja um mundo sem fome, sem exclusão, uma sociedade justa, fraterna e feliz. Este sentido profundo deve aparecer na ação ritual bem visível, feita por quem preside e acompanhada pela assembléia com o canto do Cordeiro de Deus.

É comum, também, ao invés de pão como nos propõe o missal romano(cf. IGMR 320 e 321), o uso de hóstias que não têm aparência de pão, são tão pequenas que nem é possível parti-las: são individuais! Parecemos ser um corpo desigual, dividido, quando temos sobre a mesa, um pratinho só com a hóstia maior para o padre, separada das que serão servidas para a assembléia! Estamos diante de uma realidade visível contradizendo o sentido de igualdade e comunhão da eucaristia.

É preciso, então, pelo menos em celebrações mais festivas valorizar o uso de um único pão (ou pães grandes). Onde só é possível hóstias, que, pelo menos, sejam de um bom tamanho para ser repartidas em diversas partes. Ou deveria haver pelo menos uma dessas para ser repartida e distribuída também a algumas pessoas da assembléia. O importante é que estejam juntas num mesmo prato.

O canto do Cordeiro de Deus pode ser repetido várias vezes se o rito da fração do pão se prolongar e ser acompanhado pelo gesto de dar as mãos, se não houve a saudação da paz. Não convém utilizar do canto do Cordeiro para dar fim à saudação da paz, que pela nossa cultura, costuma ser prolongada, efusiva e até barulhenta..

A saudação da paz pode ser realizado em outro momento da celebração: antes da preparação da mesa no início da liturgia eucarística, nos ritos iniciais com sentido de acolhimento, no ato penitencial com sentido de reconciliação,  após a homilia, inspirado num dos textos bíblicos do dia, ou no final da celebração como despedida.

A saudação da paz pode ser realizado em outro momento da celebração: antes da preparação da mesa no início da liturgia eucarística, nos ritos iniciais com sentido de acolhimento, no ato penitencial com sentido de reconciliação,  após a homilia, inspirado num dos textos bíblicos do dia, ou no final da celebração como despedida.

Perguntas para reflexão pessoal e em grupos:        

1-Qual o sentido da Fração do Pão na liturgia eucarística ?

2-Como este rito deve ser realizado para que expresse este sentido? 3-     Qual a participação da assembléia nesta ação ritual?

Você pode Gostar de:

Papa: ser cristão é superar discriminações. O batismo confere igual dignidade a todos

“As diferenças e os contrastes que criam separação não deveriam existir entre os fiéis em …