Página Inicial / Noticias do Mundo / O Papa: a ira é um pecado desenfreado, destrói as relações humanas

O Papa: a ira é um pecado desenfreado, destrói as relações humanas

Papa Francisco falou sobre a ira na catequese da Audiência Geral desta quarta-feira. Segundo ele, a “é um pecado terrível que está na origem das guerras e da violência”. “Há homens que reprimem a ira no local de trabalho, parecendo calmos e controlados, mas, uma vez em casa, tornam-se insuportáveis para a esposa e os filhos”, sublinhou.
Mariangela Jaguraba – Vatican News

O Papa Francisco deu continuidade ao ciclo de catequeses sobre “Vícios e Virtudes” na Audiência Geral desta quarta-feira (31/01).

Ouça e compartilhe
“A ira” foi o tema deste encontro semanal do Pontífice com os fiéis. Segundo o Papa, a ira “é um vício particularmente obscuro e talvez o mais simples de identificar do ponto de vista físico”. Segundo ele, “a pessoa dominada pela ira tem dificuldade em esconder esse ímpeto: reconhece-se pelos movimentos do seu corpo, pela agressão, pela respiração difícil, pelo olhar sombrio e carrancudo”.

A ira é um pecado que destrói as relações humanas
De acordo com o Papa, “na sua manifestação mais aguda, a ira é um pecado que não deixa trégua. Se surge de uma injustiça sofrida ou que se acredita ser tal, muitas vezes não é desencadeada contra o culpado, mas contra o primeiro infeliz que se encontra”.

“Há homens que reprimem a ira no local de trabalho, parecendo calmos e controlados, porém, uma vez em casa, tornam-se insuportáveis para a esposa e os filhos.”

A ira é um pecado desenfreado: é capaz de tirar-nos o sono e nos fazer tramar continuamente na nossa mente, sem conseguir encontrar uma barreira aos raciocínios e aos pensamentos.

A seguir, Francisco disse que a ira “é um pecado que destrói as relações humanas. Expressa a incapacidade de aceitar a diversidade dos outros, especialmente quando as suas escolhas de vida divergem das nossas. Não se detém nos comportamentos errados de uma pessoa, mas joga tudo no caldeirão: é o outro, o outro como ele é, o outro como tal que causa a raiva e o ressentimento. Começa-se a odiar o tom da sua voz, os gestos banais do dia a dia, os seus modos de raciocinar e de sentir”.

Perda da clareza
Segundo o Papa, “quando a relação atinge esse nível de degeneração, já se perdeu a clareza. Porque uma das características da ira, às vezes, é que ela não pode ser mitigada com o tempo. É importante que tudo se dissolva imediatamente, antes do pôr do sol. Se durante o dia surgir algum mal-entendido e duas pessoas não conseguem mais se entender, sentindo-se subitamente distantes, a noite não deve ser entregue ao diabo. O pecado nos mantém acordados no escuro a remoer nossas razões e os erros indizíveis, que nunca são nossos e sempre do outro”. “É assim: quando uma pessoa está sob a ira, ela sempre, sempre diz que o problema está no outro. Ela nunca é capaz de reconhecer suas próprias falhas, seus próprios defeitos”, acrescentou o Papa.

“No “Pai Nosso”, Jesus faz-nos rezar pelas nossas relações humanas que são um campo minado: um plano que nunca está em perfeito equilíbrio. Todos precisamos aprender a perdoar. Os homens não estão juntos se não praticarem também a arte do perdão, tanto quanto isso for humanamente possível”, disse ainda Francisco.

“O que neutraliza a ira é a benevolência, a generosidade, a mansidão, a paciência.”

Ira, origem das guerras e da violência
O Pontífice disse outra coisa a propósito da ira: que ela “é um pecado terrível que está na origem das guerras e da violência. Porém, nem tudo que surge da ira está errado. Os antigos sabiam muito bem que existe uma parte irascível dentro de nós que não pode e não deve ser negada”.

As paixões são, até certo ponto, inconscientes: acontecem, são experiências da vida. Não somos responsáveis pelo surgimento da ira, mas sempre pelo seu desenvolvimento. E às vezes é bom que a ira seja desabafada da maneira certa.

“Se uma pessoa nunca se irritasse, se não se indignasse diante de uma injustiça, se diante da opressão de uma pessoa fraca não sentisse algo tremendo nas suas entranhas, então isso significaria que não é humana, e muito menos, cristã.”

Santa indignação
“Existe uma santa indignação, que não é ira, mas é um movimento interior, uma santa indignação. Jesus a encontrou várias vezes na sua vida: nunca respondeu ao mal com o mal, mas na sua alma sentiu este sentimento e, no caso dos cambistas do Templo, realizou uma ação forte e profética, ditada não pela ira, mas pelo zelo pela casa do Senhor. É preciso distinguir bem, o zelo, a santa indignação, é uma coisa, a ira, que é ruim, é outra coisa. Cabe a nós, com a ajuda do Espírito Santo, encontrar a medida certa das paixões. Educá-las para que se tornem boas”, concluiu o Papa.

https://www.vaticannews.va/pt/papa/news/2024-01/papa-francisco-audiencia-geral-ira-pecado-desenfreado-vicio.html

Você pode Gostar de:

Assessoria de Comunicação da CNBB lançou novos produtos e serviços informativos

CNBB LANÇA NOVOS PRODUTOS DE COMUNICAÇÃO NA 61ª ASSEMBLEIA GERAL Às vésperas da 61ª Assembleia …