Página Inicial / Animação Litúrgica / 29º Domingo do Tempo Comum(18.10)

29º Domingo do Tempo Comum(18.10)

29º Domingo do Tempo Comum
Ano A – – cor verde – 18/10/2020

Ritos Iniciais
Saudação
Presidente – Queridos irmãos e irmãs, sejam todos bem-vindos! É com grande alegria que nos reunimos para fazer memória da Páscoa do Senhor e agradecer as maravilhas que Ele sempre nos concede. Hoje o Senhor nos convida a crer que Ele é o único Deus Verdadeiro, que liberta seu povo de todo mal que os oprime. Nesta Celebração, peçamos ao Pai que nos dê sabedoria para sabermos sempre discernir o bem do mal e cumprirmos fielmente a nossa missão evangelizadora. Reunidos como Comunidade missionária, façamos o sinal de nossa fé. Em nome do Pai…
Presidente – A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco. Bendito seja Deus…
Animador(a) – Hoje, Dia Mundial das Missões, trazemos presente todos os membros de nossas comunidades que são fiéis a sua missão e também todas as pessoas e membros da Juventude Missionária que deixaram suas casas para evangelizar dentro e fora do nosso País.
Deus nos perdoa
Presidente – Em Jesus Cristo, o Justo, que intercede por nós e nos reconcilia com o Pai, abramos o nosso coração ao arrependimento e peçamos perdão por nossas faltas e omissões (silêncio). Confiantes, supliquemos, cantando.
Hino do Glória
Presidente
– Glorifiquemos o Pai, único Deus, que em Jesus Cristo nos salva e liberta de toda opressão.
Oração
Presidente – Oremos – (silêncio) – Ó Pai, única fonte de autoridade, ajudai-nos para que ninguém abuse do poder que nos confiastes, a fim de que toda autoridade sirva para o bem de todos e assim o mundo vos reconheça como único e verdadeiro Senhor. Por nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.
Deus nos fala
Leitura do Livro do Profeta Isaías (45, 1.4-6)
Salmo Responsorial (95) (CD Cantando os Salmos) Ó família das nações, dai ao Senhor poder e glória! (bis)
Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses (1, 1-5b)
Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus (22, 15-21)
Partilha da Palavra
Profissão de Fé
Presidente – No Deus Uno e Trino, professemos a nossa fé, rezando. Creio em Deus Pai…
Preces da Comunidade
Presidente – Ao Senhor, que nos ama com amor infinito, peçamos confiantes por nossas necessidades. Após cada prece, cantemos. Ó Senhor, Senhor neste dia, escutai nossa prece. (DR)
– Senhor, abençoai a Vossa Igreja e dai ao Papa Francisco, aos bispos, aos padres, diáconos, religiosos(as), leigos(as) sabedoria e discernimento para anunciar com alegria o Evangelho. Nós vos pedimos.
– Senhor, iluminai os nossos governantes, as pessoas que assumiram cargos públicos e as lideranças de nossas comunidades para que façam do poder um serviço em favor da vida. Nós vos pedimos.
– Senhor, encorajai as nossas comunidades para que apoiem os jovens, adolescentes e crianças que fazem parte do trabalho missionário, para que eles possam incentivar outros membros a participarem desses grupos de evangelizadores. Nós vos pedimos.
– Senhor, acompanhai os missionários(as) para que possam com sabedoria levar aos afastados, aos pobres e excluídos uma palavra de fé e esperança diante do sofrimento que a vida nos surpreende a cada dia. Nós vos pedimos.
Apresentação dos Dons
Animador(a) – Ser discípulo significa ter a disposição permanente de levar aos outros o amor de Jesus; e isto sucede espontaneamente em qualquer lugar: na rua, na praça, no trabalho, na família, num caminho.” (Alegria do Evangelho 127) Apresentemos ao altar do Senhor as Ações Missionária de nossa Comunidade.
Coleta Fraterna
Ação de Graças
Louvação Presidente – Louvemos ao Deus da Vida por todas as pessoas que em nossas Comunidades anunciam Jesus Cristo por meio da Oração e das Obras de Misericórdia. Cantemos.
Pai Nosso
Presidente – Com amor e confiança rezemos a oração que Jesus nos ensinou. Pai Nosso…
Momento da Paz
Animador(a) – A paz é o fruto do amor, expressão da real fraternidade entre as pessoas. Rezemos em silêncio pela paz.
Oração
Presidente – Oremos – (silêncio) – Deus eterno e Todo-Poderoso, saciados pelo pão da Vossa Palavra (e pela Comunhão), acompanhai-nos todos os dias de nossas vidas, fortalecei-nos em nossa missão e dai-nos colher os frutos da participação na ceia do Vosso eterno amor. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.
Breves Avisos
Bênção
Presidente – O Deus Pai, que em Jesus manifestou a solidariedade e a caridade, vos faça mensageiros do Evangelho e testemunhas do seu amor no mundo. Amém. – Abençoe-vos o Deus da vida, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém. – Ide em paz e que o Senhor vos acompanhe na missão de evangelizar. Graças a Deus.

Meditando a Palavra de Deus
Do começo ao fim, os relatos bíblicos mostram Deus embrenhado na história humana, em seus conflitos e suas realizações. A ação divina não é desconexa da lida do dia a dia do povo. Não há uma história divina e outra história humana, mas somente uma história da salvação, na qual o divino e o humano se entrelaçam. A primeira leitura nos mostra como as questões políticas são lidas à luz da fé. Ciro é um rei Persa e, portanto, pagão. Diante de seu poder político crescente, o povo de Deus, exilado na Babilônia, vê-o como libertador enviado por Deus. Assim, Isaías catequiza o povo para fortalecê-lo na esperança. Aos poucos, compreende-se que as escolhas de Deus não se deixam restringir somente ao povo de Israel, mas todos participam, a seu modo, da ação salvífica de Deus. O Evangelho nos apresenta a resposta dos interlocutores de Jesus diante das parábolas que ouvimos na liturgia dos últimos domingos. Eles querem pegar Jesus em alguma palavra. Na passagem que ouvimos, eles propõem a Jesus a delicada questão do tributo que o povo tinha de pagar ao imperador de Roma. Dizer sim era o mesmo que compactuar com o sistema injusto e opressor. Dizer não significava afrontar o sistema estabelecido de modo imprudente, pois seria associado a tantos movimentos revolucionários da época. Jesus trata da questão de modo profundo, pois não visa apenas questionar o sistema tributário, mas mostra que toda a ordem social deve ter por centralidade a fonte de todos os bens, Deus. E, quando se dá a Deus, a justiça acontece, e a fraternidade triunfa. A segunda leitura apresenta a comunidade de Tessalônica sendo louvada por Paulo, Silvano e Timóteo. Os tessalonicenses abraçaram de tal modo o evangelho a ponto de serem transformados pela mensagem de salvação. As obras e as ações do Espírito complementam as palavras do anúncio e geram vida. Diante desse testemunho, pensemos como vai o testemunho de fé de nossas comunidades. Vivemos no emaranhado de nossa história, também marcados pelo peso insuportável dos tributos e das tantas questões político-econômicas. Seria possível abraçar a fé como fizeram os tessalonicenses? Não só é possível, como é nosso compromisso primeiro mostrar na prática que temos Deus como centro de nossa vida e dele partem todas as nossas relações sociais. Se não abraçarmos a fé com vivacidade e firmeza, dificilmente saberemos dar a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. Seguindo a Cristo, que se encarnou em nossa história e nela permanece vivo e ressuscitado, somos convidados a considerar mais de perto nossos compromissos sociais e fazer valer a civilização do amor, no qual a paz seja fruto da justiça e a caridade seja o caminho que una a humanidade inteira nas veredas da salvação.

Leituras da Semana
2ª feira: Ef 2,1-10; Sl 99; Lc 12,13-21
3ª feira: Ef 2,12-22; Sl 84; Lc 12,35-38
4ª feira: Ef 3,2-12; Is 12,2-6; Lc 12,39-48
5ª feira: Ef 3,14-21; Sl 32; Lc 12,49-53
6ª feira: Ef 4,1-6; Sl 23; Lc 12,54-59
Sábado: Ef 4,7-16; Sl 121; Lc 13,1-9
Domingo: Ex 22,20-26; Sl 17; 1Ts 1,5c-10; Mt 22,34-40

Você pode Gostar de:

23º Domingo do Tempo Comum(06.09)

– 23º Domingo do Tempo Comum –`Mês dedicado a BÍBLIA Ano A cor verde – …