Página Inicial / Animação Litúrgica / 3º Domingo da Páscoa 18.04

3º Domingo da Páscoa 18.04

Ano B – cor branca – 18/04/2021

1. Saudação
Presidente – Irmãos e irmãs em Cristo, bem-vindos a este encontro fraterno para celebrar nossa Páscoa Semanal. Neste Terceiro Domingo da Páscoa, Jesus ressuscitado dos mortos, revela-Se novamente à comunidade dos discípulos desejando-Lhes a paz. Como testemunhas da ressurreição de Jesus, façamos o sinal da nossa fé. Em nome do Pai… Presidente – O amor infinito do Pai, a entrega total de Jesus Cristo e a força do Espírito Santo estejam convosco. Bendito seja Deus…
Animador(a) – Na celebração comunitária deste domingo, entoemos nossos louvores ao Pai que nos faz passar, com Cristo, da morte para a vida e nos torna promotores da Boa-Nova da reconciliação e da paz, dons da Páscoa. Neste tempo Pascal em que nos alegramos com a Ressurreição de Jesus, vamos recordar os fatos que marcaram a semana que passou (recordação da vida).
2. Deus nos perdoa
Presidente – Jesus Cristo, pela Sua morte e ressurreição nos liberta do pecado e nos oferece a vida em plenitude. Supliquemos a misericórdia de Deus pelas vezes em que pecamos (silêncio). Que o Senhor nos purifique de todo mal.
3. Hino do Glória
Presidente – Glorifiquemos a Deus pela Ressurreição de Jesus Cristo e pelo dom da paz que só Ele nos dá.
4. Oração
Presidente – Oremos – (silêncio) – Ó Deus, a ressurreição de Jesus é fonte de vida nova. Por isso nós vos pedimos que este Vosso povo, povo de filhos de Deus, viva alegre na esperança da ressurreição final. Por nosso Senhor Jesus Cristo, na unidade do Espírito Santo. Amém.
Deus nos fala
5. Leitura dos Atos dos Apóstolos (3, 13- 15.17-19)
6. Salmo Responsorial (4) (CD Cantando os Salmos – Ano B) Sobre nós fazei brilhar o esplendor de vossa face!
7. Leitura da Primeira Carta de São João (2, 1-5a)
8. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas (24, 35-48)
Partilha da Palavra
9. Preces da Comunidade
Presidente – Confiantes no Pai que nos enviou Seu Filho para a nossa salvação, elevemos a Ele os pedidos de nossa comunidade.
10. Apresentação dos Dons Animador(a) –
Coleta Fraterna
11. Pai Nosso
Presidente – Viver a oração que Jesus nos ensinou, é ser fiel ao projeto de Deus, sendo Suas testemunhas. Rezemos com fé: Pai Nosso…
12. Momento da Paz
Animador(a) – “Cristo é a paz que derruba os muros de separação e reconcilia as pessoas, e quem promove a paz é chamado de filho e filha de Deus”. Rezemos em silêncio pela paz.
13. Oração
Presidente – Oremos – (silêncio) – Deus eterno e todo poderoso, que pela ressurreição de Cristo nos renovais para a vida eterna, fazei frutificar em nós o sacramento pascal, e infundi em nossos corações a fortaleza desse alimento salutar. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.
Deus nos envia
14. Breves Avisos
15. Refletindo sobre o Tempo Pascal
O Mistério Pascal é de tal importância na vida litúrgica da Igreja e na vida e atividade apostólica de todos os redimidos pelo Sangue de Cristo, que a sua celebração se prolonga por 50 dias, número cheio de significado, pois exprime também a plenitude da salvação definitivamente alcançada por Jesus Ressuscitado e por Ele oferecida aos homens. Estamos, portanto, ainda plenamente dentro do Tempo Pascal. Neste tempo litúrgico, chamado Tempo Pascal, a Igreja faz-nos saborear toda a riqueza de doutrina e de vida, encerrada no Mistério da Redenção. A partir da Vigília Pascal, até ao Pentecostes, como se todo este tempo fosse “um único grande domingo” (S. Atanásio), a Liturgia revive, “na alegria e na exultação”, os diferentes aspectos do único e grande mistério: “Cristo ressuscitado, nossa salvação”. Deste modo, a Páscoa, a Ascensão e o Pentecostes não são acontecimentos distintos, isolados. São três momentos históricos da vida do Ressuscitado, por meio dos quais se completa e aperfeiçoa o plano divino da Redenção. Este caráter unitário do Tempo Pascal é bem sublinhado pela Liturgia, ao chamar aos Domingos que nele ocorrem, “Domingos de Páscoa” e ao recordar, na Missa vespertina da Vigília de Pentecostes, que o Senhor quis “encerrar a celebração da Páscoa no tempo sagrado de cinquenta dias”.

24. Bênção
Presidente – Que o Deus todo-poderoso vos
abençoe nesta solenidade pascal e vos proteja
contra todo pecado. Amém.
– Aquele que vos renova para a vida eterna, pela
ressurreição do Vosso Filho vos enriqueça com o
dom da imortalidade. Amém.
– E vós que, transcorridos os dias da Paixão do
Senhor, celebrais com alegria a Festa da Páscoa,
possais chegar exultantes à festa das eternas
alegrias. Amém.
– Abençoe-vos Deus todo-poderoso: Pai e Filho e
Espírito Santo. Amém.
– Repletos de alegria Pascal, sejais testemunhas
de Jesus Ressuscitado. Ide em paz e que o Senhor
vos acompanhe. Graças a Deus.

Meditando a Palavra de Deus
A Liturgia deste Terceiro Domingo da Páscoa nos convida a fazer a experiência do Ressuscitado. Crer no Ressuscitado não significa esquecer a cruz, mas reavaliar o seu sentido de dor e de morte para compreendê-la como um instrumento de salvação e de entrega total. Para os cristãos, Jesus não é uma figura do passado, que ficou sepultado no museu da história; mas é alguém que continua vivo, sempre presente nos caminhos do mundo, oferecendo aos homens uma proposta de vida verdadeira, plena, eterna. O “espanto” e o “medo” com que os discípulos acolhem Jesus são, no contexto bíblico, a reação normal e habitual do homem diante da divindade. As dúvidas dos discípulos dão conta dessa dificuldade que eles sentiram em percorrer o caminho da fé, até ao encontro pessoal com o Senhor Ressuscitado. A ressurreição não foi, para os discípulos, um fato imediatamente evidente, mas uma caminhada de amadurecimento da própria fé, até chegar à experiência do Senhor Ressuscitado. O fator decisivo para que os homens descubram que Cristo está vivo é o testemunho dos discípulos. Ao longo da sua caminhada de fé, os discípulos descobriram a presença de Jesus, vivo e ressuscitado, no meio da sua comunidade. Perceberam que Ele continua a ser o centro à volta do qual a comunidade se constrói e se articula. Jesus está vivo e apresenta-Se aos homens do nosso tempo nos gestos de amor, de partilha, de solidariedade, de perdão, de acolhimento que os cristãos sejam capazes de fazer; Jesus está vivo e atua hoje no mundo, quando os cristãos se comprometem na luta pela paz, pela justiça, pela liberdade, pelo nascimento de um mundo mais humano, mais fraterno, mais solidário. Jesus está vivo e continua a realizar aqui e agora o projeto de salvação de Deus, quando Cristo oferece aos coxos a possibilidade de avançar em direção a um futuro de esperança, oferece aos que vivem nas trevas a capacidade de encontrar a luz e a verdade. Quando guardamos a Palavra de Deus em nossos corações e a testemunhamos na vida, é o Senhor Ressuscitado que age em nós e transforma a realidade em que vivemos. Converter-se à luz da Ressurreição significa deixar o erro, as ilusões, o engano para aderir a Cristo, que é Caminho, Verdade e Vida. Esta é a nossa certeza e esse deve ser o nosso compromisso: sermos testemunhas do Ressuscitado, oferecendo aos povos o maior tesouro que possuímos: Jesus Cristo Ressuscitado, nosso Salvador.

Leituras da Semana
2ª feira: At 6,8-15; Sl 118; Jo 6,22-29
3ª feira: At 7,51-8,1a; Sl 30; Jo 6,30-35
4ª feira: At 8,1b-8; Sl 65; Jo 6,35-40
5ª feira: At 8,26-40; Sl 65; Jo 6,44-51
6ª feira: At 9,1-20; Sl 116; Jo 6,52-59
Sábado: At 9,31-42; Sl 115; Jo 6,60-69
Domingo: At 4,8-12; Sl 117; 1Jo 3,1-2; Jo 10,11-18

Você pode Gostar de:

4º Domingo da Quaresma (14.03)

Ano B cor roxa ou rósea – 14/03/2021 1. Saudação Presidente – Irmãos e irmãs …