Dia de Finados

Ano B – XXII – N° 1357 – Comemoração de Todos os Fiéi s Falecidos – cor roxa – 02/11/2012
“VINDE, BENDITOS DE MEU PAI!” (Mt 25, 34b)
A comemoração de hoje deve ter o sentido de esperança. As flores e as velas podem ajudar a assembleia a
entender que neste dia celebramos a alegria da vida eterna. Esta celebração pode ser feita tanto na Igreja
como no cemitério. A equipe, em clima orante, entoa o canto antes de qualquer motivação.
1. Ó Deus fiel ouvi a prece, este lamento do coração. Mesmo que as dores nos oprimam, temos em vós consolação.
Vossa presença faz viver. Faz-nos sentir a eternidade. Ó Deus da vida, Deus de amor. Amém!
2. Mesmo que as trevas nos envolvam, sempre mais forte é vossa luz. Mesmo que a morte nos visite, ressuscitado está Jesus.
01. ACOLHIDA
Animador(a) – Irmãos e irmãs, paz e bem a todos que hoje fazem memória da morte e ressurreição de Cristo na Páscoa de todos os fiéis falecidos. Neste dia de esperança e de comunhão com quem amamos e continuamos a amar, mesmo sem a presença física, a ressurreição de Jesus é uma luz cintilante para a nossa fé na vida. A celebração pelos fiéis falecidos, não é a simples lembrança de nossos entes queridos. Ela nos orienta para o verdadeiro sentido desta vida, para que o tempo transitório em que estamos neste mundo seja oportunidade de manifestar a Glória de Deus por meio de uma vida mais santa. Confiantes na ressurreição para a vida eterna, cantemos.
Procissão de entrada como de costume.
02. CANTO INICIAL
1 – Irei a Ti, ó meu Deus, minha vida mostrarei. Irei a Ti com meus sonhos, como sou, como serei,
levando o mundo em meus braços, o mundo que acolherás. Com toda a voz gritarei a verdade da
vida no amor.
Vida, vida, vida de Deus em nós. Vida, vida, nosso viver em vós.
2 – Irei a Ti, ó meu Deus, bem assim como eu vivi. Irei a Ti com a história, como sou, como senti,
levando a vida que deste, trazendo a vida que sou. Com toda a voz gritarei a verdade da vida no
amor.
Presidente – Reunidos pelo amor do Pai, na certeza da vida plena que Ele nos reserva, façamos o sinal da nossa fé. Em nome do Pai…
Presidente – A vós, irmãos e irmãs, paz e fé da parte de Deus, nosso Pai e de nosso Senhor Jesus Cristo. Bendito seja Deus…
03. DEUS NOS PERDOA
Presidente – No dia em que celebramos a vitória de Cristo sobre o pecado e a morte, também nós somos convidados a morrer para o pecado e ressurgir para uma vida nova. Reconheçamo-nos necessitados da misericórdia do Pai (pausa). Confessemos os nossos pecados, cantando.
1 – Do amor eu fugi, do irmão me esqueci, não abri meu coração e neguei o meu perdão.
Perdão, Senhor, perdão, meu Deus, eu pequei. Teu amor eu recusei, do irmão me afastei. (bis)
2 – Pobres eu não socorri, nus também eu não vesti. Dos doentes me afastei, e aos presos desprezei.
3 – Eu tentei recomeçar, ir o próximo encontrar, pois a lei manda amar, e a todos se doar.
Presidente – Ó Deus da vida, tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna. Amém.
– Senhor, tende piedade de nós. Senhor…
– Cristo, tende piedade de nós. Cristo…
– Senhor, tende piedade de nós. Senhor…
04. ORAÇÃO
Presidente – Ó Deus, escutai as preces que hoje vossa Igreja em todo o mundo faz em favor daqueles que partiram desta vida. Vós, que ressuscitastes Jesus, que está à vossa direita, fortalecei nossa esperança e dai-nos crer firmemente na ressurreição dos mortos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.
05. APRESENTAÇÃO DO LIVRO DA PALAVRA
O leitor(a) apresenta o Lecionário (ou Bíblia) enquanto se canta.
Desça como a chuva a tua Palavra, que se espalhe como orvalho, como chuvisco na relva,
como aguaceiro na grama. Amém!
As leituras não estão na sequência. Procure no Lecionário em: Comemorações dos fiéis falecidos.
06. LEITURA DO LIVRO DO PROFETA ISAÍAS (25, 6a.7-9)
07. SALMO RESPONSORIAL (24)
Senhor meu Deus, a vós elevo a minha alma. (bis)
– Recordai, Senhor meu Deus, vossa ternura e a vossa compaixão que são eternas! De mim lembraivos, porque sois misericórdia e sois bondade sem limites, ó Senhor!
– Aliviai meu coração de tanta angústia, e libertai-me das minhas aflições! Considerai minha
miséria e sofrimento e concedei vosso perdão aos meus pecados!
– Defendei a minha vida e libertai-me; em vós confio, que eu não seja envergonhado! Que a retidão e a inocência me protejam, pois em vós eu coloquei minha esperança!
08. LEITURA DA CARTA DE SÃO PAULO AOS ROMANOS (8, 14-23)
09. CANTO DE ACLAMAÇÃO
Aleluia, Aleluia, Aleluia. (bis)
1 – Benditos do Pai, se apossai-vos do Reino, que foi preparado, bem desde o começo!
10. PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO DE JESUS CRISTO SEGUNDO SÃO MATEUS (25, 31-46)
11. PARTILHA DA PALAVRA
Após a partilha da Palavra, sugere-se cantar:
Em Cristo todos terão a vida! Aleluia!
1 – Como Jesus viveu, se fez obediente ao Pai.Trouxe ao mundo a Paz, fomos salvos por Ele.
2 – Como Jesus sofreu levando a nossa dor. Salvos por sua Cruz celebramos o amor.
3 – Como Jesus morreu, morreu e ressuscitou. Deus vai ressuscitar os que n’Ele morreram.
12. PROFISSÃO DE FÉ
Presidente – Confiantes na ressurreição e na vida eterna, professemos a nossa fé, rezando. Creio em Deus Pai…
13. PRECES DA COMUNIDADE
Presidente – Elevemos ao Pai os nossos pedidos, cantando após cada prece: Ouvi, Deus de amor, nosso clamor.
– Senhor, fortalecei a vossa Igreja, guiada pelo Papa Bento XVI, para que testemunhe sempre diante do mundo a fé no Cristo morto e ressuscitado. Nós vos pedimos.
– Senhor, ajudai-nos a viver uma vida mais santa, para que possamos, um dia, participar da assembleia celeste com nossos irmãos e irmãs que se encontram no Vosso Reino Glorioso. Nós vos pedimos.
– Senhor, concedei aos vossos filhos e filhas viverem os ensinamentos do Vosso Filho Jesus,
praticando a misericórdia, socorrendo e reconhecendo Cristo na pessoa do irmão. Nós vos pedimos.
Presidente – Rezemos juntos a oração pelos fiéis falecidos.
Ó Deus, que pela morte e ressurreição do vosso Filho Jesus Cristo nos revelastes o enigma da
morte, acalmastes nossa angústia e fizestes florescer a semente da eternidade que vós mesmo
plantastes em nós. Concedei aos vossos filhos já falecidos a paz definitiva da vossa presença.
Enxugai as lágrimas de nossos olhos e dai-nos a alegria da esperança na ressurreição prometida.
Que todos aqueles que buscaram o Senhor com o coração sincero e que morreram na esperança da ressurreição descansem em paz. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.
14. APRESENTAÇÃO DOS DONS
Animador(a) – Jesus nos ensina o caminho para chegarmos à glória eterna, na feliz ressurreição.
Ele afirma que não seremos julgados por grandes obras, mas por nossas ações de misericórdia, pelas vezes que reconhecemos e socorremos o Cristo na pessoa do necessitado e do excluído.
Apresentemos ao altar do Senhor nosso compromisso de batizados em acolher a proposta de Jesus, colocando-a em prática em nossa vida e na vida da comunidade.
Onde houver Pastoral da Criança, da Esperança, Carcerária, da Saúde, da Sobriedade, alguns membros
apresentam uma vela grande diante do altar e faixas com as frases: vestir os nus, cuidar dos enfermos,
visitar os presos, dar de comer a quem tem fome, acolher os estrangeiros… Proclamá-las em voz alta. Em
seguida, enquanto se canta, depositá-las diante do altar.
A certeza que vive em mim é que um dia verei a Deus. Contemplá-lo com os olhos meus é a
felicidade sem fim.
1 – O sentido de todo viver eu encontro na fé e no amor. Cada passo que eu der será buscando o
meu Senhor.
15. CANTO DAS OFERENDAS
(onde houver Celebração da Palavra)
A vida dos justos está nas mãos de Deus, nenhum tormento os atingirá. Aos olhos dos
insensatos pareceram morrer; mas eles estão em paz! Aleluia, aleluia.
1 – “Senhor, quem morará em vossa casa e em vosso Monte Santo, habitará?” É aquele que caminha sem pecado e pratica a justiça fielmente.
2 – “Senhor, quem morará em vossa casa e em vosso Monte Santo, habitará?” Que pensa a verdade no seu íntimo e não solta em calúnias sua língua.
3 – “Senhor, quem morará em vossa casa e em vosso Monte Santo, habitará?” Que em nada
prejudica o seu irmão, nem cobre de insultos seu vizinho.
(onde houver Celebração Eucarística)
Ó Deus presente nosso presente nós te ofertamos. (bis)
1 – Trazemos pão e vinho da memória e tradição da eterna aliança sempre nova no cristão. O corpo todo entregue por amor em comunhão.
Ô, ô, ô… Ô, ô, é tudo teu, Deus do amor. (bis)
2 – A esperança sempre viva no peito a saudade das pessoas tão queridas nos olhos tantos sonhos de um futuro com mais vida nos pés a marcha lenta para a terra prometida.
PAI NOSSO
Presidente – A vocação da humanidade é ser família de Deus. Unidos como irmãos, rezemos a
oração da fraternidade. Pai Nosso…
ABRAÇO DA PAZ
Animador(a) – Viver em paz com nossos irmãos é construir o novo céu e a nova terra, durante o
tempo de nossa história e antecipar a alegria de fazer parte da glória eterna. Nesta certeza, saudemo-nos. (canto à escolha)
19. CANTO DE COMUNHÃO (se houver)
1 – A nossa vida a um sopro é semelhante, e nós passamos como o tempo, num instante: pois são mil anos para Deus como um dia, como a vigília de uma noite que se foi.
Só tu, meu Deus, me dás o pão que vence a morte o mal e a dor! Só tu, meu Deus, me dás o pão da vida nova em teu amor!
2 – Tal como a flor que de manhã no campo cresce, logo de tarde é cortada e fenece, assim a vida é muito breve aqui na terra, feita de luta, de vaidade e muita dor.
3 – Que o teu Espírito nos dê sabedoria, pra bem vivemos nossos anos, nossos dias… Tem compaixão, Senhor, dos teus humildes servos, e exultará de alegria o coração!
4 – Já aqui na terra tu revelas tua bondade a quem te busca sempre com sinceridade. E é vivendo na esperança desta glória, que caminhamos ao clarão da tua luz.
5 – Hei de cantar tua bondade eternamente, me confiar à tua graça tão somente… Só tu, Senhor,
podes salvar a minha vida; e desde já me entrego inteiro em tuas mãos.
20. ORAÇÃO
Presidente – Deus eterno e todo-poderoso, que nos criastes para a felicidade eterna, dai a luz e a paz da vossa presença àqueles que já partiram deste mundo e concedei-nos a glória a que nos chamais e a esperança de encontrá-los no céu. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.
Presidente – Dai-lhes, Senhor, o descanso eterno. (3 vezes)
Todos – E a luz perpétua os ilumine.
21. NOTÍCIAS E AVISOS
22. BÊNÇÃO
Presidente – O Deus de toda consolação vos dê a sua bênção, Ele que, na sua bondade, criou o ser humano e deu aos que creem em seu Filho ressuscitado a esperança da ressurreição. Amém.
– Deus vos conceda o perdão dos pecados e, a todos os que morreram, a paz e a luz eterna. Amém.
– E todos vós, crendo que Cristo ressuscitou dentre os mortos, vivais eternamente com Ele. Amém.
– Abençoe-vos Deus todo-poderoso: Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.
– Ide em paz e o Senhor vos acompanhe. Graças a Deus.
22. CANTO FINAL
1 – Ó Deus fiel ouvi a prece, este lamento do coração. Mesmo que as dores nos oprimam, temos em vós consolação.
Vossa presença nos faz viver. Faz-nos sentir a eternidade. Ó Deus da vida, Deus de amor.
Amém!
2 – Mesmo que as trevas nos envolvam, sempre mais forte é vossa luz. Mesmo que a morte nos
visite, ressuscitado está Jesus.
PREPARANDO A PARTILHA DA PALAVRA
No dia em que celebramos os mortos, tudo fala de vida, de modo que podemos afirmar, que morrer é viver. A razão disso tudo é a pessoa de Jesus Cristo, morto e ressuscitado. Hoje de modo especial, recordamos os nossos falecidos. Uma lembrança de carinho e piedade. A Igreja sempre nos ensinou a rezar no Credo: “Creio na comunhão dos santos… e na vida eterna”. O que significa isso? Quer dizer que nós, que peregrinamos nesta Terra, estamos em comum união, em comunhão com os que terminaram esta vida, seja os que alcançaram a glorificação, seja os que ainda precisam de purificação. A criatura humana não é feita para a morte, mas para a vida eterna. E Jesus foi claro quando disse: “Deus não é um deus dos mortos, mas dos vivos”. A morte biológica não é o fim do ser humano. Tudo é possível se a morte não é o fim. Apesar da fé, é natural que nos pese a ausência física de pessoas que amamos e já não estão neste mundo. Não celebramos nossos mortos como quem lembra de alguém que se foi e nunca mais se verá. Cremos num encontro que está carinhosamente preparado pelo Pai e que podemos rezar uns pelos outros, vivos e mortos, porque continuamos sendo todos membros da mesma família de filhos e filhas de Deus. Jesus hoje em seu Evangelho nos ensina que não seremos julgados por grandes obras, após a morte, mas por ações de misericórdia, pelas vezes em que reconhecemos e socorremos o Cristo na pessoa do pobre e excluído. Mostra-nos a imagem de um Deus bem próximo de nós. Presente nos humildes, naqueles que são marginalizados. Pela morte, nossa entrada no Reino se dá de maneira plena, por graça de Deus. É preciso que vivamos como filhos de Deus, para que sejamos dignos da salvação que Ele nos oferece.

Você pode Gostar de:

16º Domingo do Tempo Comum (18.07)

16º Domingo do Tempo Comum Ano B – cor verde – 18/07/2021 1. Saudação Presidente …